Pepé Le Pew ou Le Gambá (RIP 1945 – 2021): Os Bastidores Polêmicos das Animações.

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e parece que a caça às bruxas nas animações e HQs do século passado, com o código A Sedução dos Inocentes (1954), voltou em 2021. Personagens clássicos como Dumbo, Peter Pan, Ligeirinho, Pica Pau, Pepé entre outros parecem ter seus dias contados, ou indo para uma reformulação (Pica Pau), afastamento como no caso de Dumbo, ou finalmente saindo do ar como Pepé. Se cuide Pernalonga e Popeye, personagens atiravam em animais, beijavam homens e se vestiam de mulher, no caso do Pernalonga e Eufrazino, ou mesmo na violência física através de certos alimentos pode estar com seus dias contados.

A Criação: Pepé Le Pew ou Pepe Le Gambá é um personagem de animação e HQs, criado pela Warner Bros. Entertainment para o universo Looney Tunes. Foi idealizado por Chuck Jones em 1930. De nacionalidade francesa, tem como características o seu mau cheiro peculiar e seu romantismo exacerbado. Sua musa é a gata Penelope Pussycat, que tem suas costas acidentalmente pintadas de branco, o que a faz parecer-se com uma cangambá fêmea. Ao vê-la, Pepé se apaixona instantaneamente, este sendo o motivo dos desenhos protagonizados pelos dois: a perseguição amorosa de Pepé e a fuga desesperada de Penelope.

Pepe é um cangambá, mas é erroneamente chamado de gambá, um animal parecido que também exala um odor desagradável.Um dos seus mais memoráveis bordões é a frase “Ela é tímida…”, dita frequentemente quando os alvos de seu amor fugiam dele por conta de seu cheiro ruim.

O cenário é sempre uma mise-en-scène ecoando com um francês fragmentado. Eles incluem Paris na primavera, o Matterhorn ou a pequena vila de N’est-ce Pas nos Alpes franceses. Os locais exóticos, como Argel, são extraídos da história do filme Pépé le Moko de 1937. Cenários associados à cultura popular com romance, como a Champs-Élysées ou a Torre Eiffel, às vezes estão presentes. Um episódio foi no Deserto do Saara , com Pepe procurando trabalhar como Legionário em um posto militar francês.

Pepé descreve Penélope como sortuda por ser objeto de seus afetos e usa um paradigma romântico para explicar seus fracassos em seduzi-la. Por exemplo, ele descreve uma martelada na cabeça como uma forma de flerte, e não de rejeição. Consequentemente, ele não mostra nenhum sinal de dano narcisista ou perda de confiança, não importa quantas vezes ele seja rejeitado.

Em uma inversão de papéis, o vencedor Oscar de 1949, um curta que por razões sentimentais para época, terminou com um acidentalmente pintado de azul o corpo do agora aterrorizado Pepé, sendo perseguido por um Penelope loucamente ferida (que foi mergulhado em água suja, deixando ela com uma aparência de rato e um resfriado em desenvolvimento, obstruindo completamente o nariz). Acontece que a nova cor de Pepé é a certa para ela (além do fato de que a tinta azul agora cobre seu odor pútrido). Penelope o tranca dentro de uma perfumaria, escondendo a chave no peito, e começa a perseguir o Pepé agora aprisionado e efetivamente inodoro.

Em outro curta, Little Beau Pepé, Pepé tenta encontrar a colônia mais estimulante para impressionar Penélope, borrifa sobre si uma combinação de perfumes e colônias. Isso resultou em algo próximo a uma poção do amor, levando Penelope a se apaixonar perdidamente por Pepé em uma explosão de corações. Pepé revela-se extremamente assustado com mulheres excessivamente afetuosas (“Mas Madame!”). Para sua consternação, pois Penelope rapidamente o captura e o sufoca com mais amor do que ele mesmo poderia imaginar.

Embora Pepé geralmente confunda Penelope com uma Gambá fêmea, em Past Perfumance, ele percebe que ela é uma gata quando sua listra desaparece. Implacável, ele passa a cobrir sua faixa branca com tinta preta, assumindo a aparência de um gato antes de retomar a perseguição. Para enfatizar o domínio alegre de Pepé da situação, Penelope está sempre muda (ou mais precisamente, faz apenas sons naturais de gato, embora com um “le” estereotipado antes de cada um) nessas histórias; apenas o autoiludido Pepé fala (vários personagens humanos não recorrentes recebem um mínimo de diálogo, frequentemente nada mais do que um repelido “Le pew!”).

Jones escreveu que Pepé foi vagamente baseado na personalidade de seu colega de Termite Terrace, o escritor Tedd Pierce, um autoproclamado “mulherengo” que supostamente sempre presumiu que suas paixões eram correspondidas. Em um curta documentário, Chuck Jones: Memories of Childhood, Jones disse a um entrevistador (talvez de brincadeira) que Pepé na verdade era baseado em si mesmo, exceto que ele era muito tímido com as meninas.

Um protótipo de Pepé apareceu em Bugs Bunny Rides Again de 1947, mas parecia semelhante ao Gaguinho. Quando o personagem Pepé foi desenvolvido para seus próprios desenhos animados, Mel Blanc baseou a voz de Pepé em Pépé le Moko de Argel, de Charles Boyer (1938), um remake do filme francês de 1937 Pépé le Moko. A voz de Blanc para o personagem se assemelhava muito a uma voz que ele havia usado para “Professor Le Blanc”, um instrutor de violino atormentado no Programa Jack Benny. Também existem teorias de que a voz de Pepé foi baseada no cantor Maurice Chevalier.

Nas animações ou curtas de Pepé, uma espécie de pseudo-francês ou franglais é falado e escrito principalmente pela adição do artigo francês le a palavras em inglês (como em ” le skunk de pew”) ou por meio de uma mutilação mais criativa de expressões em inglês e sintaxe francesa, como como “Sacré maroon!”. O escritor responsável por esses malapropisms foi Michael Maltese.

Já famoso em todo mundo, Pepé faria uma participação especial no clássico filme que junta animações e atores reais em um mesmo ambiente chamado Uma Cilada para Roger Rabbit , mas mais tarde foi descartado por razões desconhecidas. Um comercial da AT&T com o tema do Dia dos Namorados de 2009 traz Pepé (dublado por Joe Alaskey ) e o relacionamento de Penelope, retratando Penelope não tão repelida por Pepé, mas loucamente apaixonada por ele. O comercial começa com Penelope pintando deliberadamente uma faixa branca nas costas; quando seu celular toca e mostra a foto de Pepé, o coração apaixonado de Penelope salta sob seu peito em uma imagem clássica de desenho animado. Pepé fez uma participação especial em um comercial da MetLife em 2012 intitulado “Todos”. Ele é visto de pé na floresta, então vê seu interesse amoroso Penelope Pussycat cavalgando nas costas do Gato Guerreiro com He-Man, e imediatamente pula atrás dela.

O Início do Fim: A reputação de Pepé sofreu nos últimos anos. O comediante Dave Chappelle, em seu filme de stand-up Killin ‘Them Softly de 2000, chamou-o de estuprador. Em uma coluna de 2021 no The New York Times, Charles M. Blow escreveu que Pepé “normalizou a cultura do estupro”. Amber E. George, em seu ensaio “”Pride or Prejudice? Exploring Issues of Queerness, Speciesism, and Disability in Warner Bros. Looney Tunes”, (Orgulho ou Preconceito? Explorando Questões de Queerness, Especismo, e Incapacidade em Looney Tunes da Warner Bros.), caracterizou as ações de Pepé em relação a Penelope Pussycat como “assédio sexual, perseguição e abuso” e observou que Pepé qualidades zombam do povo francês e de sua cultura.  Em 7 de março de 2021, foi anunciado que Pepé Le Pew foi removido de Space Jam: A New Legacy e ele não retornará em projetos futuros da Warner Bros., tornando-o o primeiro personagem Looney Tunes da história a ser banido de projetos futuros.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.thor/

 

 

Marcelo Moura

Marcelo Moura

http://www.noset.com.br

Moura gosta de Cinema, Tv, Livros, Games, Shows e HQ´s, do moderno ao Cult. Se diverte com o Trash, Clássico e Capitalista. e um pouco de tudo isso você vai encontrar aqui. Muitos dizem que quem escreve é a sua esposa ou mesmo seus três filhos. É ler para crer....