The Mentalist: O Mentalista (3ª Temporada) - NoSet
Review

The Mentalist: O Mentalista (3ª Temporada)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e em época de pandemia revisando séries antigas hoje falamos da terceira temporada de O Mentalista, criada pela CBS e disponível na Amazon Prime Vídeos.

The Mentalist: A Série.

Criador Bruno Heller, diretor Chris Long, produtores Bruno Heller, Charles Goldstein e David Nutter, elenco Simon Baker, Robin Tunney, Tim Kang, Amanda Righetti e Owain Yeoman, tema de abertura Theme from The Mentalist. Emissora original Estados Unidos CBS, transmissão original em 23 de setembro de 2008 com 7 temporadas e 151 capítulos.

The Mentalist (O Mentalista) foi um seriado policial americano que estreou no dia 23 de setembro de 2008, e terminou no dia 18 de fevereiro de 2015, na CBS. Ele gira em torno de Patrick Jane (Simon Baker) que tem um talento especial: observar tudo nos seus detalhes. Com o seu enorme poder de dedução e observação, ele auxilia a Agência de Investigação da Califórnia a resolver os casos mais intrigantes.

A série é exibida nos Estados Unidos pelo canal CBS e foi considerada a melhor estréia de 2008, com 15,6 milhões de telespectadores. Em Portugal a série estreou a 12 de Maio de 2009, em canal aberto na RTP2, e a sua estréia a cabo, foi no fim do verão de 2009 nos canais AXN e AXN HD. No Brasil a série foi exibida e estreada pelo canal a cabo Warner Channel e reprisada no canal aberto SBT. Atualmente, no Brasil, a série é reprisada no canal TNT Séries. Em 10 de Maio de 2014, a CBS anunciou que a série foi renovada para sua sétima e última temporada.

A série utiliza muitas vezes locais fictícios para seus episódios. The Mentalist, como a maioria dos programas de televisão norte-americana, é filmada em Los Angeles com algumas cenas ocasionais em Sacramento.

Sinopse e personagens:

Patrick Jane ou Patrick Gohan (Simon Baker) – O protagonista da série The Mentalist ganhava a vida como um vidente mas, depois de o serial killer Red John ter assassinado a sua mulher e filha em retaliação por ter sido zombado por Jane num programa de TV, admite que era uma fraude. Agora Jane trabalha como consultor na CBI (California Bureau of Investigation). Apesar de um pouco excêntrico, ele é muito inteligente e perspicaz e ajuda a resolver os casos que estão sendo investigados. Essas características o fizeram ganhar a amizade de seus colegas, no entanto por ser fechado, arrogante e infantil, acaba os irritando por vezes. Outra característica relevante em Jane é o fato dele amar chá, aparecendo quase sempre com uma xícara em mãos. Ele também mostra um lado mais obscuro quando se trata de Red John: ao lidar com o assassino, o detetive assume uma personalidade mais vingativa, deixando claro até para os seus colegas de equipa o seu desejo de desforra.

Teresa Lisbon (Robin Tunney) – Embora Patrick às vezes a irrite com o seu comportamento anormal e arrogante, ela o vê como um membro valioso para a equipe e vai apoiá-lo em algumas das suas teorias mais inusitadas. A sua mãe morreu num acidente de carro, no qual o outro motorista estava bêbado. Lisbon ficou cuidando dos seus três irmãos e do seu pai, que tornou-se alcoólatra após a morte da esposa. A sua equipa foi responsável pelo caso Red John, até ao agente Sam Bosco tornar-se o diretor do novo Serial Crimes Unit, que assumiu a responsabilidade pela captura de Red John. Ela e Sam Bosco – mentor de Lisbon, quando ela era um agente júnior – partilham um segredo obscuro, que foi revelado por Lisbon como alavanca contra Bosco no episódio “Black Gold e Red Blood”.

Kimball Cho (Tim Kang) – Muitas vezes retratado como mão direita de Jane, parece ser o mais próximo dele, muitas vezes pedindo ajuda para encontrar provas, apesar de ele não ficar irritado com o hábito de Jane de não lhe dizer tudo o que sabe sobre o caso. Cho tem um senso de humor seco. Provavelmente o mais prático e realista do grupo, ele é muitas vezes o único que vê os truques de Jane. Quando Jane diz à Van Pelt que ele estava movendo um palito com telecinese, Cho diz simplesmente: “Ele está soprando sobre ele.” Ele esteve no reformatório antes de servir nas forças armadas e, em seguida, a adesão à CBI. Ele foi secretamente chamado “Ernie” pela equipe de Bosco, que também se refere à Rigsby como “Bert”. Ele estava em um grupo chamado Avon Park Playboys antes de ser um policial.

Grace Van Pelt (Amanda Righetti) – A mais nova membro da CBI, muitas vezes fazendo a pesquisa para outros membros. Ela tem uma profunda crença na religião e discute com Patrick toda vez que ele rejeita ou faz algo que ela considera como moralmente ou religiosamente inadequado. Van Pelt envolveu-se secretamente com Rigsby, depois de meses de relutância, devido à regulamentação que proíbe relações amorosas entre os agentes. Ela é muito rigorosa, organizada (Jane deduz durante a primeira temporada que isso acontece porque ela está escondendo algum trauma emocional profundo) e um pouco tensa, mas, em geral, é uma adição muito valiosa para a equipe. Van Pelt na quarta temporada declara todo o seu amor por Rigsby e ao mesmo tempo chora por não poder manter seu relacionamento por serem colegas de profissão.

Wayne Rigsby (Owain Yeoman) – especialista em incêndios criminosos, ele desenvolve fortes sentimentos por Grace Van Pelt e tende a ser super protetor com ela. Ele inicialmente não falava sobre eles, como o romance entre os agentes é contra os regulamentos, mas os dois aceitaram seus sentimentos e passaram a ver um ao outro secretamente. Ele é um bom amigo de Jane, no entanto, como os outros, muitas vezes é aborrecido por ele. Ele tem uma boa amizade com Cho. Seu pai pertencia a uma gangue de motociclistas, o que o levou a desenvolver aversão a esse tipo de grupo.

Red John – O antagonista invisível da série. Ele sempre se certifica de que sua marca registrada, o rosto sorridente desenhado com o sangue da vítima, seja a primeira coisa que se veja diante de uma vítima morta por ele. Depois que Jane zombou de Red John em um talk show, ele o retaliou matando a esposa e a filha de Jane. Embora apenas focado em três vezes durante a primeira temporada, ele é muito inteligente. Até o final da terceira temporada, ele era conhecido por seus cúmplices. No entanto, afirma Jane, Red John não tem parceiros, mas ferramentas. Os episódios em que Red John está envolvido tornaram-se mais e mais freqüentes com a obsessão de Jane para capturá-lo e matá-lo.

Virgil Minelli (Gregory Itzin) – Minelli foi o agente especial encarregado do CBI até o episódio da segunda temporada “His Red Right Hand”, onde se aposentou da CBI, após os assassinatos de Sam Bosco e sua equipe no mesmo episódio.

Sam Bosco (Terry Kinney) – Bosco foi um Agente Especial Sênior da CBI. Ele era o mentor de Lisbon, quando ela era uma agente júnior. Ele se tornou diretor da Serial Crimes Unit, que assumiu a responsabilidade pela captura de Red John. Ele tinha um ódio por Jane não ser um policial e Bosco acreditava que ele corrompeu o povo ao seu redor, bem como fechando em muitos casos. Ele também tinha sentimentos secretos por Teresa (que todo mundo além dela parecia notar), mesmo que sendo casado.

Madeleine Hightower (Aunjanue Ellis)– Hightower é uma agente especial encarregada do CBI, uma vez que o episódio “The Red Box”, onde Jane e o resto da equipe tornam-se hostis a ela (sobretudo Lisbon). Ela a maior parte do tempo é arrogante e descuidada com outras pessoas, devido ao fato de ter descoberto que Rigsby e Van Pelt estavam tendo um relacionamento, e após ter informado sobre o relacionamento a Lisbon, Jane salienta sobre Hightower e diz: “Ela é boa.” Mas notavelmente, é arrogante. Mais tarde, é acusada de ser cúmplice de Red John e se vê obrigada a fugir e se esconder, com a ajuda de Jane (que jamais suspeitou dela realmente).

Agente Especial(Supervisor) J.J. LaRoche (Pruitt Taylor Vince)– É o chefe de Assuntos Internos da CBI. Sua primeira aparição acontece no episódio Vermelho de Alegria, da 3ª temporada, onde é nomeado chefe da Unidade de Padrões Profissionais da CBI. É encarregado de investigar o assassinato de um membro da rede de Red John, o “matador de policiais” Todd Johnson, enquanto estava sob custódia na CBI. No episódio Corrente Sanguinea, LaRoche é encarregado de assumir as funções de Hightower como supervisor da equipe e chefe de Jane. No episódio Pequeno Livro Vermelho, LaRoche encerra suas atividades como supervisor na série.

Rosalind Harker (Alicia Witt) – Rosalind é uma cega e solitária mulher (Patrick Jane a descreve como uma “alma solitária”), que teve uma relação amorosa com Red John, que se auto-dominou “Roy Tagliaferro”. De acordo com ela, o carro dele havia quebrado perto de sua casa, em uma pequena província de San Angelo e eles acabaram passando os próximos meses em um relacionamento. Red John gosta de ouvi-la tocando piano, especialmente Bach. Ele a deixou sem dizer adeus, embora tenha desenhado uma de suas marcas, a cara sorridente, na parede da casa (que ela não conseguiu ver, por causa de sua cegueira). Estando atrás de Red John, Patrick e Lisbon a encontram e conseguem uma descrição do assassino em série.

Crítica: Manipulador, charlatão, enganador ou apenas um homem inteligente tentando se redimir, The Mentalist é uma das mais divertidas e intrigantes séries de TV que já assisti. Terminei a terceira temporada e já assisti os quatro primeiros da quarta temporada com gosto de quero mais. É uma série ágil, interessante, que te prende a cada capítulo por um roteiro bem trabalhado, pela química do elenco e pelo vilão, quase uma divindade, cultuado na cabeça do espectador a cada capítulo, seja por vermelho (Red) ser quase o título de cada capítulo, ou pela menção do vilão em todos os episódios.

Apesar das diferenças na estrutura do personagem principal, não há como deixar de se comparar Patrick Jane com Sherlock Holmes e Teresa Lisbon como Watson. Muito parecido até com a série Elementary (crítica no site) em que Lucy Liu faz a personagem Joan Watson de maneira delicada e sublime, Holmes e Jane tem tantas semelhanças quanto diferenças, mas q paixão por resolver mistérios de maneira singular e única unem estes personagens. O capítulo em que Jane toca um violão celo junto a uma orquestra foi, com certeza, uma homenagem velada a Holmes, que tocava violino, já que Jane nunca tinha, até aquele momento, demonstrado este atributo.

Uma das peculiaridades que mais me divertiu na série foi a quantidade de atores conhecidos de outras séries que passam por cada capítulo fazendo o personagem central daquela trama. Tem para todos os gostos e idades, que acaba sendo outro charme da série.

Do elenco  Simon Baker é um ator e produto australiano com vários filmes B, mas que se destacou realmente no papel da série O Mentalista. Barker da vida a um personagem extremamente inteligente e egocêntrico, mas que de uma maneira peculiar, se preocupa com o próximo e é até mesmo, capaz de se sacrificar por ele. Robin Tunney é uma daquelas atrizes que de olhar você já a reconhece de várias séries que teve destaque, como House, Prison Break e Lei e Ordem, sempre com aquele jeitinho de boa moça, ou filmes B como Jovens Bruxas, Zodíaco, Limite Vertical e Fim dos Dias. A química de ambos, beirando uma relação de irmãos, além da cumplicidade e respeito dos personagens, torna a série imperdível. A personagem de Tunney na maioria das vezes parece limitada as loucuras de Jane para resolver os casos, muitas das vezes pela própria limitação policial e da justiça, mas é quase uma relação “Comissário Gordon e Batman” dos anos 60.

Curiosidades: A primeira temporada de The Mentalist recebeu críticas em sua maioria positivas, com os críticos sendo divididos quanto ao formato processual, mas elogiando a atuação de Simon Baker. No Rotten Tomatoes , a primeira temporada teve uma avaliação geral de 53% de 19 críticos, com o consenso dizendo: “A configuração e a narrativa episódica estão longe de ser originais, mas The Mentalist se distingue de outros procedimentos principalmente devido aos talentos de Simon Baker. ” No Metacritic , a primeira temporada tem uma pontuação de 65/100, indicando “avaliações geralmente favoráveis”.

Robert Bianco do USA Today sentiu que faltava originalidade ao episódio piloto, mas elogiou Baker, dizendo: ” The Mentalist pode ser uma cópia, mas é uma cópia bem feita produzida por um ator que se tornou uma estrela de TV. ” Matthew Gilbert do The Boston Globe disse:” o programa da CBS tem muito pouco peso dramático ou distinção , mas é astuto e rápido o suficiente para envolver você por uma hora. “Gilbert também elogiou a química entre Baker e Tunney, mas criticou os casos de crime, sentindo que eram previsíveis e às vezes desinteressantes. Mary McNamara do The Los Angeles Times elogiou Baker como “virtualmente irresistível” e disse: “… prestidigitação psicológica não pode preencher uma hora toda semana. Para isso, você precisa de crimes complicados e interessantes e personagens complicados e interessantes para resolvê-los. O Mentalista parece preparado para entregar exatamente isso. ”

O episódio piloto teve uma audiência de 15,6 milhões de telespectadores em sua primeira exibição e 7,8 milhões em uma sessão três dias depois. O episódio de 2 de dezembro de 2008, “Flame Red”, foi o programa de televisão com maior audiência da semana, marcando a primeira vez que um programa em sua primeira temporada alcançou essa distinção desde Desperate Housewives quatro anos antes.

O programa atraiu comparações com a comédia Psych , da USA Network , que também apresentava um personagem principal com poderes elevados de observação que foram confundidos com habilidades psíquicas, que trabalha como consultor independente para a aplicação da lei na Califórnia, e que estreou dois anos antes, incluindo Psych -se fazendo referências repetidas às semelhanças com o show que estreou posteriormente.

 

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo