The Gifted: Os Mutantes da Fox em sua Segunda Temporada. - NoSet
Review

The Gifted: Os Mutantes da Fox em sua Segunda Temporada.

The Gifted: Salve Nosetmaníacos, eu sou o Moura e você já pode me seguir no Instagram como marcelo.moura.1253.. Criado porMatt Nix, baseado nosX-Men da Marvel Comics, produzido por Neal Ahern, produtores executivosStan Lee, Alan Fine, KarimZreik, Joe Quesada, Jim Chory, JephLoeb, LenWiseman, Simon Kinberg, Bryan Singer, Lauren Shuler Donner e Matt Nix, distribuída por20th Television com produção20th Century Fox Television e Marvel Television. Com 13 episódios na sua primeira temporada, The Gifted é uma série de televisão americana criada baseada no universo dos s X-Men da Marvel Comics. Ela está ligada à série de filmes X-Men, a segunda série de televisão a ser assim, depois de Legion. A série é estrelada por Stephen Moyer (“Trueblood”) e Amy Acker (a Root de “Person ofInterest”) como Reed e Kate, dois pais comuns, que começam a fugir do governo após descobrirem as habilidades mutantes de seus filhos Lauren (Natalie AlynLind, a Silver St. Cloud de “Gotham”) e Andy (PercyHynes White). Outros atores em destaque são Sean Teale, Jamie Chung, Coby Bell, Emma Dumont e Blair Redford. A série recebeu uma encomenda de piloto na Fox depois de uma tentativa anterior de uma série dos X-Men, baseada no Clube do Inferno, não avançar na rede em 2016; The Gifted foi ordenada a série em maio de 2017.

Sinopse: Em um mundo onde mutantes são cadastrados e presos, muito parecido com a saga Dias do Futuro Esquecido, dois pais comuns estão fugindo do governo depois de descobrirem que os seus filhos têm habilidades mutantes. A família acaba se juntando a uma comunidade subterrânea de mutantes que precisam lutar para sobreviver do governo, que os caça como ameaças, através de equipamentos e mutantes cadastrados. A série mistura mutantes conhecidos do universo Marvel como John Proudstar (Pássaro Trovejante) e Lorna Dane (Polaris, filha de Magneto nas HQs).

Critica Primeira e Segunda Temporada: A moda de heróis urbanos veio com tudo. Depois do universo Marvel com a Netflix dos Defensores, é a vez da Fox trabalhar os Mutantes na tv. The Gifted mistura um pouco do universo X-Men, sem os exageros das roupas dos HQs e os efeitos especiais do cinema, mas mesmo assim a série convence bem. Com algumas referências aos principais personagens como Magneto e Xavier, a série trabalha bem o universo decadente e preconceituoso dos mutantes da Marvel, mostrando que de perseguidor um dia você pode ser o perseguido. Não posso deixar de dizer que a série me lembrou muito outra chamada Heroes, que teve uma incrível primeira temporada mas depois foi para o buraco por escolhas ruins nos anos seguintes, além da greve dos roteiristas, que desencadeou um declínio na história. A utilização de personagens como Blink e Pássaro Trovejante, personagens que deram a cara no cinema, juntamente com a clássica Polaris, deu um ritmo de Novos Mutantes para a série, além das boas intepretações do elenco, outo ponto que me surpreendeu. Vou confessar que tive um certo receio de assistir a série, principalmente por causa da série Inumanos da Marvel, que tanto prometia e foi uma catástrofe total sem tamanho, quase uma vergonha na história da produção da Marvel. Mas the Gifted se garante bem na sua proposta, sem grandes promessas, mas cumprindo tudo aquilo que oferece em sua primeira temporada. A Fox fez bem em manter próximo a Singer, pais dos mutantes mais famosos no cinema e que soube bem levar esta transição para a tv. Pena que Singer tem aquele desastroso filme pela DC Comics do Superman, O Retorno, na carreira, mas ninguém é perfeito.

Já em sua segunda temporada, a série mantém um ótimo padrão, principalmente pela inclusão do Clube do Inferno, uma facção mais radical do universo mutante que quer tomar o poder e criar seu próprio governo, não importa quantos sacrifícios e corpos deixem no caminho. Gostei novamente do estilo da série, que deu mais espaço para a ação no seu início e menos aquele estilo rústico da primeira temporada. Esta temporada me elmbrou muito o filme Logan de 2017, do diretor James Mangold e dos mega atores Hugh Jackman e Patrick Stewart, onde, também, Os Xmen desaparecem deixando todos na mão, uma possível referência da série, bem, ainda não foi explicado este sumiço ou a forma dele,  mas bem que poderia ser. E que tal se uníssemos em algum momento com a série Legion, ai sim. Minha única reclamação é a nova adaptação da personagem Polaris de atriz Emma Dumont. Em determinados momentos, ela estava tão branca e seus cabelos tão verdes, com lábios vermelhos que achei que ela era uma versão feminina do Coringa (Joker) ou mesmo uma Arlequina (Harley Quinn). Fora isso tudo é bem feito e mantém um bom padrão que esperamos de uma história dos Xmen. Meu elenco preferido os atores Blair Redford (Pássaro Trovejante) e Jamie Chung (Blink) interpretam de forma satisfatória seus personagens, mas rumo ao contrário a sem graça Natalie Alyn Lind (Lauren Strucker) me lembra uma Buffy (Sarah Michelle Gellar) sem sal ou Claire Bennet (Hayden Panettiere) da série Heroes, que também não gostava.

Curiosidades: Em julho de 2016, depois que uma série baseada no Clube do Inferno, uma sociedade secreta das HQs dos X-Men, não avançou na Fox, a rede deu uma ordem de um piloto para uma série diferente baseada nos X-Men. O novo piloto escrito por Matt Nix, um grande fã dos X-Men, trata-se de uma série de ação e aventura apresentando dois pais comuns descobrindo as habilidades de seus filhos mutantes. O presidente da Fox Entertainment, David Madden, disse que “desenvolver uma propriedade da Marvel tem sido uma prioridade para a rede e estamos muito satisfeitos com a forma como Matt Nix nos levou a este universo emocionante”. A série é produzida pela 20th Century Fox Television e Marvel Television, com a Fox lidando com a produção física da série, e Nix produzindo juntamente com os produtores da série de filmes X-Men, Bryan Singer, Lauren Shuler Donner e Simon Kinberg, e os executivos da Marvel Television, JephLoeb e Jim Chory. Jonathan Davis, presidente de assuntos criativos da 20th Century Fox Television, comentou: “Trabalhar com a Marvel em uma série de televisão para a Fox tem sido um sonho profissional para o nosso chefe de desenvolvimento, Michael Thorn, e de todos nós no estúdio.”As primeiras versões do roteiro do piloto de Nix foram recebidas “com entusiasmo” pelos executivos da Fox, e o presidente e diretor executivo da Fox, Gary Newman, esperava uma versão final no início de janeiro de 2017, com uma encomenda do piloto dentro de algumas semanas.Newman observou que “o desenvolvimento de séries na Fox este ano está um pouco mais lento do que normal”, mas a rede esperava começar a exibir a possível série durante a temporada de televisão 2017-18. Nix esperava ver a série ser executada por 12 ou 13 episódios, em vez do tradicional 22, e acrescentou que, como fã das HQs dos X-Men, “você não quer ficar servilmente fazendo a mesma coisa uma e outra vez que todo mundo tem feito, mas ao mesmo tempo, você está consciente de que isso é importante, e que eu devo algo a meu filho de 10 anos de idade agora. E eu quero respeitar isso, para aquele garoto obsessivamente lendo HQs, eu preciso que haja algo gratificante para ele.” Fox liberou oficialmente a produção do piloto da série, descrita como “série de ação e aventura da Marvel ainda sem título”, no final do mês.Donner se referiu à série como Gifted em março, que foi esclarecido como sendo um título temporário para a série. Em 9 de maio, a Fox ordenou oficialmente a série intitulada The Gifted.

Nix descreveu a série como chegando “no mundo dos mutantes do lado”; os filmes e as HQs “começaram geralmente com os X-Men e encontraram o mundo fora” da perspectiva deles, mas a série parece “ter lugar dentro do mundo de pessoas que não são X-Men e ainda não conhecem esse mundo.” Ele disse que a série iria contar uma história mais “íntima” do que os filmes fazem já que “também explora questões envolvendo mutantes e que essa experiência é de uma maneira que é difícil de fazer em um filme de duas horas porque um filme precisa se mover muito rapidamente e precisa chegar a grande ação.”Singer, o diretor de vários filmes dos X-Men, decidiu dirigir o episódio piloto da série ele mesmo depois de uma mudança no planejamento de um filme que ele estava dirigindo. Ele ressaltou que “tonalmente e visualmente será muito, muito diferente” dos filmes, e disse que haverá “algumas coisas vão para baixo, visualmente, mas no seu coração é uma história sobre uma família”. Singer começou a se preparar para a produção em 27 de janeiro. As filmagens para o piloto, sob o título de produção Heaven, começaram em 13 de março de 2017, em Dallas, Texas e foram concluídas em 11 de abril. Algumas refilmagens para o piloto também tinham sido realizadas até o final desse mês.Donner explicou em janeiro de 2017 que, ao contrário da primeira série da franquia X-Men, Legion, esta série “é muito mais parte deste mundo nos termos de que há mutantes, mutantes são odiados … você sente que está no universo dos X-Men.” Sobre a conexão com o universo cinematográfico, Nix disse: “Se você olhar para os filmes, que são ambientados em qualquer momento da linha temporal moderna, eles começaram em 2000 até agora … eles todos não se alinham perfeitamente. Então não é como se eu estivesse seriamente me encaixando em um espaço específico. Mas, ao mesmo tempo, se você gosta desse mundo, o mundo dos filmes, há referências a ele. A série definitivamente existe no mesmo universo geral.” Ele também acrescentou que a sua abordagem é diferente da conexão entre Agents of S.H.I.E.L.D. e os filmes do Universo Cinematográfico Marvel.Nix notou que a premissa da série é algo que “mutantes estabelecidos vão ter algo a dizer sobre isso”, embora “evitando perguntas como, ‘Onde está Wolverine? … Eu não queria fazer nada como “Wolverine está apenas fora da tela!”. Você sabe o que quero dizer, então a série existe num mundo onde essas perguntas são respondidas sem a necessidade de nomear um monte de nomes ou gastar tempo a responder a essas questões. Além disso, “há uma certa quantidade desses personagens existentes que posso usar, e estou usando alguns desses, mas outros estou inventando.” Nix também comentou que “não queria entrar no reino do “Sim! Novos X-Men, aqui vamos nós!”, porque com isso há um pouco de fanservice.” Os Sentinelas, robôs de caça mutante que apareceram em X-Men: Daysof Future Past, estão presentes na série, embora a aparência deles na série é “muito diferente do que vimos antes.”

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo