O Resgate: Netflix (2020) - NoSet
Review

O Resgate: Netflix (2020)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de filme de ação da Netflix que recebeu muitas criticas e elogios.

O Resgaste da Netflix:

Dirigido por Sam Hargrave, produzido por Anthony Russo,  Joe Russo, Chris Hemsworth, Mike Larocca, Eric Gitter e Peter Schwern, roteiro de Joe Russo, história por Ande Parks, Joe Russo e Anthony Russo, baseado em Ciudad de Ande Parks, Joe Russo e Fernando León González. Estrelando Chris Hemsworth, Rudhraksh Jaiswal, Randeep Hooda, Golshifteh Farahani, Pankaj Tripathi, Priyanshu Painyuli e David Harbour, companhia de produção AGBO, Entretenimento Temático, India Take One Productions e TGIM Films, distribuído por Netflix.Com o custo de US $ 65 milhões, O Resgate foi lançado em 24 de abril de 2020, pela Netflix, recebeu críticas mistas dos críticos, que elogiaram as performances de Hemsworth e Hooda e o trabalho de dublê, mas lamentaram a história e a violência excessiva.

Sinopse: Tyler Rake, um mercenário do mercado negro e ex- Regimento Especial do Serviço Aéreo da Austrália, é recrutado pelo colega mercenário Nik Khan para resgatar Ovi Mahajan Jr., filho do maior traficante de drogas da Índia Ovi Mahajan.

Crítica: Sem cair nas críticas do óbvio, que deixarei para a parte dos Comentários, O Resgate é um bom filme de ação da Netflix dos produtores e diretores de Avengers  que muito me lembrou os clássicos filmes de ação dos anos 80, como Duro de Matar ou Rambo, ou atualmente John Wick, em que um “Exército de um Homem Só” salva a pátria por ser incorruptível e misericordioso, sozinho vence as “forças do mal”, mesmo que para isso tenha que se arrebentar todo e com  isso demonstra que os inimigos são extremamente incompetentes, mesmo tendo um armamento maior.

O diretor e dublê americano Sam Hargrave esteve perfeito na produção, principalmente nas sequências de tiroteio, dando inveja para nosso querido diretor Michael Bay. Hargrave trabalha longas sequências de ação quase como uma obra de arte, dando a sensação de quem assiste de participar da cena, como em um violento vídeo game de tiro, mas melhor que isso, ele nos convence que Tylar Rake (Chris Hemsworth) é capaz de tudo que se propõe, mesmo que humanamente a gente saiba que não.

Do elenco é bom ver Chris Hemsworth convincente como um ex-operador SASR que virou mercenário decadente, deixando escolhas duvidosas de papéis quase humorísticos como Caça Fantasmas e MIB para trás. Hemsworth faz o que sabe melhor, atuando com um único olhar, lutando, atirando e matando todos os inimigos sem piedade. A participação especial de David Harbour (Hellboy e Stranger Things), como Gaspar, um companheiro de equipe de Tyler que vive em Dhaka, não acrescenta grandes méritos ao enredo, apenas dá uma pausa para respirarmos entre uma perseguição e outra, nos levando ao ato final do filme. O roteiro de Joe Russo não é nada que já não vimos milhares de vezes, não há nenhuma novidade das centenas produções hollywoodianas sobre o assunto, explosões, emboscadas, traições e etc, mas ainda assim o filme é acima da média pelo  que apresenta e entretém em suas quase 2h de produção.

Houve muita reclamação das cores usadas nas lentes quando retratado a  Índia (o amarelo), a pobreza da povo além do tráfico mandando no país e o salvador branco. Eu realmente não me incomodei com isso, respeito a opinião de todos, mas a impressão que tive na questão do amarelo foi de demonstrar uma ambiente quente e inóspito, como feito em vários filmes que retratam a Colômbia e outros países do terceiro mundo. Se era necessário esse recurso, talvez não, mas reparei no inicio mas logo após as cenas de ação me tiraram o foco deste tópico. Quanto ao salvador branco, deixo a vocês essa decisão sobre se esse ponto é ou não determinante para a qualidade de uma obra de ficção,

Curiosidades: Em 31 de agosto de 2018, foi anunciado que Sam Hargrave dirigiria Dhaka a partir de um roteiro de Joe Russo. Além disso, Chris Hemsworth foi escolhido para estrelar o filme. Em novembro de 2018, o resto do elenco foi definido. A produção começou em Ahmedabad e Mumbai em novembro de 2018. As filmagens ocorreram em Ban Pong , Ratchaburi , Tailândia e fotos em Dhaka , Bangladesh . O elenco ficou em Nakhon Pathom. A produção principal terminou em março de 2019. O título de trabalho do filme foi inicialmente Dhaka, mas foi alterado para Out of the Fire, antes que o título final fosse revelado como Extraction em 19 de fevereiro de 2020.

No agregador de críticas Rotten Tomatoes , o filme possui uma classificação de aprovação de 65% e uma classificação média de 6,02 / 10, com base em 125 críticas. O consenso dos críticos do site diz: “O espetacular trabalho de dublê e uma performance elétrica de Chris Hemsworth não podem impedir que Extraction seja arrastada por sua violência sem objetivo”. Em Metacritic , o filme tem uma pontuação média ponderada de 56 em 100, com base em 32 críticos, indicando “críticas mistas ou médias”.

Rohan Naahar, do Hindustan Times, elogiou as performances de Hemsworth e Hooda e escreveu: “Apresentando uma das cenas de ação mais impressionantes da memória recente o filme é vertiginoso”.  Leah Greenblatt, da Entertainment Weekly , deu ao filme um “B” e escreveu que ele “cumpre o que seu trailer arrogante promete: cenário internacional; vilões insidiosos; um australiano taciturno como um tronco de árvore”.  Escrevendo para a Rolling Stone, Peter Travers deu ao filme 2 de 5 estrelas e disse: “Visando a poesia de luta da franquia John Wick , Extraction se aproxima de uma série de acrobacias unidas para parecer um videogame ultra violento, como em Manhunt 2, em que os avatares são jogados por humanos reais “.

A extração foi criticada por várias saídas por ter percebido elementos do “salvador branco”. Variety chamou o filme de “uma versão salvadora de brancos para Man on Fire”, enquanto Screen Rant disse que os “elementos regressivos salvadores brancos” do filme a arrastam para baixo. Em uma crítica geral positiva, Scott Mendelson, da Forbes, escreveu: “Veja, vamos tirar isso do caminho. Sim, o diretor Sam Hargrave e o escritor Joe Russo’s Extraction fizeram um filme de um salvador branco indiscutivelmente ‘problemático'”.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo