Arrow: 6ª Temporada. - NoSet
Review

Arrow: 6ª Temporada.

Salve Nosetmaníaco, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar de Arrow, uma série de TV americana de ação, aventura, drama e fantasia baseada no personagem de Hqs da DC Comics, o Arqueiro Verde. A série conta vida em duas partes de Oliver Queen, um playboy que naufraga numa ilha deserta chamada Lian Yu (purgatório em chinês) e que após cinco anos retorna para salvar a sua cidade, combatendo o crime e a corrupção. Arrow também conta com a participação de outras personagens da DC Comics, assim como Cross com séries como The Flash, Constantine e DC Legends of Tomorrow.

Sinopse: Na quarta temporada Oliver e seus aliados lutam contra a organização terrorista C.O.L.M.É.I.A., dirigida por Damien Darhk, que planeja destruir Star City. John Diggle está preocupado em encontrar a C.O.L.M.É.I.A. e aprender a razão para o assassinato de seu irmão, Andy. Thea se junta à equipe sob o pseudônimo de “Speedy”, mas deve aprender a controlar a si mesma enquanto luta, pois agora possui uma sede de sangue que pode nunca ser totalmente extinta como um efeito colateral do Poço de Lázaro. Laurel se esforça para trazer Sara de volta depois de saber da ressurreição do Poço. Oliver decide se candidatar a prefeito. Apesar de ter a felicidade encontrada com Felicity (agora CEO de Palmer Technologies) e planejar pedir ela em casamento, Oliver descobre que ele é o pai biológico de um menino que, sem saber, foi concebido há dez anos com uma ex-namorada, Samantha Clayton, cuja descoberta ameaça desestabilizar seu relacionamento com Felicity, sua vida como o Arqueiro Verde, e sua campanha para prefeito.

Crítica até a 5ª temporada: E veio o Flashpoint, conforme confirmado no segundo capítulo de Flash e terceiro de Arrow, no primeiro cross over entre as séries, mesmo que pequeno, e as mudanças de Arrow não são tão surpreendentes, mas pelo menos mudou.  Arrow agora tem uma nova equipe, um novo vilão também Arqueiro, Oliver agora mata se for necessário, Felicity namora o novo capitão da polícia e a filha do John agora é menino e se chama John Jr. Pequenas coisas que parecem melhorar a série? Só que não.  Oliver Queen continua o cara mais chato e descontrolado que conheço, só sobrevivendo porque tem amigos como a Felicity, a sua irmã Speedy e o Diggle, que não o abandonam. Inclusive Stephen Amell está tão chato em Arrow que só a atriz Emily Richards, a Felicity, parece ter uma alma em uma série que parece se repetir na falta de emoção.  Outro ponto é o inexplicável quinto ano antes de Oliver se tornar Arrow, não faz o menos sentido a preparação dele, muito superior ao personagem apresentado na primeira temporada. Em 5 anos, Oliver fez treinamento com Amanda Waller, máfia Chinesa, Máfia Russa e Piratas e Exércitos, além de conhecer Constantine, Exterminador e Ras Al Gul.  O cara está mais cruel antes do que agora, será que perdeu a memória.

Além, disso, cada vilão novo que chega a cidade, enfia a porrada no Arrow e quase o mata, é sempre assim, tá difícil entender como Oliver desaprendeu tudo que aprendeu há 10 anos atrás. E chegamos ao Final Season do 23º capítulo de Arrow para a quinta temporada com a mesma sensação de frustração que as temporadas anteriores veem apresentando. Hoje, Arrow é uma série mal definida, com vilões medíocres, com a pior adaptação de um personagem principal, que não sabe se é o Batman ou mesmo o Arqueiro Verde. A série está dramática demais, toda hora Arrow desfaz a equipe e a refaz, como prova que precisa deles, além do amor mal resolvido com a Felicity que perde o noivo na metade da série e não demora em cair nos braços de quem o matou, mesmo que enganado pelo pseudo vilão principal. Um dos maiores problemas da série está na constante briga dos roteiristas, elenco, CW vs DC e Warner, que teima em cortar o roteiro e eliminar conceitos em pro dos filmes do cinema, o que parece não ser um problema maior, se tornou uma questão de vida e morte na série. O Esquecido Esquadrão Suicida e a Amanda Waller foram quase que apagados da série televisiva, o que irritou a todos na Tv, nem o mega Cross Over entre as séries Dc parece ter adiantado algo.

Por estes problemas o ator Stephen Amell (Oliver Queen) já ameaçou abandonar a série várias vezes, mas o salário deve ter compensado o ator. Emily Bett Rickards (Felicity) parece a única personagem a crescer na série, mesmo não sendo uma heroína. Ainda bem que a ideia de a transformar em Oráculo (Barbara Gordon) foi rapidamente descartada. Katie Cassidy (Canário) teve seu personagem morto na temporada passada, e com milhares de reclamações dos fãs, voltou como a Canário de outra dimensão. Parece realmente que esta é a última temporada de Willa Holland (Thea).

Ela, que abertamente reclamou na imprensa sobre os abusos da Warner com a série em prol do cinema, parece com os dias contados. Willa não vestiu o uniforme em toda a série, passando apenas como uma burocrata e provavelmente não voltará para sexta temporada. Faltou pouco para David Ramsey vestir o uniforme de Lanterna Verde, pena, Ramsey é um grande ator com um carisma que segura toda a falta de talento de Amell. Manu Bennet (Slade Wilson) faz uma ponta no capítulo final, e devem ter pago uma grana, porque até o último momento, Bennet se recusou a voltar ao papel do Exterminador. Finalmente John Segarra como o vilão Adrian Arqueiro (sim, mais um arqueiro) está péssimo e não dá credibilidade nenhuma a série. A escolha de seguir os mesmos passos da série The Flash quase me fez acreditar que o vilão era o Arrow Fo futuro que voltou também para criar um novo ArrowPoint KKKKKKKKK, desculpe. Parece que finalmente encerramos o Inferno de Oliver na Ilha onde se transformou no Arrow. E que alívio, porque não aguentava mais esses 5 anos em que, se você analisar com calma, nada deste Oliver tem a ver com o Oliver da primeira temporada, mas tudo bem. Agora é esperar a sexta temporada,

Crítica 6ª Temporada: Repeti a minha crítica até a quinta temporada justamente porque achei ela completa em uma série que insiste na mesma fórmula, vem um vilão mais inteligente que Oliver, humilha ele demais, seus amigos e parceiros sofrem, Oliver briga com todos, mas nos capítulos finais se torna um líder extremo, mas continua a não confiar em ninguém e não dividir seus planos. Arrow tem realmente pontos positivos que ficaram bem claros nesta temporada, principalmente porque é uma série bem próxima a Liga da Justiça com muitos personagens e com vários tramas por debaixo do assunto principal, que é o Arqueiro, o que me faz gostar de ainda assistir a série. A volta de Colton Hayner (Roy Harper) para a despedida de Willa Holland (Thea Queen) do elenco principal foi sensacional. Nisto posso também incluir Katie Cassady (Canário Negro), agora como uma vilã, a participação especial de Collin Donnell (Tommy Merlin) e Manu Bennet (Slade Wilson) e Caity Lotz (Sara lance) provam que a série ainda tem todo cuidado da The CW e DC, já que há muito a audiência de Arrow tem picos positivos e negativos, principalmente por causa da briga do elenco da The CW com a produção da Dc Comics. Mas se tem uma coisa que faz a série funcionar bem é o vilão, e isso Arrow teve dois nesta temporada para nos alegrar.

Michael Emerson é conhecido do público brasileiro pelo seu papel de vilão em Lost. Aqui como Cayden James foi bem devagar e sem graça, mas cumpriu bem o papel de coadjuvante até a chegada do fantástico Kirk Azevedo (Ricardo Diaz). Azevedo é um dos meus atores preferidos em séries como Fringe, Lei e Ordem, Oz e Prime Suspect, o ator americano descendente de Porto Riquenhos faz o melhor tipo de policial anti herói que conheço, além de uma expressão artística fantástica. Ele simplesmente após o 16 capítulo vira completamente a morna série e dá ao seriado uma agilidade impressionante. De triste parece que a série também se despede de Paul Blackthorne (Detetive Quentin Lance), ótimo ator dava o tom familiar a uma série quase policial e vai fazer falta. Arrow  termina dando um spoiler da sétima temporada e ao mesmo tempo algo bem Watchmen, prendendo o arqueiro em um local onde estão seus maiores inimigos. Ou o FBI é burro, ou novamente houve manipulação de Diaz. Se vou assistir a sétima temporada de Arrow, vou sim, pois ainda sou fã do Arqueiro Verde, mesmo que ache repetitivas as histórias.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo