The Golden Compass: A Bussola de Ouro (2007) - NoSet
Cinema

The Golden Compass: A Bussola de Ouro (2007)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais uma adaptação literária para os cinemas.

A Bússola de Ouro (2007)

Direção e roteiro Chris Weitz, produção Bill Carraro e Deborah Forte, baseado em Northern Lights de Philip Pullman. Elenco  Nicole Kidman, Dakota Blue Richards, Daniel Craig, Eva Green, Sam Elliott, Ian McKellen e Ian McShane. Companhia produtora New Line Cinema e distribuição New Line Cinema e Entertainment Film.

Com um orçamento de US$ 180 milhões e uma baixa receita de US$ 372 milhões, The Golden Compass é um filme britânico-americano baseado no livro Northern Lights, primeiro volume da trilogia His Dark Materials de Philip Pullman. O filme ganhou um Oscar de melhores efeitos visuais e foi indicado a melhor direção de arte.

Enredo: No início do filme, ficamos a saber que a história se passa em um dos muitos mundos alternativos, em que a alma de uma pessoa está contida dentro de um companheiro animal chamado daemon. O Magistério, representado como um poder religioso unificado, exerce o poder no mundo secular. Lyra Belacqua, uma órfã que reside na Faculdade Jordan, com seu daemon Pantalaimon (Pan), acidentalmente testemunha um membro do Magistério pondo veneno na garrafa de seu tio. Lyra, em seguida, adverte seu tio, Lorde Asriel, que aconselha-a a permanecer calada. Lyra aguarda Asriel fazer uma apresentação sobre o Pó, uma partícula que o Magistério proibiu a menção. O colégio dá para Asriel uma subvenção para financiar uma expedição no norte. No jantar, Lyra encontra a senhora Coulter, que insiste em levar Lyra ao norte como sua assistente. Antes de Lyra sair, o Mestre da faculdade entrega um artefato, uma bússola, que revela a verdade. O Magistério tem destruído todas as outras. Ele instrui a manter isso em segredo, especialmente da senhora Coulter.

Na casa da Srª Coulter, Lyra menciona a “poeira”, um tipo de partícula misteriosa. Isso deixa a senhora Coulter irritada e ela avisa Lyra que nunca mencione novamente e também insiste que ela deixe a bolsa contendo a bússola. O ataque do Daemon (um macaco dourado) da Srª Coulter à Pan, faz com que Lyra entregue a bússola. Lyra e Pan descobrem que a senhora Coulter é a presidente da Oblation Board Geral, os “Papões”, que estavam sequestrando crianças locais. Ela também descobre que seu melhor amigo, Roger e o Gyptian Billy foram pegos pelos Papões. Lyra e Pan são perseguidos pelo dimon da Srª Coulter. Eles escapam para as ruas. Os “Papões” perseguem-a, mas ela é salva por alguns Gyptians. A bordo de um dirigível em direção ao norte para resgatar os seus amigos Gyptian, Lyra mostra a bússola para um homem prudente Gyptian, Farder Coram. No convés naquela noite, Serafina Pekkala, a rainha bruxa, diz à Lyra que as crianças desaparecidas estão em um lugar chamado Bolvangar. A Srª Coulter envia duas moscas espiãs mecânicas para seguir Lyra e Pan; uma é golpeada a distância, mas o outra é capturada e selada em uma lata por Farder Coram, que explica que a mosca espiã tem uma picada com um veneno para dormir. Em um porto do norte, Lyra faz amizade com o texano Lee Scoresby, que a aconselha a contratar um urso de armadura. Exilado na vergonha, o urso polar gigante Iorek Byrnison tem sido enganado pela população local para não receber a armadura. Usando a bússola, Lyra diz a Iorek onde encontrar sua armadura. Blindado novamente, Iorek temível e seu amigo Lee Scoresby junta-se na caminhada para o norte.

Naquela noite, ao montar nas costas de Iorek, Lyra encontra Billy separado de seu daemon, Salcilia. Lyra reúne Billy com sua mãe e o grupo é atacado por Samoyeds que captura Lyra. Levado para o rei urso de armadura Ragnar Sturlusson, que engana Lyra em combate com Iorek um a um. Na primeira, Ragnar parece ter a mão superior na luta, mas Iorek eventualmente mata seu rival. Ele, então, torna-se o novo rei. Iorek carrega Lyra próximo a uma ponte de gelo fino perto de Bolvangar. Ao alcançar a estação, Lyra é levada para comer com as crianças desaparecidas. Enquanto se escondia novamente, Lyra descobre que os cientistas do Magistério, sob a orientação da senhora Coulter, estão realizando experimentos para romper o vínculo entre a criança e seu daemon. Depois de serem capturados espiando, Lyra e Pan são jogados na câmara de intercisão e acabam inconsciente devido a força da energia que tenta cortá-los. Ao ver Lyra na guilhotina, a senhora Coulter resgata-la e leva para seus aposentos. Quando Lyra acorda ela é consolada por Srª Coulter que encontra-se preocupada e explica sobre o corte do daemon para Lyra e também diz a Lyra que ela é sua mãe. Lyra, em seguida adivinha que Lorde Asriel é seu pai. Quando a Srª Coulter pede a bússola, Lyra lhe dá a lata contendo a mosca espiã. A mosca espiã pica a Srª Coulter, derrubando ela e seu daemon. Lyra corre para o quarto com a máquina de intercisão, puxa uma caixa de controle e atira-la na máquina de intercisão, fazendo-a explodir. Isso desencadeia uma série de explosões.

Lá fora, as crianças são atacados por mercenários e seus dimons lobos. A batalha é acompanhado por Iorek, os Gyptians e um bando de bruxas do voadoras, lideradas por Serafina Pekkala. Os mercenários são derrotados e as crianças são resgatadas. Ao invés de retornar ao sul, Lyra, Roger e Iorek voão para o norte com Lee Scoresby em busca de Lorde Asriel. Sem saber que ele está em perigo mortal, Lorde Asriel montou um laboratório para investigar a poeira brilhante do outro mundo.

Controvérsias: Dias próximos ao lançamento do filme, a Liga Católica nos Estados Unidos iniciou uma campanha de boicote acusando o filme de “conduzir as crianças ao ateísmo”. O presidente da instituição, Bill Donohue, explicou que o filme promove o ateísmo e busca “denegrir a cristandade, aos olhos das crianças”. Em resposta às acusações, a Associação Humanista Americana manifestou-se, por meio de uma nota oficial, a favor do filme “A Bússola de Ouro”. Fred Edwords, diretor de comunicação da instituição, afirmou que a posição da Liga Católica está equivocada e que, após assistir o filme, o que fica em questão é o problema de certas posturas das autoridades religiosas.

Na mesma época (29 de novembro de 2007), Harry Forbes, então diretor do Gabinete de Cinema e TV da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos – USCCB, publicou no site da instituição uma análise onde dizia que “tomada puramente no contexto cinematográfico, (A Bússola de Ouro) pode ser visto como uma emocionante aventura como uma história, no seu seio, de uma tradicional luta entre o bem e o mal, e uma rejeição generalizada do autoritarismo.” E, junto à página de avaliação de filmes no mesmo site, classificou a produção com “conceito A II – Adultos e Adolescentes”. Esta análise teve grande repercussão, ao ponto que a própria agência promotora do filme, Adversiting Media Plus, utilizou a referência de Forbes para motivar a imprensa católica a divulgar o filme. Em decorrência a isso, no dia 10 de dezembro, menos de duas semanas depois, a análise foi retirada do site pela USCCB informando por meio de uma nota que não terá qualquer tipo de referência ao filme publicada. A agência promotora também teve de retirar de sua campanha todas as citações.

Inúmeras cenas do romance não apareceram no filme ou foram alteradas. Em 7 de dezembro de 2007, a revista New York revisou rascunhos de roteiros de Stoppard e Weitz; ambos eram significativamente mais longos que a versão final, e o rascunho de Weitz (que, diferentemente do de Stoppard, não apresentava acréscimos significativos ao material original) foi considerado o melhor dos três. A revista concluiu que, em vez de “provavelmente três horas de duração”, que incluíam cenas como a festa de Coulter em Londres e a reunião de Lyra com um representante de bruxas, o estúdio optou por um período “fracassado” de menos de duas horas para maximizar receita.

Em 9 de outubro de 2007, Weitz revelou que os três capítulos finais da Northern Lights foram transferidos para a sequência potencial do filme, The Subtle Knife , a fim de fornecer “a conclusão mais promissora para o primeiro filme e o melhor começo possível para o segundo”.  Embora ele também tenha dito menos de um mês depois que havia” uma tremenda pressão de marketing “para criar” um final otimista”. O San Francisco Chronicle considerou este final “truncado” e abrupto. O autor Pullman apoiou publicamente essas mudanças, dizendo que “todo filme precisa fazer alterações na história contada no livro original, não para alterar o resultado, mas para ajustá-lo às dimensões e ao meio do filme”.  Além de remover o final perturbador do romance, o filme reverte a ordem em que Lyra viaja para Bolvangar, o posto avançado do Gobbler, e depois Svalbard, o reino dos ursos blindados.

Em julho de 2009, Weitz disse a Comic Com que o filme havia sido “recortado e minha experiência com ele acabou sendo bastante terrível”; ele também disse à revista Time que sentiu que “sendo fiel ao livro eu estava trabalhando em desacordo com o estúdio”. Em 2011, Pullman disse na conferência anual da Associação Humanista Britânica que também estava decepcionado com esta decisão, e esperava que o corte do diretor fosse lançado algum dia, incluindo as imagens cortadas pela New Line.

No livro, o Jordan College Master envenena relutantemente o vinho de Lord Asriel; no filme, um funcionário visitante do Magisterium realiza (mais de bom grado) essa ação. O aletiômetro é mencionado várias vezes ao longo do filme como uma “bússola de ouro”.

No filme, Billy Costa substitui Tony Makarios como vítima de intercisão, e Tony é deixado de fora. Billy tem o daemon Ratter, que é o de Tony no livro. Billy aparece na primeira cena do filme, enquanto, no livro, ele é visto pela primeira vez em Bolvangar, e é salvo antes mesmo de ter que passar por intercisões.

Tasha Robinson, do The AV Club, argumentou que, através do uso de uma introdução falada e de outros diálogos repletos de exposições, o filme falha em “revelar de maneira direta tudo o que o romance está tentando fazer você pensar e explorar lentamente”. Youyoung Lee escreveu no Entertainment Weekly de dezembro de 2007 que o filme “deixa de fora o sangue”, como o ritual de comer o coração que conclui a luta contra o urso, “para criar pratos mais amigáveis ​​à família”. Lee também disse que o filme “minimiza a natureza religiosa do Magisterium”, mas Robinson argumentou que a representação da igreja no filme é como “uma organização hierárquica de padres com roupas de iconografia pesadamente vestidas de forma formal que ditam e definem a moralidade para seus seguidores”.

O filme dá mais destaque às cenas que mostram a perspectiva dos funcionários do Magisterium do que o romance. O romance raramente menciona explicitamente as intenções do Magisterium, contando com as fofocas de outros e os comentários da Sra. Coulter.

Embora o personagem da Sra. Coulter tenha cabelos pretos no romance, Pullman respondeu à interpretação do garoto Kidman, dizendo: “Eu estava claramente errado. Você às vezes está errado sobre seus personagens. Ela é loira. Ela deve estar.”

Crítica: O que acontece quando uma franquia literária adulta de sucesso se torna uma tentativa de adaptação em live action cinematográfica infantil, um blockbuster focado nos efeitos especiais e elenco sobre um roteiro infantilizado para se ter mais alcance nas bilheterias, baixar a faixa etária e se tornar um projeto familiar por pressão da produtora (dona dos direitos)? Normalmente termina muito mal e temos vários exemplos de adaptações literárias que fracassaram por não compreender o que fez do livro um sucesso. Obras como Os Instrumentos Mortais, A Hospedeira, Dezesseis Luas, Eu sou o Número Quatro, Circo de Horrores e Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children, todos com orçamentos grandiosos, sem continuações nos cinemas, criticas severas de fãs e críticos e bombas nas receitas.

A New Line Cinema quis fazer uma aposta na grandiosidades de uma nova franquia de sucesso no mesmo estilo de O Senhor dos Anéis, Nárnia e Harry Potter, mas se chocou com o mesmos problemas de adaptação e roteiro para um Live Action como em Percy Jackson, onde o público acabou não se conectando com a história, não importando o carisma do elenco. O projeto final de A Bússola de Ouro, com três horas, foi picotado, o roteiro alterado por no mínimo três vezes, o final refeito ao extremo e participações caríssimas, como de Daniel Craig (Lorde Asriel), ficaram descaraterizadas e sem sentido na trama.

A então jovem Dakota Blue Richards (Lyra Belacqua) é o que salva no filme, sua atuação me fez assistir ao filme mais de uma vez por seu carisma , tanto com atores quanto com personagens de CGI, estão perfeitos, mas não é o suficiente para manter um roteiro cheio de buracos, principalmente no segundo e terceiro atos.  Muito se foi dito após a confirmação do fracasso do filme, principalmente na bilheteria caseira americana. As acusações de pressão da New Line Cinema sobre Pullman e Weitz para um filme mais familiar vazaram e parece que este foi o maior problema em todo o processo criativo e  de produção, aceitar as exigências da produtora para o projeto andar com uma censura mais branda. Pullman, que não era bobo e queria o dinheiro, em várias entrevistas antes disse que a visão cinematográfica da obra no cinema, aposta da New Line, não era igual ao livro e todos tinham que aceitar isso, inclusive ele próprio. No final disse que a obra cinematográfica havia o decepcionado.

Apesar de adorar Nicole Kidman (Marisa Coulter), sua personagem também sofre demais com os cortes e no arco final, chegando ao ponto em que a atriz é claramente substituída por uma duble de corpo que esconde seu rosto nas cenas, claramente para alterar a rota final do filme, deixando uma possível conclusão do primeiro livro, que por ser “pesado demais”, ficaria possivelmente para a continuação, ou não, mas a conclusão bombástica do filme foi apagada da história.

A participação de um elenco internacional também não ajudou, mas são atores incríveis como  Eva Green (Serafina Pekkala), Sam Elliott( Lee Scoresby), Christopher Lee (Lorde Boreal), Kathy Bates (Hester), Ian McKellen (Iorek Byrnison) e Ian McShane (Ragner Sturlusson).

Curiosidades: O retorno norte-americano de fim de semana de abertura foi “um pouco decepcionante” para a New Line Cinema, ganhando US $ 25,8 milhões com bilheteria doméstica total de US $ 70 milhões, em comparação com um orçamento estimado em US $ 180 milhões. Apesar disso, o filme se recuperou com o seu desempenho fora dos Estados Unidos e foi descrito como “estelar” pela Variety, e como “surpreendente” pela New Line. No Reino Unido, o filme arrecadou US $ 53 milhões e se tornou a segunda maior bilheteria de 2007, atrás apenas de The Simpsons Movie. No Japão, o filme foi lançado oficialmente em março de 2008 em 700 telas, arrecadando US $ 33 milhões, mas as visualizações do filme entre 23 e 24 de fevereiro de 2008 renderam apenas US $ 2,5 milhões. Em 6 de julho de 2008, havia recebido US$ 302 milhões internacionalmente, totalizando US $ 372 milhões em todo o mundo.

Os direitos no exterior do filme foram vendidos para financiar o orçamento de produção de US $ 180 milhões para o filme, portanto, a maioria desses lucros não foi para a New Line. Isso foi citado como uma possível “última gota” na decisão da Time Warner de fundir o New Line Cinema na Warner Bros. Pictures .

Comentários de The Golden Compass foram misturados, no site agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 42%, com base em 194 críticas, com uma pontuação média de 5,61 / 10. O consenso crítico diz: “Sem a mordida ou a controvérsia do material de origem, a Bússola de Ouro é reduzida a visuais impressionantes que compensam demais as histórias relaxadas”. No Metacritic , que atribui uma classificação média ponderada de 100 às críticas dos principais críticos, o filme recebeu uma pontuação média de 51, com base em 33 críticas.

Manohla Dargis, do The New York Times, disse que o filme “abarrota tantos eventos, personagens, reviravoltas, salas suntuosamente decoradas e vistas etéreamente estranhas, que corre o risco de perdê-lo no turbilhão” e que enquanto A Bússola de Ouro é “uma obra honrosa”, é “dificultada por sua lealdade ao livro e seu ritmo loucamente apressado”. James Berardinelli, da ReelReviews, deu ao filme duas estrelas e meia em quatro, chamando-o de “adequado, mas não inspirado” e criticando a primeira hora por seu ritmo acelerado e personagens pouco desenvolvidos. James Christopher do TimesLondres ficou desapontado, elogiando os maravilhosos efeitos especiais e o elenco, mas dizendo que “os livros tecem uma mágica que o filme simplesmente não pode igualar” e citando uma “falta de drama genuíno”.

A Time o classificou como “B” e o chamou de “fantasia boa, embora familiar”. Peter Bradshaw, do The Guardian, classificou o filme com quatro estrelas em cinco, elogiando o elenco, a atuação de Nicole Kidman e dizendo que “não havia outros filmes concorrentes para de Natal de 2007”. Leonard Maltin deu ao filme três das quatro estrelas e disse que “Richards é persuasivo” e “faz um bom trabalho ao nos apresentar a um mundo desconhecido”. O crítico Roger Ebert premiou o filme com quatro das quatro estrelas e o chamou de “um épico de fantasia mais sombrio e profundo do que O Senhor dos Anéis,As Crônicas de Nárnia ou os filmes de Harry Potter, “dizendo que isso” cria vilões que são mais complexos e colocam questões mais intrigantes. Como uma experiência visual, é excelente. Como uma fantasia escapista, é um desafio .Eu acho que é um filme maravilhosamente bonito, com passagens emocionantes e uma heroína cativante. ”

O próprio Pullman foi descrito por um entrevistador do London Times como “ambivalente” e “cauteloso” sobre o filme, dizendo em março de 2008: “Muitas coisas foram boas Nada é perfeito. Nada pode trazer à tona tudo o que está no livro. Sempre há compromissos “. Ele esperava, no entanto, que o resto da trilogia fosse adaptado com o mesmo elenco e equipe. Em julho de 2009, depois que essa possibilidade se esgotou, Weitz disse à revista Time que achava que os efeitos especiais do filme acabavam sendo o “elemento mais bem-sucedido”. Na conferência da Associação Humanista Britânica em 2011, Pullman disse que não haveria mais filmes com o mesmo elenco e equipe. Enquanto elogiava os retratos de seus personagens por Nicole Kidman e Dakota Blue Richards, Pullman disse que estava decepcionado com  a edição final da New Line.

A revista Debbie Day of Premiere disse que ” A Bússola de Ouro falha como um filme em seus traços largos e desenvolvimento inadequado da cena”.

A Bússola de Ouro ganhou o BAFTA Film Award de 2008 por Efeitos Visuais Especiais e um Oscar de Melhores Efeitos Visuais, superando notavelmente o que muitos consideravam o principal candidato, Transformers de Michael Bay , que haviam vencido os prêmios VES anteriormente. Também foi indicado para dois Critics ‘Choice Awards em 2007 (“Melhor filme de família” e “Melhor jovem atriz” por Dakota Blue Richards), cinco Satellite Awards e o Hugo Award de melhor apresentação dramática. A Bússola de Ouro foi indicada ao National Movie Award de Melhor Filme da Família, mas perdeu para o WALL-E da Disney / Pixar .

The Golden Compass teve recepção mista por parte da crítica especializada. Com base de 33 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 51% no Metacritic. Em avaliações mistas, da Time, Richard Corliss disse: “Há algo faltando, além da teologia iconoclasta, neste filme perfeito OK, entre uma superprodução assombrosa. O filme não tem uma paixão elevada, uma visão coesa, uma alma. É como se The Golden Compass coloca-se mal a sua bússola artística. Alguém roubou seu daemon”.

Do Christian Science Monitor, Peter Rainer: “The Golden Compass é uma flagrante tentativa de duplicar o sucesso da franquia “Harry Potter”. A única coisa que falta são caracteres ricamente imaginados, uma linha histórica compreensível, uma boa atuação e efeitos especiais satisfatórios”.

Salon, Stephanie Zacharek: “Seja qual for as idéias complexas ou interessantes que podem ter sido encontradas no material de origem, foram diluídas, deslizaram ou simplesmente foram ignoradas”.

Empire, Olly Richards: “A decepção esmagadora para os fãs e uma oportunidade massacrante para um evento cinematográfico, o primeiro livro foi tão maltratado que não augura nada de bom”.

Com um índice de 42% o Rotten Tomatoes chegou ao consenso: “Sem um pouco da polêmica do material de origem, The Golden Compass é reduzido a recursos visuais impressionantes mais compensadores para contar histórias frouxas”.

 

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

 

 

 

Topo