Um final de semana matador – “Águas Negras”

Um final de semana em uma casa, ou melhor, uma mansão remota, com um lago privado e todas as mordomias de uma família abastada parece ser perfeito para esquecer os problemas da vida. 

A não ser que os “fantasmas” da vida siga para a tal mansão, como aconteceu com Tara, em “Águas Negras”.

Esse longa de suspense/thriller tem o roteiro e a direção assinados por Nanea Miyata e está sendo distribuído no Brasil pela A2 Filmes, com cópias dublada e legendada (com áudio original) e pode ser adquirido no NOW, Looke, Vivo Play, Google Play, Microsoft e iTunes.

No elenco estão: Angela Gulner, Sam Krumrine, Michael Blake Kruse, Catherine Lidstone, Peter Porte.

Tara é apaixonada por fotografia, ela sonha em ser uma fotógrafa profissional e é uma aspirante a vlogger. Enquanto a vida profissional dos sonhos não deslancha, ela trabalha como garçonete, o que paga as contas.

Ao seu lado estão Derek, o namorado de longa data, e Amy, a melhor amiga mimada. Isso porque Tara se afastou dos pais pouco depois da morte do irmão, John, 10 anos antes, afogado em um lago (algo que a deixou traumatizada para a vida).

Em um só final de semana ela perde o emprego e a relação com Derek, que termina com ela por mensagem de voz. Nesse momento Amy tem uma “brilhante” ideia, levar Tara para uma singela mansão no lago privado da família riquíssima dela, com a promessa que a amiga teria excelentes paisagens para os vídeos e fotos dela, ou seja, muito conteúdo para seus vlogs.

Mas o final de semana não segue como o esperado, as diferenças entre elas duas se tornam evidentes e elas começam a se estranhar como nunca havia acontecido em anos de amizade. Aliado a isso, coisas estranhas começam a acontecer, especialmente com Tara, são sombras na cortina, coisas sumindo e fortes lembranças da morte do irmão vêm à tona em forma de pesadelos.

Em meio de uma trégua entre Tara e Amy surge um viajante pela floresta que rodeia a mansão, era Lucas, um cara lindíssimo e levemente misterioso. Logo Amy acha uma boa ideia o incluir no final de semana delas, ele aceita e as coisas se tornam ainda mais estranhas.

Sem querer dar spoiler, mas já dando, Lucas não era bem quem ele dizia ser, ele conhecia Tara de muitos anos. Eles haviam estudado no Ensino Médio juntos, ela havia o defendido de uns valentões no colégio, desde então ele tinha uma gratidão enorme por ela, aliás, uma paixão obsessiva.

Lucas, que na verdade se chama Brian, seguiu Tara desde então, sempre pronto para ajudar a tirar os obstáculos da vida dela. Quem fizesse algum mal a Tara se tornou alvo de Brian/Lucas, o mesmo iria acontecer com Derek e Amy naquele fim de semana.

A ideia do filme não é ruim, o fator suspense está presente em boa parte da produção, dá até para sentir medo em alguns momentos, sentir raiva de Amy e pena de Tara, mas, no geral, é previsível e forçado, além de ter ficado sem um final “de verdade”.

Por exemplo, o principal conflito pessoal de Tara não foi resolvido, ela sobrevive e salva Amy do final de semana matador, mas não é mostrado se consegue se tornar fotógrafa profissional, mostra só que ela reata a relação com pais. Ficou um final solto, não deu nem para querer uma sequência (o que parece ser a intenção da direitora/roterista).

 

Até Mais!

 

Confira o trailer:

Mais do NoSet