Castle Rock – 1ª Temporada - NoSet
Review

Castle Rock – 1ª Temporada

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de mais uma adaptação do Mestre Stephen King para uma série de TV.

Castle Rock é uma série de TV de terror psicológico americano, caracterizada e inspirada por personagens, cenários e temas das histórias criadas por Stephen King e sua cidade fictícia de Castle Rock, Maine . A série estreou em 25 de julho de 2018 no Hulu . Foi criado por Sam Shaw e Dustin Thomason e é estrelado por André Holland , Melanie Lynskey , Bill Skarsgård , Jane Levy e Sissy Spacek em sua primeira temporada. Em 14 de agosto de 2018, foi anunciado que a série havia sido renovada para uma segunda temporada, que estreou em 23 de outubro de 2019. A série tem como produtores executivos JJ Abrams, Stephen King, Sam Shaw, Dustin Thomason, Ben Stephenson, Mark Lafferty e Liz Glotzer.

Sinopse: Henry Matthew Deaver é um advogado criminal especializado em casos de pena de morte. Deixou Castle Rock depois que os habitantes da cidade suspeitaram de seu envolvimento na morte de seu pai adotivo, mas retornam ao receber um pedido estranho. Caleel Harris. “O Garoto” é um enigmático detento da Penitenciária Estadual de Shawshank, secretamente mantido prisioneiro pelo diretor Dale Lacy por 27 anos. Ele pede especificamente a Henry depois de ser libertado de uma fossa séptica localizada sob um bloco de celas abandonado na prisão. Molly Strand é a proprietária da M. Strand & Associates Real Estate, e uma vizinha de infância de Henry, que possui habilidades telepáticas e empáticas.

Crítica: Todos sabem que como comento em minhas matérias, sou Fã de carteirinha de  Stephen King e já li tudo que pude do autor, vi quase todos os filmes baseados em suas obras, começando é claro pelo O Iluminado e Cemitério Maldito, já assisti quase todas as séries adaptadas do mestre do terror para a tv, como Nevoeiro e The Outsider, todos com as devidas análises aqui no Noset.  Sendo muitas boas e algumas não, mas algo que o King gosta de criar no seu universo de terror e suspense são os ambientes sociais decadentes, mostrando o pior do ser humano muitas vezes, locais ermos sem esperança, onde a humanidade perdeu a fé em sí mesmo e vivem quase como ermitões e esse tem sido o tema nas duas últimas séries que assisti de King este ano, The Outsider e Castle Rock com o mesmo contexto, a falta de esperança e fé no amor, na empatia e no próximo.

Como a série é uma recheada  com os melhores momentos dos livros de King com pitadas de Abrams, no piloto da série o que mais me atraiu já de cara foi a participação especial do ator Terry O´Quinn, nosso querido John Locke de Lost, e nada mais justo sua participação nesta série, já que a produção é por conta de J.J. Abrams, criador de Lost. Logo após reconheci Bill Skarsgard, ator que interpreta o enigmático garoto achado no presídio. Skarsgast fez o personagem Pennywise no remake de IT de King para os cinemas. Outra boa participação especial veio com Tim Robbins, que já fez de King o filme ótimo filme Um Sonho de Liberdade e por aí vai.

Agora entramos em alguns problemas de roteiro comuns em séries de suspense ou terror de king, a demora na apresentação dos personagens, Isso se prolonga por demais, já que a série tem no mínimo 6 personagens centrais, a dinâmica se perde e quase no quarto capitulo ainda estamos nesta mesma sequencia, sem andar com a história principal e criando subtramas para encher a história com conteúdos. Tudo que é apresentado no piloto cai em um looping e ficamos aguardando algo realmente acontecer, vivendo uma série de flashbacks para construir o passado e explicar certas reações da população aos personagens centrais. mas o personagem principal da história, o menino que pode ter pacto com as forças das trevas, fica ali, parado, sem memória como desculpa para avançar na história dos outros personagens. Do elenco André Holland (Moonlight) é o ator central da história e um advogado obcecado pela justiça. Holland até tenta dar uma ar mais humano e carismático ao seu denso personagem,  mas o roteiro não ajuda lembrando a cada cinco minutos que ele pode ter matado seu pai na infância. Melanie Lynskey, mas conhecida por seu papel como Rose na série Two and a Half Men, faz aqui Molly Strand, uma sensitiva com um passado que compromete sua vida no presente.

Se você é fã de King ou mesmo gosta de séries com personagens densos, uma história longa e pesada, capítulos arrastados, cheios de mistérios que não se resolvem, uma cidade decadente e a humanidade sem fé em si mesmo, Castle Rock é uma boa pedida, a gosto do seu cliente.

 

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo