Falcão e o Soldado Invernal (2021): Primeiras Impressões

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais uma série de tv, sem tanta “Hipe” quando Wandavision, mas que ainda assim promete entregar como será o futuro da Marvel sem o seu principal garoto propaganda O Capitão Marvel de Chris Evans.

The Falcon and the Winter Soldier (Falcão e o Soldado Invernal) é uma minissérie americana criada para o Disney+ por Malcolm Spellman, baseada nos personagens da Marvel Comics Sam Wilson/Falcão e Bucky Barnes/Soldado Invernal. A série é ambientada no Universo Cinematográfico Marvel (UCM), compartilhando continuidade com os filmes da franquia. Os eventos da série acontecem após o filme Vingadores: Ultimato (2019). A série é produzida pela Marvel Studios, com Spellman atuando como roteirista principal e Kari Skogland dirigindo.

Anthony Mackie e Sebastian Stan reprisam seus papéis como Sam Wilson e Bucky Barnes, respectivamente, da série de filmes. Daniel Brühl, Emily VanCamp e Wyatt Russell também estrelam. Em setembro de 2018, a Marvel Studios estava desenvolvendo uma série de séries limitadas para o Disney+, centradas em personagens coadjuvantes dos filmes do UCM, com Spellman contratado para escrever uma sobre Falcão e Soldado Invernal em outubro. A série foi oficialmente confirmada em abril de 2019 junto com o envolvimento de Mackie e Stan. Skogland foi contratada no mês seguinte. As filmagens começaram em outubro de 2019 em Atlanta, Geórgia, antes de se mudar para a República Tcheca no início de março de 2020, antes que a produção fosse suspensa devido à pandemia de COVID-19. A produção foi retomada em Atlanta em setembro de 2020, com uma curta filmagem na República Tcheca retomada em outubro, e foi concluída no final do mês. A série está programado para estrear em 19 de março de 2021 e consistirá em seis episódios. A série fará parte da Fase Quatro do UCM.

Assista séries e filmes assinando Disney Plus!

Roteiro: A série se passa entre três a seis meses após Avengers: Endgame (2019), que mostra Steve Rogers passando o seu escudo e o manto do Capitão América para Sam. Feige disse que pretendia ser uma “passagem clássica da tocha de um herói para outro”, mas quando o Marvel Studios teve a oportunidade de fazer uma série de televisão para o Disney+, eles decidiram expandir isso para uma história inteira sobre Wilson, que é um homem negro, tornando-se o Capitão América. Anthony Mackie estava hesitante sobre a série, porque sentiu que não seria capaz de igualar a qualidade dos filmes do UCM, e ele não queria que um ator negro fosse o protagonista do primeiro fracasso da Marvel, mas foi conquistado pelo roteiro de Spellman.

Mackie disse que a série iria explorar a história de Wilson e tratá-lo como um “cara normal” em um mundo de super-heróis, enquanto “caminhava na linha de quem pegaria o escudo do Capitão América” após o Endgame. Ele sentiu que havia uma “marca de pessoa” específica que era esperada do Capitão América, e parte do questionamento de Wilson sobre o manto veio de saber, como um homem negro, que “você não pode ser a mesma pessoa em todas as salas em que entra, porque cada pessoa que você conhece espera uma pessoa diferente”. Spellman sentiu que a série era “uma boa progressão” dos temas de identidade racial que foram apresentados em Pantera Negra (2018), e estava esperançoso de que a série teria um impacto positivo na juventude negra como o filme do Pantera teve. Mackie disse que estava pegando o manto deixado pela estrela do Pantera Negra, Chadwick Boseman, que morreu em agosto de 2020. Sebastian Stan explicou que Bucky se sente protetor do legado de Steve Rogers e quer que Sam se torne o Capitão América, já que Steve o escolheu. A dúvida que Sam tem sobre assumir o manto torna-se um conflito para Bucky.

Derek Kolstad juntou-se à equipe de escritores da série em julho de 2019, e disse que estaria trazendo “uma piscadela e um aceno” para o estilo de construção de mundo e desenvolvimento de personagem de sua franquia de filmes John Wick. Feige disse que a série seria mais um reflexo do mundo real do que os projetos anteriores do UCM, com o compositor Henry Jackman dizendo que a série lida com “questões menos confortáveis ​​… pesadas”, como que tipo de pessoa deve segurar o escudo e “como os negros se sentiriam sendo o Capitão América”.

Skogland acrescentou que outras questões “difíceis de falar sobre” que a série explora incluem ideias de patriotismo e extremismo, fazendo as seguintes perguntas: “Quem é um americano e quem decide quais princípios o país defende? O que obriga que as pessoas tomem atitudes extremas em nome do que acreditam ser patriotismo? ” Skogland observou que o Capitão América sempre foi usado para explorar ideias políticas nos quadrinhos desde a primeira aparição do personagem em 1941, quando foi retratado socando Adolf Hitler. Stan disse que os telespectadores seriam capazes de comparar os eventos da série com a invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 2021, embora isso não tenha sido intencional, já que a série foi escrita antes desse evento. Spellman também viu paralelos entre o Blip—onde metade de toda a vida no universo desapareceu em Avengers: Infinity War (2018) e retornou durante Endgame—e a pandemia de COVID-19, com o cenário da série sendo descrito como “um mundo vivendo para a estabilidade, após uma catástrofe global”. Ele sentiu que um evento global como o Blip ou uma pandemia poderia unir ou dividir, e cada episódio da série é definido por este “puxa-empurra”.

Skogland acreditava a série se passar após o Blip foi crítico, pois é quando as complicações de todos voltando começam a superar o choque e as alegrias iniciais. A co-produtora executiva Zoie Nagelhout e Moore sentiram que o Blip ajudou Sam e Bucky a descobrirem suas identidades neste mundo novo e diferente. Spellman acrescentou que a identidade é um dos principais temas de Falcão e o Soldado Invernal, com a história forçando Sam, Bucky, Sharon Carter e Helmut Zemo a “repensar como eles se veem e confrontar como o mundo os vê”.

Henry Jackman descreveu a série como um drama psicológico, enquanto Anthony Mackie e Sebastian Stan disseram que era “parte épico de super-heróis cheio de ação, parte comédia constrangedora de amigos”. Stan comparou o tom da série ao filme do UCM mais realista e fundamentado, Capitão América 2 – O Soldado Invernal. Ele acrescentou que ter um tempo de execução mais longo do que um filme permitiu que a série explorasse a vida pessoal dos personagens-título e mostrasse como é um dia em cada uma de suas vidas, e disse que combinaria a relação existente dos personagens com a dinâmica fora da tela dos atores.

Spellman queria “ir para casa” com os personagens e deixar os atores mostrarem suas habilidades ao invés de simplesmente focar na ação da série e disse que o espírito e o conflito dos personagens-título eram o que permaneciam consistentes à medida que o projeto se desenvolvia de sua apresentação inicial à série final. Ele os comparou ao fogo e ao gelo, dizendo: “Sam reage espontaneamente do intestino, e Bucky é mais frio e calculista”. Spellman disse que houve um “momento de 12 segundos em Guerra Civil em que parece que todos os fãs da Marvel sabiam que [Sam e Bucky seriam] capazes de sustentar um filme ou uma franquia”, referindo-se a uma cena em que os dois personagens discutem sobre a colocação do assento de Sam. A série se baseia na química daquela cena, em vez de desenvolver seu tom do zero. Skogland e Spellman notaram que Sam e BUcky não são necessariamente amigos nos filmes, mas eles têm Steve Rogers como um “denominador comum”. Sem Steve, o relacionamento subjacente da dupla está agora “exposto” e forçado a se desenvolver. Stan disse que sem Steve, Bucky e Sam foram para “cantos opostos em termos de enfrentar suas vidas e seus demônios”, mas eles estavam fazendo as mesmas perguntas.

Kolstad sentiu que seria interessante pegar personagens secundários dos filmes e colocar nos papéis principais na série e disse que eles teriam que enfrentar quem eles são.” Ele acrescentou que outros personagens de filmes anteriores da Marvel são inseridos na série e mudam a narrativa de novas maneiras. Com a aquisição da 21st Century Fox pela Disney, permitindo que a Marvel recuperasse os direitos das propriedades dos X-Men e do Quarteto Fantástico, o Marvel Studios foi capaz de incluir elementos dessas propriedades na série. Isso inclui um local dos quadrinhos que Feige disse ser “mais um easter egg”. Antes da estreia da série, Spellman disse que havia três projetos do Marvel Studios que ele conhecia que se relacionariam com a série.

Crítica: Sem Mephisto, Quarteto Fantástico, X-Men ou Multiverso (pelo amor de Odin, não vamos começar com isso), Falcão e O Soldado Invernal é o legado de uma das melhores fases da Marvel nos cinemas e promete dar esta cara as continuações bem sucedidas como já vimos em Wandavison. Continuação direta da cena em que Steve Rogers entrega o escudo para o Sam (Avengers: Ultimate), a série promete trazer as dificuldades do Falcão em assumir este manto, uma adaptação de alguns arcos das HQs do Capitão América onde temos outros novos Capitães (John Wlaker – O Agente Americano) que são manipulados pelo governo para segurar o escudo e representar os ideais da América, coisa que vimos que Steve não aceita muito bem como em Guerra Civil.

Gostei muito do que vi no primeiro capítulo, os primeiros dez minutos são sensacionais, mesmo com alguns erros de continuidade, tem a mesma adrenalina e grandiosidades que filmes como Missão Impossível, comparando o ótimo e versátil Anthony Mackie ao melhor estilo de Tom Cruise em suas proezas.  Isto tudo trouxe ótimas lembranças de um outro estilo de super heróis da Marvel, Marvel Knights como Demolidor, justiceiro, Jessica Jones, Elektra, Punho de Ferro e Luke Cage, mais humanos e menos deuses, como nas séries da Netflix e no ótimo filme Capitão América e o Soldado Invernal, são pessoas sem poderes extraordinários, que suam para fazer seus trabalhos e que a morte parece crível a todo momento. Que tem problemas para comprovar suas rendas ou mesmo para provar que desapareceram no Blip.

Se Homem Aranha: Longe de Casa foi a homenagem da Marvel a todo trabalho de Robert Downey Jr e seu Tony Stark, a série traz esta mesma premissa de Chris Evans e seu Steve Rogers, onde o personagem é citado o tempo todo e a participação especial de início do ator Don Cheadle (Máquina de Combate), é a melhor prova que tudo o UCM está conectado.

Não posso deixar de citar que o lado sombrio da Marvel está na belíssima atuação de Sebastian Stan e seu Bucky Jones ou Soldado Invernal. Sempre gostei da mudança que fizeram do personagem, onde nas HQs Bucky era um dos Robins da Marvel Comics, aqui como um irmão mais velho desde Capitão América: O Primeiro Vingador, foi um tom perfeito para funcionar a relação entre os personagens. Stan, mesmo que seja coadjuvante nos filmes, tem uma atuação épica perfeita para o que os filmes e agora a série pede.

Agora é esperar para vermos como avança esta interessante trama, lembrando que estamos ainda falando das consequências de Sokovia,  se a química entre o elenco vai funcionar e que personagens novos podemos esperar.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.thor/

 

 

 

Marcelo Moura

Marcelo Moura

http://www.noset.com.br

Moura gosta de Cinema, Tv, Livros, Games, Shows e HQ´s, do moderno ao Cult. Se diverte com o Trash, Clássico e Capitalista. e um pouco de tudo isso você vai encontrar aqui. Muitos dizem que quem escreve é a sua esposa ou mesmo seus três filhos. É ler para crer....