Siren: As Sereias do Canal Sony (Primeira temporada) - NoSet
Review

Siren: As Sereias do Canal Sony (Primeira temporada)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de uma interessante série da Sony de ficcção sobre Sereias que deve te encantar. Sim, já tínhamos falado de algo semelhante com o filme russo A Sereia do lago dos Mortos, filme de 2018, mas aqui eu prometo que é bem melhor.   

Siren: Primeira temporada

Autores Eric Wald e Dean White, produtores executivos Eric Wald, Dean White, Emily Whitesell, Brad Luff, Nate Hopper e RD Robb, emissora de televisão original nos Estados Unidos a Freeform e no Brasil no Canal Sony. Siren é uma série de televisão americana de drama  e ficção que estreou em 29 de março de 2018, com sua primeira temporada com apenas 10 episódios. No elenco Eline Powell (Ryn), Fola Evans-Akingbola (Maddie), Alex Roe  (Bem), Ian Verdun (Xander), Rena Owen (Helen), Sibongile Mlambo (Donna) e Chad Rook (Chris Mueller.

Sinopse:A cidade costeira de Bristol Cove, conhecida por sua lenda de abrigar sereias, fica de cabeça para baixo quando uma jovem misteriosa (Eline Powell) aparece e começa a destruir a pequena cidade pesqueira para procurar sua irmã capturada (Sibongile Mlambo). Os biólogos marinhos Ben (Alex Roe) e Maddie (Fola Evans-Akingbola) trabalham juntos para descobrir quem e o que levou este caçador primitivo do mar profundo a pousar, e há mais como ela lá fora?

Crítica:Siren é uma interessante série sobre uma provável convivência entre humanos e sereias, mas uma versão sombria com toques que nos lembram as animações A Pequena Sereia e Happy Feet em seu roteiro e com doses cavalares de Arquivo X, com o exército agindo secretamente. A história nos mostra como um mito, usado para aumentar o turismo de uma cidade, pode ter seu fundo de verdade, em um drama sobre a convivência de duas raças diferentes. Os efeitos especiais não são de virar o nariz, mas longe de elogiáveis, mas os efeitos visuais e a atuação de Eline Powell (Ryn) e Sibongile Mlambo (Donna) dão credibilidade a séria.

Agora o desenvolvimento do roteiro foi um problema sério. Você pode dividir a série em duas partes, sendo a primeira até o quarto capítulo e a segundo do quinto ao décimo. Na primeira fase eu quase desisti da série, muito devagar, perdendo um tempo precioso com apresentações de personagens sem conteúdo, sem contexto ou óbvios demais, e para outras mais interessantes, como a Ryn, acelerado demais apresentando problemas básicos como linguagem e adaptação ao novo ambiente, para logo após descartá-las facilmente, quase transformando a série de Sereias para Camaleões. Dois personagens me incomodaram muito em toda a temporada, porque mudaram de lado pelo menos três vezes até o final. A comerciante Helen Hawkins (Rena Owen) é tão vazia que dá pena, com várias caras e bocas e o cientista chefe (Ron Yun) parece mais um zumbi humano que um personagem que sofre de um problema. Pena que dois bons atores com um currículo cinematográfico interessante não conseguiram entender o que seus personagens ofereciam.       

Curiosidades:Em 25 de julho de 2016, a Freeform encomendou um piloto intitulado “The Deep”, baseado em uma história de Eric Wald e Dean White, que serviram como produtores executivos do piloto, Wald escreveu o roteiro. Scott Stewart e Larissa Ferdew dirigiu o piloto, e Emily Whitesell é a showrunner. Em 19 de abril de 2017, a série foi oficialmente encomendada com o atual título para transmissão no verão de 2018. Em 7 de outubro, foi anunciado que a série seria lançada em 29 de março de 2018 em um evento de duas horas. O piloto foi filmado em outubro de 2016, na Colúmbia Britânica, no Canadá. A pré-produção começou em 26 de julho de 2017. As filmagens oficiais dos episódios restantes começaram em 4 de agosto de 2017 e continuaram filmando até 22 de novembro de 2017.

No site de agregadores de revisão Rotten Tomatoes, a série tem um índice de aprovação de 93% com base em 15 revisões, com uma classificação média de 7,75 / 10. O consenso crítico do site diz: “Siren transforma o conhecimento tradicional em sua cauda com um espetáculo único e bem organizado que apresenta criaturas míticas perigosas e violentas de uma forma surpreendentemente empática e excitante.” Já está disponível no canal Sony em 2019 a segunda temporada da série. Em breve a crítica.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo