Superman: Homem do Amanhã (2020) - NoSet
Review

Superman: Homem do Amanhã (2020)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos da segunda animação do novo universo DC após o último reboot em Liga da justiça Sombria, a Guerra em Apokolips.

Superman: The Man of Tomorrow.

Superman: Man of Tomorrow é uma animação do maior super herói americano de 2020, produzido pela Warner Bros. Animation e DC Entertainment. É a trigésima nona animação da DC Universe Animated Original Movies e foi lançado em Digital em 23 de agosto de 2020 e em Blu-ray , DVD e previsto para ser lançado em 4K Ultra HD em 8 de setembro de 2020.

Dirigido por Chris Palmer, produzido por Jim Krieg e Kimberly S. Moreau, escrito por Tim Sheridan, baseado nos personagens de DC Comics – Superman por Jerry Siegel e Joe Shuster. Dublagem Darren Criss, Alexandra Daddario e Zachary Quinto, produção Warner Bros. Animation e DC Entertainment, distribuído por Warner Bros. Home Entertainment.

Sinopse: A animação narra os primeiros passos de Clark Kent até se tornar o herói conhecido como Superman.

Crítica: Simplesmente brilhante, a volta às origens em Superman: Homem do Amanhã foi uma sábia decisão da DC Comics após seu tão criticado (por mim) reboot em Guerra de Apokolips e uma morna primeira animação Deathestroke (crítica no site), esta nova interpretação da infância e dos primeiros passos do jovem Clark até o ícone Superman está perfeita em quase tudo e tem maravilhosas referências ao universo criado pelo mestre John Byrne, juntamente com o mega diretor Richard Donner e Christopher Reeve para a melhor fase do Superman de todos os tempos.

Já começo elogiando os traços aplicados aqui na animação, deixando para trás um sucesso visual e investindo em um estilo computadorizado misturando 2D e 3D, mas de forma assertiva, mesmo que muito futurista para nossa realidade e até as usadas nas antigas animações ou nos Live Actions. Aqui, Metrópole é futurista, limpa, sem poluição, sem bairros pobres, cercada de luxo e prédios modernos, com alta tecnologia, como o prédio da Cadmus, base de estudo para os alienígenas. Se esse foi o verdadeiro motivo para o reboot, tenho que dizer que realmente valeu a pena, pois a imagem está linda e perfeita.

O ponto principal do roteiro de Tim Sheridan e a direção de Chris Palmer está na Xenofobia, definida como medo, aversão ou a profunda antipatia em relação aos estrangeiros, a desconfiança em relação a pessoas que vêm de fora do seu país com uma cultura, hábito, raça ou religião diferente, aqui interpretada pela descoberta de alienígenas e o medo de uma invasão pelos terráqueos. As HQs sempre tiveram uma forte influência cultural sobre a sociedade e não é de hoje que estes assuntos são temas, como a questão racial tão bem demonstrada com os X-Men na Marvel Comics.

Personagens como Lois Lane também ganharam uma repaginada, Lane está imponderada, jovem nada convencional, no começo de sua carreira, vivendo riscos, desconfiando de todos e conhecendo as implicações de uma jovem jornalista no mercado masculino. Sua relação com jovem e inocente estagiário Kent é muito bem explorada e demonstra a diferente visão de mundo de ambos, um criado no interior e outra filha de militares. Os pais de Clark, Martha e John, também tem um grande destaque na história, lembrando muito o filme do Snyder o Homem de Aço, onde Clark sempre busca conselhos de seus pais.

Já Lex Luthor vem sem novidades, mostrando abertamente seu caráter e suas ambições sem limites, já é dado até um spoiler de uma possível continuação com Lex como Presidente, provavelmente usando o medo da população quanto a uma invasão alienígena e vigilantes, algo muito usado pela DC Comics no arco Lendas com Darkseid e Inimigos Públicos pelo próprio Luthor.

Apesar do roteiro ser centrado ao universo do Superman, com citações apenas ao Batman, a aparição do Lobo e o Caçador de Marte são os melhores momentos da história, a relação do jovem Clark com J’onn J’onzz de respeito e boas piadas me lembrou muito a série Smallville, onde J´onzz tinha o papel de mentor, um experiente guerreiro ensinando ao jovem Kriptoniano a conhecer sua origem e seus poderes. A referência na animação que J´onzz conhecia o passado de Kal El devido ao contato mental estabelecido, também relembra a série, já que lá o Caçador de Marte conhecia a cultura Kriptoniana e os pais de Kal El.

Talvez minha única crítica fosse a nova repaginada de Rudy Jones, também conhecido como o vilão Parasita. Transformá-lo em uma criatura igual ao Godzilla foi desnecessário, a não ser para dar um inimigo a altura do Superman e o Caçador de Marte juntos, demonstrar a ganancia de Luthor e ter um discurso do Superman sobre a Xenofobia, mas ainda assim desnecessário.

Curiosidades: Darren Criss como Kal-El / Clark Kent / Superman, Alexandra Daddario como Lois Lane, Zachary Quinto como Lex Luthor, Ike Amadi como J’onn J’onzz / Martian Manhunter, Ryan Hurst como Lobo, Brett Dalton como Rudy Jones / Parasite, Neil Flynn como Jonathan Kent, Bellamy Young como Martha Kent e Piotr Michael como Perry White.

Em julho de 2019, a animação foi anunciada na San Diego Comic Con. Em maio de 2020, o elenco de voz foi revelado e o trailer oficial foi lançado em 24 de junho de 2020 no canal IGN no YouTube.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Topo