The Last Kingdom: O Último Reinado (Quarta Temporada) - NoSet
Review

The Last Kingdom: O Último Reinado (Quarta Temporada)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar da quarta temporada de mais uma série histórica da BBC.

The Last Kingdom: O Último Reino

Criadores Stephen Butchard, baseado em Crônicas Saxônicas, de Bernard Cornwell, país de origem Estados Unidos, produtores Chrissy Skinns, co-produtor Nick Murphy, produtores executivos Stephen Butchard, Nigel Marchant e Gareth Neame, distribuída por Carnival Films. Elenco Alexander Dreymon, David Dawson, Tobias Santelmann, Emily Cox, Adrian Bower, Thomas W. Gabrielsson, Joseph Millson, Simon Kunz, Harry McEntire, Helen Monks, Charlie Murphy, Rune Temte, Brian Verne, Amy Wren, Matthew MacFadyen e Ian Hart. Empresas de produção Carnival Films, emissora de televisão original  Reino Unido BBC Two, Estados Unidos BBC America e Netflix com quatro temporadas.

The Last Kingdom é uma série de televisão histórica baseada no livro Crônicas Saxônicas de Bernard Cornwell. A série estreou em 10 de outubro de 2015 na BBC America, e no Reino Unido na BBC Two em 22 de outubro de 2015. A segunda temporada da série foi co-produzida pela Netflix após a saída da BBC America, começou a transmitir na BBC Two no Reino Unido.

Sinopse: A série é ambientada em 872, quando muitos dos reinados que hoje compõem a Inglaterra caíram nas mãos dos vikings. Sob o comando do Rei Alfredo, o Grande, o Reino de Wessex é o único que resiste aos ataques. Em uma mistura de heroísmo, política, religião, coragem, amor, lealdade, e a eterna busca por identidade, a série mistura figuras reais que fazem parte da História com eventos e personagens fictícios. A história acompanha o jovem Uhtred, um nobre que perdeu os pais em um dos ataques vikings . Levado e criado por eles, Uhtred cresce e se torna um guerreiro. Mais tarde, ele parte com a missão de conquistar as terras onde nasceu. Enquanto isso, o Rei Alfredo enfrenta problemas políticos e religiosos para unificar os reinos e transformá-lo no que hoje é a Inglaterra.

Crítica: Uma das melhores adaptações literárias para TV, aqui dos livros de Bernard Cornwell , The Last Kingdom é uma obra de arte que misturam história e ficção chegando com muito fôlego a  sua quarta temporada com muita  qualidade e comparável aas suas clássicas antecessoras de sucesso como Roma (HBO), Vikings (History) e Outlander (Straz), mantendo o charme e a glória comparável até mesmo a incomparável Game of Thrones (HB O), de um também escritor histórico George R.R. Martin.

A comparação de The last Kingdom a série Vikings é inevitável, por muitos nomes, locais e momentos históricos, alguns poderiam achar que a série é uma cópia invertida da série do History Channel, contando aqui a versão dos Saxões para as invasões Danesas, mas este é um terrível engano. Last Kingdom tem muita personalidade, principalmente pela atuação de  Alexander Dreymon (Uhtred) e David Dawson (Rei Alfredo), que levam a série nas costas com suas atuações simplesmente sensacionais, uma química única entre os atores se provocando e criando cenas históricas.

As cenas de combates também são um ponto forte da série, as lutas tem poucos cortes, as invasões tiram nosso fôlego, poucas cenas de estúdio e muita luta corporal dos exércitos empolgantes e são trabalhadas a exaustão. Lembro que a primeira vez que me apaixonei por este estilo de trabalho foi no filme Coração Valente (1995) do Mel Gibson, em que não me canso de rever pelo ótimo trabalho.

Novamente, assim como em Vikings, nesta quarta temporada já nos despedimos de vários personagens do elenco inicial, como o Rei Alfred, o padre Beoca e o guerreiro Ragnar, mas uma nova geração já tomou o espaço aberto e promete muito para uma possível quinta temporada.

Curiosidades: O Último Reino ( The Last Kingdom) é o primeiro livro da série Crônicas Saxônicas (The Saxon Stories), do autor inglês Bernard Cornwell. Lançado em 2004 na Inglaterra e em 2006 no Brasil, é seguido pelo livro O Cavaleiro da Morte.

O livro conta a história da invasão dinamarquesa à Ilha Britânica, hoje formada por Inglaterra, Escócia e País de Gales, sob a visão de Uhtred Uhtredson (ou Uhtred Ragnarson), filho de Uhtred, ealdorman (senhor) de Bebbanburg.

Bebbanburg (atual Bamburgh) é uma fortaleza que fica ao norte da ilha, no Reino da Nortúmbria (na atual região de Nortúmbria). Essa fortaleza era conhecida como inexpugnável, já que nunca houve um exército capaz de tomá-la. Uhtred, o filho, junto com seu pai avista os dinamarqueses chegando à ilha e montando seus acampamentos. Na mesma noite, numa patrulha ordenada pelo seu pai, seu irmão mais velho é morto pelos invasores e isso é o estopim para o início de uma série de batalhas narradas no livro.

O pai de Uhtred acaba morrendo em uma dessas batalhas e ele próprio sendo capturado por Ragnar, matador de seu irmão, um jarl (conde) dinamarquês poderoso, que passa a criar Uhtred junto de seus filhos.

Uhtred então cresce como um dinamarquês, aprende sua língua e sua cultura, e se sente mais próximo dela do que de sua cultura natal, em Bebbanburg. Sobretudo, identifica-se com o paganismo dinamarquês, que lembra a antiga religião dos saxões, em contraste com o cristianismo que passará a dominar a sociedade saxônica e que sempre fora desprezado por Uhtred.

Nesse meio tempo em que Uhtred fica sob o poder dos dinamarqueses, Bebbanburg cai sob o jugo de seu tio, Aelfric, que chega a tramar sua morte para consolidar o domínio sobre aquelas terras. Mesmo apreciando a cultura e os costumes dinamarqueses, Uhtred nunca esquece de sua bela fortaleza e da traição de seu tio, desejando voltar para reconquistá-la.

Ao longo da juventude, o personagem vê-se dividido entre o amor pelos dinamarqueses, que rapidamente trucidam os reinos saxões, e o senso de dever para com seu próprio povo, cuja sobrevivência é posta à prova. Essa lealdade dividida torna-se ainda mais acentuada quando Uhtred envolve-se com Alfredo, rei de Wessex, a quem odeia mas a quem deve tudo o que tem na vida.

Uhtred Uhtredson: narrador da crônica, é herdeiro de Bebbanburg e filho de criação de Ragnar, passando a chamar-se Uhtred Ragnarson e a lutar ao lado dos invasores dinamarqueses. Posteriormente, envolve-se em laços de vassalagem para com Alfredo de Wessex e volta a lutar pelos saxões.

Ragnar: importante jarl dinamarquês, derrota o pai de Uhtred em batalha e o toma como filho adotivo. Ensina a Uhtred os costumes e o modo de vida dinamarquês, os quais ele passa a admirar. Ragnar Ragnarson: filho mais velho de Ragnar, torna-se grande amigo de Uhtred — amizade que permanece mesmo quando ambos encontram-se em lados opostos.

Alfredo de Wessex: Alfredo o Grande, rei de Wessex à época da narrativa, único reino saxão a resistir à invasão dinamarquesa. Desenvolve uma relação de lealdade e ódio com Uhtred, principalmente pelas divergências religiosas entre ambos.

Beocca: padre em Bebbanburg, torna-se servidor de Alfredo após a morte do pai de Uhtred. Mantém-se um amigo fiel a Uhtred, apesar de não perdoá-lo por sua fé pagã.

Bernard Cornwell, conhecido estudioso da História Inglesa, ambienta essa narrativa na segunda metade do século IX, época das invasões dinamarquesas aos reinos saxões que viriam a formar a Inglaterra. Utilizando-se, em primeiro plano, de personagens fictícios (Uhtred, Ragnar), apresenta, em um segundo plano, o avanço dinamarquês sobre os saxões e a resistência de Wessex sob o comando de Alfredo.

Este primeiro volume da série apresenta a queda dos três primeiros reinos saxões (Nortúmbria, Ânglia Oriental e Mércia) e as primeiras tentativas frustradas de invasão de Wessex — como a Batalha de Reading e a invasão a Exeter.

Alfredo e sua família são personagens históricos, assim como os demais reis saxões que caem perante os dinamarqueses. Gutrum também é um personagem real, que depois de convertido ao Cristianismo se tornará o rei Aethelstan de Ânglia. Os irmãos Lothbrok seriam filhos do semi-lendário rei viquingue Ragnar Lodbrok, que não aparece na crônica. Segundo os registros históricos ingleses, Ivar e Ubba teriam sido, de fato, os líderes da invasão dinamarquesa.

A execução do rei Edmundo de Ânglia Oriental (Santo Edmundo), provavelmente a mando de Ivar, também é relatada na história da vida do santo.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

 

Topo