O Mundo Sombrio de Sabrina (3a Temporada) - NoSet
Review

O Mundo Sombrio de Sabrina (3a Temporada)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de mais uma série da Netflix em sua terceira temporada. O Mundo Sombrio de Sabrina, uma série de terror e humor, que nesta temporada nos apresenta musicais adolescentes e referencias a Riverdale para atingir todos os grupos possíveis.

O Mundo Sombrio de Sabrina (3a Temporada): No elenco Kiernan Shipka, Ross Lynch, Lucy Davis, Chance Perdomo, Michelle Gomez, Jaz Sinclair, Tati Gabrielle, Gavin Leatherwood, Adeline Rudolph, Richard Coyle e Miranda Otto.

Chilling Adventures of Sabrina é uma série de TV americana de terror sobrenatural desenvolvida por Roberto Aguirre-Sacasa para a Netflix, sendo baseada na série de Hqs de mesmo nome. A série é produzida pela Warner Bros. Television, em associação com a Berlanti Productions e a Archie Comics. Roberto Aguirre-Sacasa e Greg Berlanti são os produtores executivos, ao lado de Sarah Schechter, Jon Goldwater e Lee Toland Krieger. Originalmente em desenvolvimento em setembro de 2017 na emissora The CW, a série foi planejada para ser uma co-irmã da série de TV Riverdale, no entanto, em dezembro de 2017, o projeto foi transferido para a Netflix.

Sinopse : Sabrina Spellman deve conciliar sua dupla natureza como metade-bruxa e metade-mortal, enquanto luta contra as forças do mal que ameaçam ela, sua família e o mundo da luz do dia em que os humanos habitam.

Crítica: Apesar do tom pesado de Satanismo, Sabrina sempre foi voltado ao público mais adolescente e fala exatamente sobre isso, a dificuldade de se encontrar na adolescência em algum grupo, o medo de ser reconhecido como uma pária e não pertencer a lugar nenhum, o que funcionou bem nas duas temporadas, aqui se perdeu totalmente. Apesar de começar muito bem, mostrando rapidamente as consequências no Final Season anterior, a terceira temporada vem com referencias que vão desde o Inferno de Dante, Drácula, De Volta para o Futuro até O Mágico de Oz, mas o que vemos após o segundo capítulo são erros alarmantes de continuidade, personagens que mudam de comportamento e opinião somente para agradar a uma trama que nos engana a cada final de ciclo com um caos de reviravoltas e uma Sabrina que parece presa e perdida dentro da própria historia, mentindo e omitindo a todo momento para todos até o final, família, amigos e colegas de bruxaria, com desculpas esfarrapadas e um sorriso maroto, mas sem ter nenhuma noção de causa e consequência. Descer no Inferno, que até então era impossível para mortais, ficou extremamente fácil e o final, com referências ao Pulo no Tempo dos Vingadores Ultimato, teve um desfecho que foi a gota d´água para qualquer um. Essas mudanças de valores no decorrer da temporada, além de algumas regras já estipuladas anteriormente e que foram esquecidas na terceira temporada, tornaram a série maçante, confusa e sem sentido, mas que ainda se salva para mais uma temporada, muito mais devido ao carisma do bom elenco do que o nonsense dos seus roteiristas.

Do elenco Kiernan Shipka precisa rapidamente desenvolver um estilo de atuar e parar com os três tipos de cara, uma feliz, uma assustada e uma assombrada, tudo isso apenas mexendo as sobrancelhas. Tudo bem que a personagem Sabrina não pede muito em atuação, mas para um futuro, Shika precisa evoluir ou será uma eterna Sabrina. Falando em atuação, ainda bem que existe atrizes como Michelle Gomez e Miranda Otto, que salvam a série com uma veia dramática e uma atuação mais convincente, mesmo que a série seja sobre adolescentes que mentem.

Topo