Hércules e Xena: A Batalha Pelo Monte Olimpo (Animação 1998) - NoSet
Review

Hércules e Xena: A Batalha Pelo Monte Olimpo (Animação 1998)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de uma animação baseada nas séries clássicas Hércules e Xena, que marca o reencontro dos mitos da TV.

Hercules and Xena: The Battle for Mount Olympus (1998)

Direção Lynne Naylor, roteiro John Loy, elenco Lucy Lawless, Renee O’Connor, Kevin Sorbo e Michael Hurst, Companhia de produção Renaissance Pictures e Universal Cartoon Studios.  Hércules e Xena: A Batalha Pelo Monte Olimpo é uma animação e 1998 baseado nas séries de televisão Xena: Warrior Princess e Hercules: The Legendary Journeys.

Sinopse: Zeus leva a mãe de Hercules, Alcmena, para o Monte Olimpo, e esse, achando que ela foi sequestrada começa uma busca para salvá-la. Furiosa, a esposa de Zeus, Hera, decide que já é hora dela controlar o universo e rouba a Pedra de Cronos, a fonte do poder dele, e a usa para libertar quatro titãs de sua prisão. Para evitar a destruição do Olimpo, Xena e Gabrielle decidem enfrentar os titãs e acabam ajudando Hercules a desvendar o sumiço de Alcmena

Crítica: Para delírio dos fãs, novamente temos um cross over de Xena  e Hércules, agora em animação, com o quase todo o elenco original dublando seus personagens como Lucy Lawless – Xena, Renee O’Connor – Gabrielle, Kevin Sorbo – Hercules, Michael Hurst – Iolaus, Kevin Smith – Ares, Alexandra Tydings – Afrodite, Josephine Davison – Alcmena, Joy Watson – Hera, Peter Rowley – Zeus, David Mackie – Porphyrion, Alison Wall – Tétis/Mnemosine e Ted Raimi – Crius, em uma nova aventura de deuses, semi deuses e titãs..

Longe da qualidade da animação e musical da Disney Hércules (1997) e da seriedade e violência do filme do Dwayne “The Rock” Johnson e seu Hércules (2014), Hércules e Xena: A Batalha Pelo Monte Olimpo é uma modesta animação e produção conjunta entre os EUA e a Korean Universal Cartoon Studios que visa atender os fãs dos clássicos seriados neozelandeses. Lynne Naylor, que tem no seu currículo trabalhos na Filmation , Hanna-Barbera , Marvel , Spumco e Warner Bros., foi contratada para dirigir a produção e o roteiro foi escrito por John P. Loy, que escreveu vários trabalhos como The Book of Virtues, da Porchlight Entertainment e o Pinky e o Cérebro da warner Bros.

Originalmente previsto para lançamento em meados de outubro, a animação foi adiada para janeiro. “Queremos que o produto acabado seja da melhor qualidade”, disse Louis Feola, presidente da Universal Home Video. “Como costuma acontecer com uma animação desse porte, era necessário mais tempo para concluir o projeto”. Enquanto a produção continuava, uma turnê de Hércules e Xena foi agendada nos EUA, apresentando uma exposição itinerante de recordações dos shows de ação ao vivo, pré-visualizações do próximo jogo da Nintendo 64 e uma visão geral da produção da animação

O projeto apresenta três músicas, “Across the Sea of ​​Time”, “Titan’s Song” e “Xena’s Song”, escritas por Michele Brourman e Amanda McBroom . Tom McGrath atuou como animador principal do projeto, enquanto Chris Mitchell co-dirigiu a animação na Koko Enterprises na Coréia do Sul. A animação filme foi lançado nos Estados Unidos em VHS em 5 de janeiro de 1998 por US $ 19,98 e em DVD em 28 de fevereiro de 1998. Este não foi incluído em nenhum conjunto de caixas de DVD ou outra mídia doméstica relacionada a ambas as séries. O lançamento original do VHS apresentava um trailer do filme Young Hercules.

Resumo da ópera, Hércules e Xena: A Batalha Pelo Monte Olimpo é um bom produto para fãs dos míticos heróis,tem um roteiro interessante e boas idéias sobre os poderes usados entre deuses, semi deuses e titãs, muitos pelo qual seriam mais difíceis e caros se feitos no costumeiro Live Action. A produção tenta nos transmitir um evento épico, com uma linguagem moderna dos nossos semi deuses preferidos, mas infelizmente a escolha na textura da animação deixou muito a desejar,  algo relativo aos anos 60 a 80 do mundo da animação que era ditada pela Hanna Barbera, e não algo mais moderno e ousado, como no já citado na animação do Hércules da Disney, fez que com que a obra ficasse datada e esquecida.

Curiosidades: Após o lançamento, a animação recebeu uma recepção mista dos críticos. Peter Cook, escrevendo para o SF Gate, disse: “Embora imerso no mito grego do estilo pop, o vídeo tem uma atitude dos anos 90. Afrodite monta o que parece ser uma prancha de snowboard e ata seu discurso com frases chiques de Valley-Girl. ”

Randy-Meyers-Knight-Ridder, do The Spokesman, fez outra crítica positiva, dizendo: “Todo o caos e desordem de Zeus é executado com um toque leve e calculado. Embora não possa ser comparado às duas séries,a animação da Universal é um pouco divertida para jovens fãs e é certamente melhor do que o pesado e berrante filme de ” Hércules ” que a Disney tentou passar para as crianças no verão passado. ”

Marc Bernardin, escrevendo para a EW, deu ao filme uma classificação D em uma escala de AF. Referindo-se à animação como limitada, ele escreveu: “É tudo lendário, mas por que uma animação deve voltar ao estilo Hanna-Barbera nos anos 80? Até a sua maior força – o trabalho de voz assegurada de Kevin Sorbo e Lucy Lawless, reprisando seus papéis na TV – apenas nos lembra o que não é um desenho animado tão vívido quanto a série de Live Action.. ”

Apesar de apresentar os mesmos personagens principais e o elenco (na maioria) do mesmo elenco, esse filme geralmente não é considerado canônico para Hércules, as jornadas lendárias e Xena: a princesa guerreira . Alguns elementos, no entanto, mais tarde entraram na série live-action, incluindo:

A pedra de Kronos, mencionada nas produções anteriores como simplesmente um dispositivo de viagem no tempo, é confirmada em ” O Prêmio ” e depois em ” Amor, Estilo Amazônia “, para dar aos deuses “poder maior que Zeus”. Isso corresponde à capacidade da pedra, como visto neste filme.

A aparição de Zeus no filme é baseada no retrato de Anthony Quinn nos filmes do Universal Action Pack .

Embora não seja identificado como tal, um personagem tem uma forte semelhança com Salmoneus e faz uma breve aparição.

Xena faz referência aos eventos de ” The Reckoning “.

Surpreendentemente, Hera aparece em sua forma humana. Quando a animação foi produzido, Hera ainda não tinha aparecido em live action na série. Ela, no entanto, apareceu finalmente após  alguns meses após o lançamento do filme.

A história é inspirada na Gigantomachy , uma guerra que os olímpicos travaram com uma raça de seres chamados Gigantes , ou gigantes, que Gaia criou para se vingar dos olímpicos por matar os Titãs . Porphyrion era o líder dos gigantes, que só podiam ser mortos por deuses e semideuses trabalhando juntos – Heracles , sem surpresa, foi selecionado como o principal campeão dos deuses.

A história original apresentava muito mais do que apenas cinco atletas olímpicos, com Athena e Hermes desempenhando papéis importantes – o Fates até participou, derrotando alguns dos gigantes com tacos de bronze. Ao contrário do que é visto na animação,  Hera não estava do lado dos gigantes, mas na verdade era o comandante de campo dos olímpicos, pois os raios de Zeus eram necessários como artilharia pesada.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Topo