Snowpiercer: O Expresso do Amanhã (Graphic Novel, Filme e Série) - NoSet
Review

Snowpiercer: O Expresso do Amanhã (Graphic Novel, Filme e Série)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos da franquia do Expresso do Amanhã.

Snowpiercer: O Expresso do Amanhã (Filme 2013)

Direção Bong Joon-ho, produção Jeong Tae-sung, Steven Nam, Park Chan-wook e Lee Tae-hun, roteiro Bong Joon-ho e Kelly Masterson, baseado na história de Bong Joon-ho e na Graphic Novel Le Transperceneige de Jacques Lob, Benjamin Legrand e Jean-Marc Rochette. Elenco Chris Evans, Song Kang-ho, Tilda Swinton, Jamie Bell, Octavia Spencer, Ewen Bremner, Ko Asung, John Hurt e Ed Harris. Companhias produtoras Moho Film, Opus Pictures e Stillking Films, distribuição RADiUS-TWC.

Com lançamento na Coreia do Sul em 29 de julho de 2013, um orçamento de US$ 40 milhões e a receita mundial de US$ 90 milhões, Snowpiercer é um filme de ação e ficção científica. O filme acontece a bordo do trem Snowpiercer, operando em uma pista de abrangência global, transportando os últimos remanescentes da humanidade depois que uma tentativa de engenharia climática, a fim de parar o aquecimento global, termina por criar involuntariamente uma nova Era do Gelo.

Exibido pela primeira vez na Times Square de Seul em 29 de julho de 2013, Snowpiercer foi aclamado pela crítica e apareceu nas dez melhores listas de filmes de 2014 de muitos críticos de cinema, após seu lançamento internacional. O louvor foi direcionado principalmente para sua visão, direção e performances, particularmente de Evans e Swinton. Inicialmente planejada para uma exibição de tela limitada nos Estados Unidos, a resposta crítica ao filme levou a The Weinstein Company a expandir a exibição para mais cinemas e serviços de streaming digital. Produzido com um orçamento de US$40 milhões, continua sendo a produção coreana mais cara de todos os tempos.

Sinopse: Em um futuro distópico, um experimento científico é realizado para neutralizar o aquecimento global que, após falhar, provoca uma era glacial que quase termina com a população mundial. Os únicos sobreviventes são os habitantes do Snowpiercer:  um trem ferroviário extenso com nível ilimitado que circunda todo o planeta através de uma estrada de ferro.

Após o desastre natural, o trem é dividido em duas classes sociais: por um lado, a parte da frente composta da classe privilegiada; por outro lado, a classe trabalhista e os pobres, localizados na cauda, que decidem organizar uma revolução social para tomarem o controle da máquina.

Curiosidades: O agregador de críticas Rotten Tomatoes relata que 94% dos críticos deram ao filme uma classificação positiva, com base em 246 críticas com uma pontuação média de 8,1 / 10. O consenso crítico do site declara: “O Snowpiercer oferece um espetáculo de ação audaciosamente ambicioso para cineastas entorpecidos com os blockbusters movidos a efeitos”. Metacritic , outro agregador de resenhas, atribuiu ao filme uma pontuação média ponderada de 84 em 100, com base em 38 resenhas dos principais críticos, consideradas “aclamação universal”. Chris Nashawaty, da Entertainment Weekly, atribuiu ao filme uma classificação “A”, afirmando: ” Snowpiercer leva você a esse mundo novo e estranho e tão completamente que deixa você com a sensação muito rara de que você acabou de testemunhar algo que você ‘ nunca vi antes e preciso ver novamente. ”

AO Scott escreveu, em sua crítica ao The New York Times , “Destruição planetária e extinção humana acontecem meia dúzia de vezes todo verão. Porém, raramente é tão refrescante”. Andrew Pulver, do The Guardian, marcou o filme de maneira mais positiva, escrevendo: ” Snowpiercer funciona de maneira brilhante, a soma de partes extremamente díspares que se soma à excelência cinematográfica”. Joshua Rothkopf, da Time Out New York, classificou o filme em cinco de cinco estrelas, escrevendo: “Nascido de um romance gráfico francês de 1982 e suportando as tensões da época, Snowpiercer é uma corrida precipitada à loucura conceitual – mas você ‘ vou adorar mesmo assim “. Rothkopf elogia Joon-ho, afirmando: “… Bong agarra com entusiasmo as convenções sujas da aventura pós-apocalíptica. Ele oferece cenas de ação claustrofóbicas (uma delas em grande parte no escuro) e tons agourentos e messiânicos enquanto o grupo de rebeldes faz sua parte. caminho a seguir.”

Lou Lumenick, do The New York Post, elogiou o filme, escrevendo: “Não perca – é um filme visionário extremamente divertido, com um roteiro espirituoso e um ótimo elenco internacional”. Ele acrescentou: “O trem muito bem projetado é um dos mais memoráveis ​​da história da tela.” David Denby, do The New Yorker, falou muito bem da peça, afirmando que ela era “violenta, muitas vezes absurda, mas cheia de emoções”. Surpresas brilhantes, enquanto Bong mantém o centro da ação em direção à frente do trem, um feito considerável de posicionamento da câmera, caos coreografado e edição coesa “, e elogiando o design de produção de Nekvasil,” Bong e [Nekvasil], fornecem a eles uma série de espanto sibarítico “.

Clarence Tsui, do The Hollywood Reporter, escreveu uma resenha altamente positiva, comentando: “O Snowpiercer ainda é um veículo intelectualmente e artisticamente superior a muitos dos thrillers de ação futuristas do final dos dias”. Falando muito sobre a produção de Bong, Tsui escreveu: “As vívidas representações de Bong – auxiliadas pelo design de produção de Ondřej Nekvasil, pela cinematografia de Hong Kyung-pyo e pela edição de Steve M. Choe – são excepcionais”. David Thomson, da The New Republic, observou que “A coisa mais estimulante e libertadora do Snowpiercer de Joon-ho Bong não é apenas seu movimento lírico para a frente, mas a exuberância com que o filme se revela em sua situação de enredo”. Ele elogia a “progressão das peças de design” de Nekvasil e a performance de Tilda Swinton, dizendo “Ela é a vida e a alma dessa festa tumultuada, e você ficará triste ao vê-la eliminada, não importa o que o modo medonho de Mason tenha conquistado. . ” Scott Foundas of Variety escreveu: “Um épico futurista enormemente ambicioso, visualmente deslumbrante e ricamente satisfatório do talentoso diretor coreano de gênero Bong Joon-ho”. Foundas acrescentou que a partitura original de Beltrami estava “entre as contribuições de artesanato geralmente impecáveis ​​[ao filme]”. James Rocchi, do Film.com, escreveu que “se o filme tem um elemento que nunca é sinalizado ou vacilante, é Evans”.

Alguns foram mais críticos do filme. Jared Kendall, do The Red Shtick, afirmou que a “ciência” do filme é realmente tão ruim que não se qualifica como ficção científica, mas apenas fantasia: “A ciência é horrível e a grande revelação é ridícula. Discordo totalmente dos críticos. que apoiaram, mesmo que Snowpiercer sirva admiravelmente como algo “diferente”, não acho que devamos ignorar esses defeitos flagrantes simplesmente porque um filme não é um truque genérico de Hollywood “.  Jordan Adler, do We Got This Covered, escreveu: “Deixamos o Snowpiercer mais exausto com perguntas do que revigorado por sua visão e estilo únicos. É um exemplo formidável de controle diretivo, atolado por uma escrita pobre, trabalho de efeitos semi-acabados e uma exploração bastante fina de um fascinante universo distópico”. Ann Hornaday, do Washington Post, achou que a atuação potencialmente boa seria “virtualmente perdida em uma confusão tonal que nunca pode decidir entre metáfora política ponderada, leveza e violência pulverizadora” e passou a descrever a “cansativa e lenta câmera do diretor” fetichismo, misturando figurinos e armas, em um esforço para distrair a pura repetitividade das cena “.

Snowpiercer: Série de TV – Primeira Temporada

Baseado em Snowpiercer Le Transperceneige por Jacques Lob , Benjamin Legrand e Jean-Marc Rochette, desenvolvido por Josh Friedman e Graeme Manson, roteiro de Bong Joon-ho e Kelly Masterson, história de Bong Joon-ho, Estrelando Jennifer Connelly, Daveed Diggs, Mickey Sumner, Alison Wright, Iddo Goldberg, Susan Park, Katie McGuinness, Sam Otto, Sheila Vand, Mike O’Malley, Annalize Basso, Jaylin Fletcher, Lena Hal e Roberto Urbina. Produtores executivos Scott Derrickson, Bong Joon-ho, Dooho Choi, Miky Lee, Tae-Sung Jeong, Lee Tae-hun, Parque Chan-wook, Matthew O’Connor, Marty Adelstein, Becky Clements, James Hawes e  Graeme Manson, produtores Jiwon Park, Alissa Bachner, Mackenzie Donaldson e Holly Redford, empresas de produção CJ Entretenimento e Tomorrow Studios, rede original TNT.

Expresso do Amanhã – A série é  uma reinicialização da continuidade do filme, segue os passageiros do Snowpiercer, um trem gigantesco e perpetuamente em movimento que circula o mundo carregando os restos da humanidade sete anos depois que o mundo se torna um terreno baldio ( o filme se baseia em 17 anos após o apocalipse). A série questiona a guerra de classes, a injustiça social e a política de sobrevivência. Enquanto está em desenvolvimento na TNT há mais de três anos, a série enfrentou vários problemas de produção e atrasos decorrentes de diferenças criativas entre os produtores da série e a rede. A série permaneceu no inferno do desenvolvimento até maio de 2019, quando foi anunciado que a série seria exibida na rede irmã da TNT, TBS, para um lançamento na primavera de 2020, e que já seria renovada para uma segunda temporada. No entanto, em setembro de 2019, a decisão de mudar de rede foi revertida.

Sinopse: Snowpiercer se passa em 2021, sete anos depois que o mundo se torna um terreno baldio congelado e segue os remanescentes da humanidade que habitam um trem gigantesco e em constante movimento que circunda o mundo. O programa questiona a guerra de classes, a injustiça social e a política de sobrevivência.

Crítica: Do filme e original não posso deixar de citar a profunda entrega do elenco com o cada vez melhor ator Chris Evans (Capitão América), a simplesmente magnífica Tilda Swinton (Nárnia), o milenar John Hurt (Harry Potter) e o canalha mais adorável do cinema Ed Harris (WestWorld). Sem estes, o filme não seria metade do que é,  uma perfeita e violenta  crítica social sobre os menos afortunados e os mais. Destaque para a cena do túnel e o ano novo do trem, perfeição!

Menos violenta e visceral que sua primeira obra, Snowpierce – A Série (TNT e Netflix), em sua primeira temporada, tenta nos contar de uma forma diferenciada ao filme a luta entre as classes sociais, sobre a ótica de um ex-detetive do último vagão e a mantedora da ordem social e líder do trem. O detetive precisa desvendar o mistério de um assassinato, ajudar a revolução e evitar um massacre de seu “povo”, enquanto a capitã e voz do trem precisa manter a harmonia pré estabelecida com o “equilíbrio das classes, assim salvar o que restou da humanidade..

Diferente do filme, a série apresenta uma nova classe social, os que não estavam entre passageiros pré combinados do trem. São refugiados que invadiram em dezenas o trem um pouco antes do trem partir e o resto da humanidade perecer e passaram a ser mais um classe sem nenhum reconhecimento  a não ser de sobreviver no sistema. Uma clara alusão aos centenas de refugiados que diariamente chegam a Europa através do Mediterrâneo ou aos EUA através das fronteiras do México

A série também expande seu universo incluindo muito mais informações sobre o trem, as classes sociais e passageiros que o filme, com 1001 vagões e um trem de pelo menos 3 andares em alguns vagões, temos explicações mais claras do que servem, por exemplo, as gavetas dormitórios, as relações não autorizadas entre as classes, o desprezo da alta sociedade pelo sistema, classes de trabalhadores que mantem o trem rodando, e a depressão que começa a se apossar dos passageiros, além da dificuldade dos ambientes inóspitos para o trem precisa circular.

Diferente do filme, adaptado 17 anos após o incidente e dando desfecho a obra, este se passa 7 anos após a saída do trem e fim da humanidade.também a uma mudança na forma em que a humanidade se extinguiu, apesar de ser do mesmo contexto da degradação do planeta Terra.

Do elenco Jennifer a ótima Connelly (UmaMente Brilhante) se destaca com sua elegância teatral de atuaçãoe por ser o corpo e a alma do trem. Já sua contra parte, o rapper e ator Daveed Diggs (Blindspot) tem  a dificuldade de criar um personagem interessante que é obrigado a viver em dois mundos diferentes, sem o carisma ou a liderança do personagem de Evans.

Curiosidades: A série foi projetada para ser uma reinicialização da continuidade do filme original de 2013. A história se passa sete anos após uma catástrofe climática que tornou o mundo exterior inabitável, forçando os remanescentes da humanidade a viver confinados dentro de um trem enorme que circula constantemente o globo. A série investiga a luta de classes, pois os passageiros do trem são segregados pela riqueza.

O astro da série Daveed Diggs disse que o programa “ampliaria exponencialmente” o mundo estabelecido pelo filme e pela graphic novel de 1982. “Essa é uma das vantagens da TV, você tem tempo”, disse Diggs, “para que as políticas sugeridas no filme sejam exploradas com muito mais profundidade e o mecanismo do trem [seja explorado ainda mais] – apenas as pequenas coisas que criar um mundo, especificidade mundial “. Na turnê de imprensa da Television Critics Association de 2017, o presidente da TNT e da TBS, Kevin Reilly, revelou que a série Snowpiercer seria semelhante a um “show de nave espacial” devido à sua configuração contida e que caracterizaria um mistério durante a primeira temporada.

A série estreará na TNT nos Estados Unidos na primavera de 2020, enquanto a Netflix transmitirá a série globalmente fora dos Estados Unidos e China. O Huanxi Media Group está programado para transmitir as duas primeiras temporadas exclusivamente na China.

A série foi originalmente planejada para estrear em 31 de maio de 2020, mas foi transferida para 17 de maio de 2020 no início de abril. Brett Weitz, gerente geral da TNT, disse que a estréia anterior estava relacionada à pandemia do COVID-19 para levar a série aos telespectadores mais cedo.

O agregador de críticas Rotten Tomatoes coletou 64 críticas, identificou 63% delas como positivas e reportou uma classificação média de 6,27 / 10. O consenso dos críticos do site diz: ” Snowpiercer segue um caminho diferente com seu material de origem, criando um ambicioso mistério de ficção científica com estilo de sobra, mas com pouco da mordida subversiva da adaptação teatral de Bong Joon-ho”. O Metacritic atribuiu à série uma pontuação média ponderada de 55 em 100, com base em 23 críticos, indicando “críticas mistas ou médias”.

 

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Topo