Lost in Space 2020 (Segunda Temporada). - NoSet
Review

Lost in Space 2020 (Segunda Temporada).

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de uma franquia de sucesso desde os anos 60 vem encantando todos os fãs de Scy Fy do planeta. Hoje vamos falar da segunda temporada de Perdidos no Espaço da Netflix.

Perdidos no Espaço (Segunda Temporada): Lost in Space é uma série de TV americana de ficção científica, um reboot da série homônima de 1965, seguindo as aventuras de uma família de colonos espaciais pioneiros, cuja nave espacial se desenrola fora do curso. Escrito por Matt Sazama e Burk Sharpless, a série é produzida pela Legendary Television, Synthesis Entertainment e Applebox, com Zack Estrin servindo como showrunner. No elenco Toby Stephens como John Robinson, Molly Parker como Maureen Robinson, Ignacio Serricchio como Don West, Taylor Russell como Judy Robinson, Mina Sundwall como Penny Robinson, e Parker Posey como a Dra. Smith ou June Harris.

Sinopse: Após um evento de impacto que ameaça a sobrevivência da humanidade, a família Robinson é selecionada para a 24ª missão do Resolute, uma nave espacial interestelar que transporta famílias selecionadas para colonizar o sistema estelar Alpha Centauri. Antes de chegarem ao seu destino, um robô alienígena rompe o casco do Resolute. Forçados a evacuar a nave-mãe, embarcam nas naves de curto alcance Jupiters, onde dezenas de colonos, entre eles os Robinsons, colidem com um planeta habitável próximo. Onde devem enfrentar um ambiente estranho e combater seus próprios demônios pessoais enquanto procuram um caminho de volta ao Resolute.

Crítica: Perdidos no Espaço é uma dos melhores reboots para TV de todos os tempos que chega agora em sua segunda temporada. O equilíbrio entre a série original e a nova é impressionante, respeitando o conteúdo de ficção e terror do roteiro, com a atualização já esperada dos efeitos especiais, um elenco de primeira e aprofundando cada personagem, onde a humanidade e a imperfeição fazem parte da história de cada um, tanto da família quanto seus agregados. Tudo parece alinhado e preocupado em dar certo, para contar uma boa história com começo, meio e fim a cada capitulo, além de envolver o espectador na trama principal, que é levar os Robinsons para sua nova casa.

Não vou voltar a falar de todo o elenco, porque já o fiz na crítica a primeira temporada, mas gostei muito de algumas decisões da produção, até ousadas nas características dos personagens. Assim como a versão feminina do Dr Smith tinha me agradado bastante, papel de Parker Posey, que leva seu personagem por caminhos diferentes de interpretação do clássico ator Jonatham Harris, a aproximação desta Smith com a personagem de Mina Sundwall (Penny Robinson) ao invés de Maxwell Jenkins (Will Robinson), trouxe novas opções de diálogos e situações bem inusitadas, o que se seguisse a original série, poderia ser uma repetição do mesmo. Tudo bem que eu sempre aguardo a Dra. Smith gritar por Will, mas isso é um saudosismo de quem vos escreve. Para Will, coube a atriz Molly Parker (Maureen Robinson) fazer seu contra ponto, como uma mãe zelosa e preocupada, mesmo que seu filho mais novo seja um gênio e uma mentalidade madura e aventureira demais para sua pouca idade, de dar o espaço que ele precisa para salvar a família com seu robô.

As explicações científicas são bem apontadas, ou em algumas vezes, apenas colocadas como “É um planeta alienígena, apenas aceite que isso é assim”, o que faz com que a história prossiga sem uma perda de tempo desnecessária. Uma das cenas que mais gostei foi uma “homenagem” a Star Wars que se você é fã, vai pegar de primeira. Perdidos no Espaço é um daqueles acertos da Netflix que dá para aplaudir de pé, e que vale a pena curtir cada momento.

 

Topo