Star Trek: Picard (Primeira Temporada) - NoSet
Review

Star Trek: Picard (Primeira Temporada)

Salve Nosetmaniacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de uma das melhores revisões de Star Trek desta década. Eu que sou assumidamente um Trekker de carteirinha, adorei Picard e a volta de Steward ao papel.

Jornada nas Estrelas: Picard (2020)

Baseado em Star Trek de Gene Roddenberry, produção Patrick Stewart, Michael Chabon, Akiva Goldsman, James Duff, Alex Kurtzman, Heather Kadin, Rod Roddenberry e Trevor Roth. Elenco Patrick Stewart, Santiago Cabrera, Michelle Hurd, Evan Evagora, Alison Pill, Hary Treadaway e Isa Briones.

Star Trek: Picard é uma série WEB TV apresentando o personagem Jean-Luc Picard de Star Trek, criada pela CBS All Access como parte da expansão da franquia Star Trek liderada pelo produtor executivo Alex Kurtzman. A série se passa 20 anos após os eventos de Star Trek: Nemesis (2002) e é afetada pela destruição de Romulus no filme Star Trek (2009)

Patrick Stewart é um dos produtores executivos e reprisa seu papel como capitão Jean-Luc Picard, que ficou famoso na série Star Trek: The Next Generation . Jonathan Frakes, Brent Spiner, Marina Sirtis, Jeri Ryan, Santiago Cabrera, Michelle Hurd, Evan Evagora, Alison Pill, Harry Treadaway e Isa Briones também participam. Os primeiros rumores sobre a série começaram em junho de 2018, quando Kurtzman começou sua expansão e foi finalmente anunciada em agosto, depois de meses de negociações com Stewart, que anteriormente havia falado que não voltaria para a franquia após Nemesis. A filmagem foi iniciada na Califórnia em abril de 2019, com o título oficial anunciado um mês depois. Star Trek: Picard foi lançado em 23 janeiro 2020 e possui de 10 episódios.

Sinopse: A série se passa 18 anos após a última aparição de Jean-Luc Picard em Star Trek: Nemesis (2002), e encontra o personagem profundamente afetado pela morte de Data, assim como pela destruição de Romulus como mostrada no filme Star Trek (2009).

Critica: Patrick Stewart (Jean-Luc Picard) é um dos meus atores preferidos e um ícone do cinema e TV moderno, não só pelo seu lendário trabalho na franquia X-Men, como o Professor Charles Xavier, principalmente em sua atuação perfeita e inesquecível em Logan (2017), ou por ter vivido o Capitão Picard de 1987 a 1994 na TV e nos cinemas de 1996 a 2002, mas além disso, Stewart tem em seu vasto currículo cinematográfico, para os mais antigos que puderam assistir como eu, filmes incríveis como Excalibur (1981), Duna (1984) e Moby Dick (1998), que são clássicos e cults e que vale a pena você conferir se você gosta de uma boa sala de cinema, mesmo em casa e não viu.

Divertida e saudosista, a volta de Stewart ao papel de Picard tem um tom afetivo muito grande, em uma série rica com efeitos e roteiro cinematográficos das  melhores produções de Star Trek que já assistimos. A série é memorável e grandiosa, e assim como em Logan, da uma maestria e maior idade ao agora aposentado almirante da frota estelar que nos faz se aproximar muito mais ao homem do que ao almirante. Tudo isso funciona muito bem em uma história bem elaborada, sem exageros, mas uma nova aventura cheia de easter aggs e saudosas referências a toda a série Star Trek. O novo inimigo, um velho aliado de todo capitão da Enterprise, agora traz um tom mais politico e moderno a uma série secular. A série tem seu próprio ritmo, não espere uma série trekker dentro de uma nave espacial, ou inimigos vingativos e raios lazer, não que isso não aconteça, mas é uma pano de fundo para um drama bem amarrado que traz de volta um homem e sua jornada do herói. Picard está mais para uma trama policial futurista, quase um CSI, do que um Star Trek tradicional de uma capitão sentado na ponte tomando decisões, e isso é muito bom, pois dá novos ares a franquia. Stra Trek Picard é simplesmente delicioso de se ver e se você é um fã de Scy Fy, um ótimo programa de TV.

Curiosidades: Em junho de 2018, após se tornar o único showrunner de Star Trek: Discovery, Alex Kurtzman assinou um acordo de cinco anos com CBS Television Studios para expandir a franquia Star Trek além de Discovery em várias novas séries, minisséries e séries animadas. Uma dessas novas séries seria estrelada por Patrick Stewart, reprisando seu papel de Jean-Luc Picard da série Star Trek: The Next Generation. Kurtzman e Akiva Goldsman (que trabalhou na primeira temporada de Discovery) estavam ligados ao projeto. Quando a CBS se aproximou pela primeira vez de Patrick Stewart sobre a criação de mais séries de Star Trek, Kurtzman acreditava que Picard era o maior capitão de Star Trek e incluiu uma série apresentando o personagem em sua lista. Kurtzman e Goldsman entraram em contato com Stewart pela primeira vez em 2017, apesar de suas declarações anteriores de que ele já havia terminado com a franquia.

Kurtzman, Goldsman e a roteirista de Discovery Kirsten Beyer se encontraram com o ator, que participou do encontro com o objetivo de recusar o projeto, mas ficou intrigado o bastante com a discussão para pedir um documento de três páginas delineando suas idéias. Na época, Goldsman convidou um amigo, o novelista Michael Chabon, para trabalhar no projeto e os quatro produziram um documento de 34 páginas que enviaram para Stewart. Ele organizou outro encontro com eles em março de 2018, onde expressou a aprovação do pitch. Enquanto decidia se iria se juntar ao projeto, Stewart perguntou para Kurtzman se a série seria “bem diferente” das histórias anteriores de Star Trek, “tanto o que as pessoas se lembram e o que elas nem sequer estão esperando, se não, porque fazer?” Ele também estava preocupado de que a série seria uma “ṕiada”, mas recebeu garantias da equipe criativa do projeto de que esse não seria o caso.

Dia 4 de agosto de 2018, Stewart fez uma aparição surpresa na Convenção anual de Star Trek em Las Vegas para anunciar a série de forma oficial e que ele iria estrelar nela. Stewart também foi colocado como produtor executivo da série ao lado de Kurtzman, Goldsman, Chabon, o roteirista da Discovery James Duff, Heather Kadin da produtora Secret Hideout de Kurtzman , Rod Roddenbery (filho do criador de Star Trek, Gene Roddenbery) e Trevor Roth do Roddenberry Entertainment. Beyer também continuou parte da equipe criativa. A série seria lançada em 2019, mas a estréia acabou adiada para janeiro de 2020. Kadin revelou em outubro de 2018 que seria uma série, em vez de uma minissérie, e que seu lançamento não ia entrelaçar com Discovery ou outras novas séries da franquia. Kurtzman adicionou que a série de Picard seria “algo próprio”, depois elaborando que enquanto Discovery seja “uma bala”, a série Picard é “um show bem contemplativo” com seu próprio “rítmo” e um sentimento de “mundo real”. O CCO da CBS, David Nevins confirmou em dezembro de 2018 que a série deveria ser lançada no CBS All Access no fim de 2019, depois do lançamento completo da segunda temporada de Discovery e as vários curtas de Star Trek: Short Treks.

Stewart revelou em janeiro de 2019 que a série iria consistir de 10 episódios e reiterou que a intenção é de que ela continuaria por várias temporadas, um mês depois adicionando que “nos preparamos possivelmente para três anos desse show”. Uma listagem de produção em março de 2019 deu a série o título de Star Trek: Destiny, que a CBS havia registradi em 2018. Entretanto, o título oficial foi revelado como sendo Star Trek: Picard na apresentação de upfront da CBS em maio de 2019. Na época, Kurtzman revelou que a série não tem um showrunner tradicional e que estava sendo “preparada” por uma grande equipe criativa. Em dezembro de 2019,antes da estreia , CBS All Access renovou a série para uma segunda temporada de 10 episódios

No site agregador Rotten Tomatoes, a série obteve um índice de aprovação de 92% e uma nota média de 8,06/10, baseada em 66 resenhas. O consenso do site era: “Liderado pelo incomparável Patrick Stewart, Picard se afasta do protocolo da Frota Estelar com uma história serializada mais lenta, mas como todo grande Star Trek, encara temas oportunos com graça e acaba sendo um avanço excitante para uma nova fronteira”. Já no site Metacritic, a nota média foi de 77 (de 100) baseada em 24 resenhas, indicando “uma recepção favorável.”

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Topo