I Dream of Jeannie: Jeannie é um Gênio - NoSet
Review

I Dream of Jeannie: Jeannie é um Gênio

Salve Nosetmaníaco, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais uma série clássica da TV. 

2

Jeannie é um Gênio (1965 – 1970):

Criador Sidney Sheldon, produtores Sidney Sheldon (1965–1967) e Claudio Guzman (1967–1970), produtor executivo Sidney Sheldon (1967–1970), distribuída pela Sony Pictures Television. Elenco Barbara Eden, Larry Hagman, Bill Daily e Hayden Rorke, tema de abertura “Jeannie”, composto por Richard Wess (Temporada 1), Hugo Montenegro (Temporada 2 – 5), Buddy Kaye e Hugo Montenegro. Emissora de televisão original americana NBC, no Brasil TV Paulista, Rede Excelsior, Rede Record, Rede Globo, Rede Bandeirantes, Rede Tupi, Warner Channel, Rede CNT, Rede TV!, TV Assembleia, Rede 21, TV Brasil, TV Litoral, TV Nova, Rede Brasil e SBT. Primeira temporada foi passada em Preto & Branco e Colorido a partir da segunda a quinta Temporada. A série teve 5 temporadas e 139 episódios, além de dois filmes para TV.

Sinopse: O então Capitão Anthony Nelson, piloto da Força Aérea Americana e depois astronauta da NASA, cai acidentalmente numa ilha, onde encontra uma misteriosa garrafa. Ao abri-la, descobre que a mesma era a morada de uma bela moça chamada Jeannie, que é um gênio das histórias das Mil e Uma Noites, com incríveis poderes e que o chama de “amo”. O piloto a liberta, mas a moça se apaixona por ele e o acompanha até sua casa nos Estados Unidos, onde passa a tumultuar a vida do pobre homem e do Dr. Bellows, médico e psiquiatra que acompanha Nelson e tenta descobrir a causa das coisas estranhas que passam a acontecer quando ele está por perto, mas sempre é convencido de que o louco é ele e não o piloto. O melhor amigo de Nelson, o atrapalhado e metido a Don Juan Roger Healey, acaba por descobrir o segredo da garrafa ao tentar namorar Jeannie quando a conhece na forma de uma moça comum. Embora tente sempre aproveitar os poderes do gênio e até conquistar suas atenções amorosas, Healey se mantém fiel a Nelson durante a série e guarda o segredo do amigo e até tenta ajudá-lo a sair das enrascadas em que Jeannie o envolve, o que quase nunca consegue. Quando Nelson não se vê envolvido nas confusões de Jeannie, sofre com todo o tipo de invasão de parentes, amigos e até animais de estimação de Jeannie (um cão invisível que odeia uniformes), todos com poderes mágicos. O depois Major Nelson acaba se rendendo aos encantos de Jeannie e se casa com ela, fato geralmente apontado como o que levou ao fim da série

Curiosidades: A personagem Jeannie teve que se adaptar aos padrões morais dos americanos, escondendo seu umbigo em alguns episódios. O ator Larry Hagman, que teve um fígado transplantado, disse ao entrevistador Larry King que sempre fazia as cenas do seriado após ter ingerido algumas doses de álcool, pois acreditava que a bebida o deixava mais “alegrinho”. Durante a série, Barbara Eden era casada na vida real com o ator Michael Ansara, que participou de alguns episódios: ele foi um gênio azul furioso que perseguia o Major Nelson e também um militar conquistador que provocou ciúmes no Major. Sidney Sheldon escolheu pessoalmente Barbara Eden para interpretar Jeannie. Nas filmagens de Como Se Não Bastasse, no qual Tony prende a Jeannie em um frasco de perfume, para filmar a cena o diretor colocou Barbara Eden dentro de um vidro gigante e depois convidou todos para o almoço, deixando-a presa e abandonada, enquanto se escondiam para fingir que tinham partido. Os gritos de Jeannie são, na verdade, a gravação dos apelos de Eden para ser salva! Barbara Eden foi a primeira loira a fazer um teste para o papel, já que até então só haviam aparecido candidatas morenas. Barbara Eden estava grávida durante a primeira temporada, o que era disfarçado com closes ou um véu enorme cobrindo a frente do seu corpo.A série foi exibida primeiramente em 1966, pela TV Paulista, na época braço da Rede Globo em São Paulo e, ao contrário do que ocorreu nos Estados Unidos, foi um grande sucesso (primeira temporada). Em 1968, a série foi adquirida pela Rede Excelsior, que tratou de providenciar a segunda temporada. Larry Hagman foi entrevistado em sua vinda ao Brasil e se assustou com a sofisticada produção da novela A Muralha. Com a falência da Excelsior, a série foi para a Rede Record, onde também foram exibidas a terceira, quarta e quinta temporadas inéditas. A série foi reprisada em várias emissoras, como a Band, Rede Tupi e a própria Rede Record. Com a chegada da TV em cores, os episódios da primeira temporada (que haviam sido gravados em preto e branco nos Estados Unidos), foram retirados do ar. Em 1996, a série retorna na TV por assinatura, pelo canal Warner Channel; a surpresa é a dublagem original preservada. Episódios da primeira temporada em preto e branco também aparecem, alterando a exibição com os coloridos das outras temporadas. Poucos episódios foram exibidos legendados, devido a danificação da dublagem original destes episódios. Ficou no ar até 1998. A série retorna em 1999, na inauguração da RedeTV!, em pleno horário nobre, e com audiência que surpreende os diretores da emissora. Com isso, em 2001, a rede anuncia uma surpresa: a primeira temporada voltava ao ar, agora colorida por computador e com a dublagem original. Saiu do ar em 2002, retornando em 2004 pela Rede 21, com exibições que variaram entre diárias e apenas duas vezes por semana. A série também é exibida pela TV Assembleia (Piauí), canal público da Assembleia Legislativa do Piauí.

3

Barbara Eden, nascida Barbara Jean Moorhead, (Tucson, 23 de agosto de 1931) é uma atriz e cantora norte-americana. Também ficou conhecida como Barbara Huffman, após sua mãe ter se casado novamente. Barbara fez muito sucesso encarnando a personagem-título do sitcom Jeannie é um Gênio. Barbara cresceu na América abalada pela Grande Depressão da década de 1930. Sua família foi bastante abalada pela crise econômica, mas isso não a impediu de levar uma infância feliz. Nem a crise nem um problema ocular que a obrigava a usar óculos de fundo-de-garrafa e um tampão no olho, fato que lhe acarretava a gozação dos colegas. Sua carreira artística começou na adolescência, sob o incentivo da mãe. Ela desenvolveu o canto participando do coral da igreja local e fez um curso de teatro, que pagou com quatro horas de trabalho diário em um banco. Começou a cantar em night clubs, usando o nome Barbara Huffman, e aos dezessete anos se elegeu Miss San Francisco, em 1951. A seguir, ela se mudou com sua mãe e sua irmã mais nova para San Marino, perto de Los Angeles. Procurou um produtor da Warner Brothers e ouviu dele que não servia para Hollywood. Mas Barbara não se deixou abater, conseguiu um agente e mudou seu nome para Barbara Eden. Ao estrelar sua primeira peça de teatro, The Voice of the Turtle, um produtor da 20th Century Fox a descobriu e assinou com ela um contrato de sete anos. Começou no cinema fazendo uma ponta no filme Em Busca de Um Homem, de 1957, estrelado por Tony Randall e Jane Mansfield. Fez também participações em séries de televisão famosas como Perry Mason e Bachelor Father. Depois, em 1958, estrelou a série How to Marry a Millionaire, baseada no filme de mesmo nome. Barbara interpretou Loco Jones, papel que havia sido feito por Marilyn Monroe no cinema. Nessa época, conheceu aquele que se tornaria seu primeiro marido, o ator Michael Ansara, doze anos mais velho que ela e astro da série de televisão Broken Arrow. Eles se casaram em 17 de janeiro de 1958 e foram morar num rancho em Sherman Oaks, na Califórnia. Com ele Barbara teve seu único filho, Mathew, que nasceu em 29 de agosto de 1965. Devido a dificuldades financeiras geradas pelo fracasso do filme Cleópatra, superprodução estrelada por Elizabeth Taylor, a 20th Century Fox demitiu vários atores, dentre eles Barbara, que precisou voltar à televisão, atuando então em séries como The Andy Griffith Show e Rawhide, essa estrelada por Clint Eastwood.

5-copia

Barbara Eden como Jeannie: O estrelato chegou em 1964, a Columbia Pictures convidou Barbara para um seriado de TV escrito por Sidney Sheldon, sobre uma gênia e um astronauta. Conforme a sinopse de Sheldon, o capítão (e depois major) da NASA Anthony Nelson cai em uma ilha do Oceano Pacífico enquanto testa um novo foguete. Lá, enquanto aguarda o resgate, ele descobre uma estranha garrafa de aspecto oriental. Ao abri-la, liberta uma linda gênia de dois mil anos de idade, que passa a chamá-lo de amo (master no original) e se oferece para servi-lo conforme a tradição dos gênios. Nelson a libera de seu compromisso, mas ela consegue colocar a garrafa do capitão entre seus pertences e o acompanha até sua casa, em Cocoa Beach, onde o deixa louco com suas magias e trapalhadas. “Sidney Sheldon me telefonou e suas primeiras palavras foram ‘Eu sei que você é a minha gênia’. Foi o trabalho que consegui mais facilmente”. Entretanto, Barbara descobriu que estava grávida e quase desistiu do papel. Sheldon convenceu a rede NBC a contratá-la assim mesmo e um figurino foi improvisado para esconder sua barriga, inclusive o umbigo, fato que causou alvoroço na mídia. Jeannie é um Gênio estreou em 18 de setembro de 1965 e era vista por mais de vinte milhões de telespectadores nos Estados Unidos toda semana. Apesar da química entre os dois protagonistas, era Barbara o segredo do sucesso do seriado, lembrado até hoje como um dos grandes mitos da televisão mundial. O seriado acabou na quinta temporada, quando Jeannie e Tony Nelson casaram, acabando com a tensão sexual que havia entre eles e que era a tônica das histórias. Existem muitas semelhanças entre Jeannie e outro seriado famoso na época, A Feiticeira: a abertura feita em desenho animado; a música da abertura de Jeannie também virou clássico; o personagem que vê todas as loucuras mágicas e passa por louco (Dr. Bellows, por Hayden Rorke); a prima ou irmã má—a própria protagonista com uma peruca de cabelos pretos. Ambos tratavam também das dificuldades de adaptação entre mundos diferentes e pessoas diferentes, mas cada um a seu modo: enquanto Samantha se amoldava ao mundo mortal de James, Jeannie deixava Tony Nelson doido ao resolver tudo à sua maneira mágica. Embora tenha desenvolvido uma vasta carreira na televisão, no teatro e no cinema, Barbara nunca mais obteve um papel tão expressivo como Jeannie. Entretanto, consolidou sua carreira como cantora, apresentando-se no começo da década de 1970, em Las Vegas, com muito sucesso. Além disso, em 1971, Barbara voltou a atuar com Larry Hagman, no filme A Howling In The Woods. Em 1981, ela estrelou o filme Harpey Valley PTA, que fez um sucesso estrondoso. Barbara também estrelou a série de duas temporadas baseada no filme. Apesar do grande sucesso da primeira temporada, após a saída do produtor na segunda, o seriado começou a declinar e foi cancelado. Em 1974, Barbara quase conseguiu seu próprio programa, The Barbara Eden Show, no qual ela viveria uma designer de brinquedos, porém os produtores não aprovaram o projeto. Ao mesmo tempo, porém, ela sofreu vários reveses. Perdeu um bebê, seu segundo filho, aos sete meses de gestação e seu casamento com Michael Ansara chegou ao fim. Casou-se novamente com o repórter Charles Fergert, mas o casamento durou apenas alguns anos. Além disso, seu filho Mathew quis morar com o pai, o que Barbara teve que aceitar a contragosto. Quando voltou a morar na Califórnia, após a separação do segundo marido, Barbara levou um choque ao descobrir que seu filho Matthew estava viciado em drogas. Mas ela não se deixou abater e lutou para ajudá-lo a abandonar o vício, inclusive frequentando reuniões de pais de dependentes químicos. Na mesma época, a mãe de Barbara, com quem ela tinha uma relação muito próxima, faleceu devido a câncer de pulmão. Após esse fato, ela passou a colaborar com campanhas de prevenção ao câncer. Atualmente ela também participa de várias entidades beneficentes, como Make-A-Wish Foundation, March of Dimes, The American Cancer Society, The American Heart Association, entre outras. Em 1989, ela conheceu o executivo Jon Eicholtz. Apesar de toda a fama de Barbara, ele não tinha a menor ideia de quem ela era. Mas, após assistir a um episódio de ‘Jeannie’, Jon teve certeza de que queria conhecê-la. Em 5 de janeiro de 1991, após dois anos de namoro, eles se casaram na cidade de São Francisco. Com ele, Barbara pôde passar a viver a vida doméstica estável que ela sempre amou e não teve com seus primeiros maridos. O casal vive atualmente em Beverly Hills e gosta de viajar e conhecer outras culturas. Na década de 1980, Barbara participou de telefilmes comemorativos do seriado Jeannie é um Gênio e novamente contracenou com Larry Hagman, no famoso seriado Dallas, desta vez porém era sua inimiga, no papel de LeeAnn de La Vega. Em 1999, esteve no Donny and Marie Show, numa reunião com seus colegas de Jeannie é Um Gênio, Larry Hagman e Bill Daily, e com o criador da série, Sidney Sheldon.

10

Jeannie é um Gênio (Animação – 1973):

Criadores William Hanna e Joseph Barbera, diretor Charles Nichols, produtores Iwao Takamoto, William Hanna, Joseph Barbera e Art Scott, emissora de televisão original americana CBS, transmissão original em 9 de setembro de 1973, com 1 temporada e 16 episódios, além de um crosso over com Scooby Doo e sua turma.

Sinopse: Versão em animação da série de TV que fazia bastante sucesso na época, quase um spin-off de Jeannie é um Gênio. Na história, Jeannie é uma gênia muito bonita que faz de tudo para agradar seu amo, porém é bem atrapalhada e muito geniosa, o que acaba gerando muita confusão. Aqui Corry Anders é o amo da Jeannie, Henry Gloop o amigo de Corry, que sabe a respeito da existência de Jeannie e Babu, Sra. Anders como a mãe de Corry e Babu, um aprendiz de gênio, que é atrapalhado e gorducho. Ele reapareceu em Os Ho-ho-límpicos (1977).

Curiosidades: Os atores originais não voltaram para a série, principalmente Barbara Eden, Os dubladores da adaptações foram Julie McWhirter-Dees, Mark Hamill (o Luke Skywalker da saga de Guerra nas Estrelas), Bob Hastings, Janet Waldo e Joe Besser (um dos Três Patetas).

9

Um sonho de Jeannie – Quinze anos depois (1985):

Baseado nos personagens criados por Sidney Sheldon, escrito por Irma Kalish, história de Dinah & Julie Kirgo e Irma Kalish, dirigido por William Asher, estrelando Barbara Eden, Wayne Rogers,

Bill Daily, Hayden Rorke, Mackenzie Astin, Andre De Shields e Dody Goodman. I Dream of Jeannie – Quinze anos depois é uma comédia americana feito para a TV produzida pela Columbia Pictures Television, que estreou na NBC em 20 de outubro de 1985. É o primeiro de dois filmes reunião como base de 1965 -1970, a comédia I Dream of Jeannie. Barbara Eden reprisa seu papel mundialmente famoso como Jeannie. Também reprisando seus papéis originais na série Bill Diary e Hayden Rorke; O papel de Tony Nelson foi interpretado por Wayne Rogers, mais conhecido por seu papel como Trapper John McIntyre na série 1970 M * A * S * H. Larry Hagman não estava disponível para reprisar seu papel como Tony Nelson supostamente porque ele estava muito ocupado filmando na CBS a série Dallas no momento.

Sinopse: Jeannie é uma dona de casa feliz, casada por 15 anos com seu marido e astronauta Tony Nelson e tem um filho adolescente que se chama TJ. Quando Tony é promovido a Coronel e está prestes a se aposentar do programa espacial da NASA, Jeannie decide dar-lhe uma festa de celebração em seu quintal. No entanto, encorajado por seus colegas para se aposentar com um toque dramático, Tony quebra sua promessa com Jeannie e faz mais um um vôo espacial. Jeannie fica furiosa, então decide separar-se temporariamente de seu marido para ser uma mulher moderna mais independente. Entretanto a irmã maligna de Jeannie está determinada a ter Tony para si própria e se junta a Haji, um gênio, para acabar com o casamento de sua irmã.

14

I Still Dream of Jeannie (1991):

Baseado nos personagens criados por Sidney Sheldon, escrito por April Kelly, dirigido por Joseph Scanlan, estrelando Barbara Eden, Christopher Bolton, Bill Daily, Al Waxman, Peter Breck e Ken Kercheval. Produção Columbia Imagens Televisão, distribuição Sony Pictures Television e rede original NBC. Barbara Eden e Bill Daily são os dois únicos membros do elenco regulares da série original para reprisar seus papéis neste filme. Mais uma vez, Larry Hagman não estava disponível para reprisar seu papel de Tony Nelson, quando ele tinha acabado de completar um 14½ temporada de corrida em Dallas e foi tirar umas férias com sua família. Embora o personagem Tony Nelson seja mencionado ao longo do filme, e brevemente aparece na seqüência de abertura animada, ele permanece invisível para o resto do filme. Ironicamente, um das co-estrelas de Dallas, Ken Kercheval , aparece no filme. A ironia é ainda mais enfatizada pelo fato de que Hagman e Kercheval eram inimigos em Dallas e o personagem que Kercheval desempenha na I Still Dream of Jeannie é aquele que seria de Hagman se ele interpretasse Tony Nelson novamente para este filme.

Sinopse: O coronel Tony Nelson está em uma missão espacial secreta para a NASA e Jeannie não sabe onde ele está ou quando voltará para casa para ouvir o discurso de apresentação acadêmica de seu filho Tony Jr. Quando Jeannie vai à NASA para questionar o general Wescott sobre a missão do marido, ele se recusa a cooperar. Para piorar as coisas, sua irmã gêmea ciumenta e perniciosa lembra Sham-Ir que Jeannie não pode permanecer no plano real por mais de três meses sem um mestre terreno e Tony está fora por muito tempo. Sham-Ir dá Jeannie duas semanas para encontrar seu marido ou um novo mestre, ou então ela deve retornar para a Mesopotâmia para sempre. Então Jeannie começa sua busca desesperada por um mestre temporário que a leva a um bar de solteiros e outras desventuras.

16

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo