O Mundo Sombrio de Sabrina: Segunda Temporada - NoSet
Review

O Mundo Sombrio de Sabrina: Segunda Temporada

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos novamente de nossa Bruxinha poderosa e mimada Sabrina, série na segunda temporada da Netflix.

O Mundo Sombrio de Sabrina (2019):

Baseado em Chilling Adventures of Sabrina de Archie Comics, desenvolvedor Roberto Aguirre-Sacasa, produtores Craig Forrest, Ryan Lindenberg e Matthew Barry, produtores executivos Lee Toland Krieger, Jon Goldwater, Sarah Schechter, Roberto Aguirre-Sacasa e Greg Berlanti, distribuída pela Netflix. Elenco Kiernan Shipka, Ross Lynch, Lucy Davis, Chance Perdomo, Michelle Gomez, Jaz Sinclair, Tati Gabrielle, Adeline Rudolph, Richard Coyle e Miranda Otto, empresa de produção Warner Bros. Television, transmissora de televisão original Netflix. Originalmente em desenvolvimento em setembro de 2017 na emissora The CW, a série foi planejada para ser uma série companheira da série de televisão Riverdale; no entanto, em dezembro de 2017, o projeto foi transferido para a Netflix com um pedido direto, consistindo de duas temporadas. As filmagens ocorrem em Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá, onde as duas temporadas serão filmadas consecutivamente. A primeira temporada, composta por 10 episódios, foi lançada em 26 de outubro de 2018. A série recebeu críticas geralmente positivas, com críticos elogiando a atuação de Kiernan Shipka e o elenco, assim como o enredo.

Sinopse: Sabrina Spellman deve conciliar sua dupla natureza como metade-bruxa e metade-mortal, enquanto luta contra as forças do mal que ameaçam ela, sua família e o mundo da luz do dia em que os humanos habitam.

Crítica: Em sua terceira versão para a TV e com uma mistura de Buffy, A Caça Vampiros (1997–2003) e A Feiticeira (1964–1972), a série Sabrinada Netflix veio com força total trazendo terror, humor negro e histórias adolescentes sobre o amadurecimento de uma jovem meia bruxa que não quer abrir mão de nada dos dois mundos. Sim, já vimos isso bem sucedido no cinema com Harry Potter e fracassos como Shadowhunters, mas seguindo a mesma linha de ambos com adolescentes que descobrem o mundo da magia, devem enfrentar um mal supremo, aqui o próprio “Capiroto” em pessoa, e lidar com os problemas familiares da idade como colégio e provas, Sabrina tem uma formula de sucesso e agrada pelo conteúdo complexo, mesmo sendo uma série adolescente. Sim, aqui também temos o Colégio do Inferno, um Hogwards para bruxas maléficas, e lá dentro, uma estatua imensa de ninguém menos que “Bafomé”, além de várias e interessantes referências ao mundo Feminino da Wicca, ou Masculino da Magia Moderna. Essas adaptações, HQs e Mangás, se tornaram um ponto forte da Netflix e tirando alguns erros de adaptações grosseiras, como Death Note, o canal tem demonstrado bons resultados como Marvel Demolidor entre outros exemplos.

Em sua segunda temporada, com apenas nove capítulos e o próprio Lúcifer como inimigo mortal. a série desanda para o terror juvenil ao melhor estilo de Stranger Things, sucesso consagrado da TV, onde Sabrina e sua turma de bruxos e mortais enfrentam cada vez mais desafios para agora evitar o Armagedom e todos os soldados do inferno vindo para a terra. Se na primeira temporada, o maior desafio de Kieman Shipka era trazer a ingenua Sabrina na escolha do bem ou o mal, muito parecido com suas antecessoras de personagem, aqui na sua segunda temporada tudo muda para pior com a bruxinha cada vez mais arrogante e poderosa, tentando descobrir o mistério de sua origem, na melhor referencia ao clássico Bebe de Rosemary ou da Fênix Negra dos X-Men, ambos citados na série e com belas referencias. Outro ponto bem interessante foi a presença de um hilário lado do bem, com jovens missionários caçadores de bruxas, o inverso da escola de bruxas, mas parecendo uma inquisição juvenil e violentíssima. Tem até uma homenagem ao filme Os Invasores de Corpos, com a cena do cemitério arrepiante, que mostra que seus produtores gostam e usam bastante as referências do universo Geek e de Terror em sua série, para atrair tanto jovens quanto os ávidos fãs de clássicos do terror do século passado.

Sabrina se sai muito bem e termina prometendo uma terceira temporada, no melhor estilo Supernatural e a jaula de Lucifer, e nós torcemos para que tenha esta continuação.

Topo