Locke & Key (Primeira Temporada 2020) - NoSet
Review

Locke & Key (Primeira Temporada 2020)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar hoje de uma das adaptações mais esperadas pelos Nerds e Geeks desde 2011, e que eu tive o prazer de ler em HQ e me apaixonar. Hoje é dia de falarmos de Locke & Key da Netflix.

Locke & Key (Netflix) é uma série de TV de drama americana de terror sobrenatural desenvolvida por Carlton Cuse , Meredith Averill e Aron Eli Coleite , baseada nas HQs de mesmo nome de Joe Hill e Gabriel Rodríguez . Estreando na Netflix em 7 de fevereiro de 2020, a série é estrelada por Darby Stanchfield , Connor Jessup , Emilia Jones , Jackson Robert Scott , Laysla De Oliveira , Petrice Jones e Griffin Gluck .

Sinopse:  Rendell Locke é assassinado pelas mãos do ex-aluno Sam Lesser, então sua esposa Nina é forçada a se mudar com seus três filhos Tyler, Kinsey e Bode de Seattle para Matheson, Massachusetts e a residir na casa da família de Rendell, a Keyhouse. As crianças logo descobrem uma série de chaves misteriosas em toda a casa que podem ser usadas para abrir várias portas de maneira mágica. No entanto, eles tomam conhecimento de uma entidade demoníaca que também está procurando as chaves para seus próprios propósitos malévolos.

Crítica: Com as mesmas premissas de séries e filmes baseados em livros de sucesso como Narnia , até citada maravilhosamente na história, ou O Labirinto do Fauno, passando por séries de terror como American Horror Story, The Magicians e Stranger Things, Locke & Key avança por um terror forte e adulto que demonstra como o mundo do imaginário pode ser cruel, principalmente quando usado por pessoas que querem tirar proveito próprio de sua mágica.  O elenco é muito bem escolhido, que mistura, com doses certas, o mundo adulto VS o mundo juvenil e adolescente, assim como a já citada Stranger Things, as vezes tem escolhas estranhas, principalmente no juvenil, para que a história se desenvolva e não fique presa sem explicações no mesmo ponto.

Apesar de ter gostado muito da série, Locke & Key apresenta o mesmo problema das séries da Netflix, que perdem muito tempo apresentando os personagens e os cenários e deixam normalmente para os quatro capítulos finais toda a explicação real da história e o fechamento da trama principal em si. Os dramas familiares se arrastam e demoram a ser trabalhados, chegando a irritar em alguns momentos, porque as sub tramas passam a ser mais importantes do que  a trama e se cria falsas expectativas sobre os personagens ou até onde eles podem evoluir na história, como por exemplo, o tio da família que se apresenta como um personagem central , mas que ao passar da trama, vai caindo até simplesmente perder toda a simpatia. Algumas escolhas que se distanciam das HQs, que tive o prazer de ler, até fazem sentido em um drama para a TV, principalmente quando a personagem Eco, mas a mesma escolha se faz ruim quando a série demora muito a encorpar o vilão da série, novamente apostando no drama familiar como verdadeiro foco até a metade, e por isso tornando a série morna após seu eletrizante piloto. Mas ainda assim, Loke & Key é uma boa aposta, e assim como Stranger Things, promete uma boa segunda temporada.

Curiosidades: A série recebeu críticas mistas a positivas dos críticos, com a pontuação, o design do cenário e os efeitos visuais sendo destacados como destaques do programa. Os críticos elogiaram principalmente o manuseio do programa de temas relacionados à perda e trauma, bem como o uso de elementos de gênero de terror, enquanto criticavam o uso de drama adolescente e subtramas de romance para arrastar a história. As performances de Jackson Robert Scott e Laysla de Oliveira receberam elogios particulares. O USA Today afirmou que o show teve “uma estréia quase tão forte quanto a de Stranger Things em 2016, mas precisa de alguns ajustes para ultrapassar o obstáculo entre bom e ótimo”. O IGN creditou o programa por sua representação de trauma e seus efeitos visuais, e elogiou as performances de Scott e de Oliveira, enquanto o criticava por não criar tensão constantemente. Polygon deu uma crítica mais negativa, criticando a decisão de fazer a adaptação para a TV enfatizar os elementos de história e fantasia da maioridade da série, enquanto encobria os elementos de horror e assombrava os visuais do material de origem. Em particular, as sub parcelas desinteressantes e o ritmo inconsistente foram criticados. No site agregador de críticas Rotten Tomatoes , a série tem uma classificação de aprovação de 70% com 53 críticas, com uma classificação média de 6,67 / 10. O consenso crítico do site diz: “Embora a Locke & Key às vezes se esforce para obter um tom consistente, ela capta o suficiente da essência de seu material de origem para proporcionar um tempo incrivelmente divertido e suficientemente assustador”. O agregador de análises Metacritic deu à série uma pontuação de 62 em 100, com base em 19 críticos, indicando “revisões geralmente favoráveis”.

 

Topo