Irregulars – Os Irregulares de Baker Street: Primeira Temporada (2021)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais uma adaptação dos contos de Sherlock Holmes para uma série no streaming da Netflix. Os Irregulares (algo como Desajustados) de Baker Street são personagens fictícios que aparecem em três histórias de Sherlock Holmes, especificamente dois romances e um conto, de Arthur Conan Doyle. Eles são meninos de rua empregados por Holmes como agentes de inteligência. O nome foi posteriormente adotado por outras organizações, principalmente uma prestigiosa e exclusiva sociedade literária fundada nos Estados Unidos por Christopher Morley em 1934.

O grupo de meninos de rua é liderado por um menino chamado Wiggins. Eles mandam e trazem recados e rastreiam informações para Holmes. Segundo Holmes, eles são capazes de “ir a qualquer lugar e ouvir tudo”. Holmes também diz que eles “são tão afiados quanto agulhas; tudo o que desejam é organização”. Em The Sign of the Four, que ocorre em 1888, é mostrado que Holmes paga a cada um deles um xelim por dia (equivalente a £ 6 em 2019), e Holmes oferece um guinéu como prêmio (equivalente a £ 118 em 2019) como uma recompensa para quem localizar uma lancha a vapor que deseja.

O grupo aparece na primeira história de Sherlock Holmes, o romance A Study in Scarlet (1887), que se passa em 1881. Quando Watson conhece o grupo, ele os descreve como “meia dúzia dos mais sujos e mais maltrapilhos que já bati os olhos “. Holmes os apresenta como “a divisão Baker Street da força policial de detetives”. O grupo entra na Baker Street 221B juntos, mas como eles incomodaram a senhoria de Holmes (que não tem nome nesta história, mas mais tarde se chama Sra. Hudson), Holmes diz a eles que, no futuro, apenas seu líder Wiggins deve se reportar a ele. Ele paga a cada um deles um xelim para rastrear um certo cocheiro. Eles encontram o taxista, Jefferson Hope, com sucesso. Wiggins o leva ao 221B Baker Street, onde o cocheiro é apreendido por Holmes.

Um dos integrantes do grupo aparece no conto ” The Adventure of the Crooked Man ” (1893). Embora não seja um dos Irregulares da Baker Street, um personagem semelhante chamado Cartwright aparece em The Hound of the Baskervilles (1902). Cartwright, que trabalha em um escritório de mensageiro distrital, secretamente traz recados para Holmes e o mantém informado.

De acordo com Daniel Smith em seu livro The Sherlock Holmes Companion, Holmes era hábil em desenvolver uma rede de agentes que poderiam ajudá-lo em qualquer situação, e essa rede incluía várias figuras “estranhas”, como Baker Street Irregulars e Cartwright, Billy, e o ex-criminoso Shinwell Johnson. Smith escreveu que isso mostra que Holmes “percebeu o valor de assistentes confiáveis ​​e foi humilde o suficiente para procurá-los em lugares onde outras pessoas de sua posição jamais teriam se dignado a pisar”.

Adaptações em Live Actions: Uma série de televisão da BBC estrelada pelos Irregulars, intitulada The Baker Street Boys, foi ao ar em 1983. Os Baker Street Irregulars aparecem no filme de 1988, Without a Clue, e trabalham para o Dr. Watson (Ben Kingsley). Há uma piada no filme em que eles pegam os relógios de bolso de todos que encontram. A série animada de ficção científica Sherlock Holmes no século 22 (1999-2001) apresenta um trio de crianças que ajudam Holmes como os novos Baker Street Irregulars e são até mesmo liderados por um menino chamado Wiggins.

Um filme para a televisão da BBC com o grupo, intitulado Sherlock Holmes and the Baker Street Irregulars , foi ao ar em 2007. A série moderna Sherlock re-imagina os Irregulars como uma “Homeless Network” criada para os destituídos de Londres, em vez de especificamente para meninos sem-teto. No entanto, eles citam especificamente o nome de um dos futuros informantes de Sherlock, Billy (que tenta usar o apelido de ‘The Wig’).

Na adaptação moderna Elementary (ambientada em Nova York), os “Irregulares” são uma variedade de adultos experientes em certos campos aos quais Holmes pede insight quando seu próprio conhecimento de um assunto se mostra inadequado para o caso atual. A Netflix anunciou em 2018 que estava produzindo The Irregulars, em que Sherlock Holmes é retratado como um viciado em drogas que leva o crédito por casos resolvidos por um grupo de crianças.

Assista séries e filmes assinando a Netflix.

Crítica: Uma das mais mornas e sem graça adaptação do personagem e detetive mais famoso dos livros, Os Irregulares de Baker Street não empolga, não emociona e nem traz novidades relevantes para as adaptações Live Action de Holmes e seu universo. Eu que já assisti e adorei as criativas versões em live action do celebreperosnagens, como na franquia de Sherlock Holmes (Robert Downey Jr.), O Enigma da Pirâmide (1985), a série Sherlock Holmes (Benedict Cumberbatch) e Elementary (Lucy Liu), entrei nessa nova proposta apostando a mesma boa impressão que tive em outra ótima adaptação da própria Netflix, Enola Holmes com a ótima Mille Bobby Brown, mas me arrependi demais.

Como falei, a fórmula usada nesta nova adaptação lembra muito Enola Holmes, principalmente na relação entre os personagens centrais, o príncipe Leopoldo (Osterfield) e Bea (Graham), e o fato que mesmo que tudo de errado para eles, sempre há um ponto que salva a trupe de todos os problemas, um tipo de imunidade que torna os desafios menos crédulos ou inteligente de resolver, fato em que em Enola a quebra da quarta parede e sua inteligência tornava esses problemas mais fáceis de se resolver, aqui não.

Só que na minha opinião, os principais problemas no desenvolvimento da série estão nos personagens históricos de Arthur Conan Doyle, Royce Pierreson (Thor e The Witcher) apresenta um Watson longe do metódico e carismático personagem, extremamente ciumento e apaixonado por Holmes, em certos momentos cruel e vingativo com as crianças e longe do que conhecemos. Uma pena que quando finalmente temos um ator negro para o clássico personagem inglês, sua adaptação seja um monstro com estereótipos tão cruéis. Lucy Liu já tinha feito uma mulher e asiática para Watson e conseguiu um trabalho de respeito, o mesmo não foi feito aqui com Pierrson.  Já Henry Lloyd-Hughes apresenta um Holmes viciado, um homem desprezível, sem respeito próprio, longe dos seus melhores dias mentais e sem nenhuma responsabilidade por seus atos e sua família. Holmes é o principal culpado por tudo que acontece e de longe, uma das piores adaptações que já vi do personagem de Arthur Conan Doyle.

Tudo isso apaga completamente a ótima atuação da ótima Thaddea Graham (Bea), que parece ser a única a se preocupar em ter uma boa atuação e dar vida a série. O resto do elenco, assim como sua meia irmã Jessi (Darcy Shaw), são personagens que mudam de opinião a cada curva do roteiro e deixam a desejar muito, para que a história tenha um fim adequado.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.thor/

Marcelo Moura

Marcelo Moura

http://www.noset.com.br

Moura gosta de Cinema, Tv, Livros, Games, Shows e HQ´s, do moderno ao Cult. Se diverte com o Trash, Clássico e Capitalista. e um pouco de tudo isso você vai encontrar aqui. Muitos dizem que quem escreve é a sua esposa ou mesmo seus três filhos. É ler para crer....