O que é um Replicante? - NoSet
Autoral

O que é um Replicante?

 

A característica da evolução de um organismo biológico é a replicação celular. Uma célula, que contém as informações básicas da vida, copia a si mesma, transferindo as informações para uma estrutura bioquímica idêntica. Esta, no entanto, não é uma característica exclusiva de estruturas de carbono; qualquer existência física é energia e energia é informação, isto é, todo  o Universo é informação. A natureza essencial da informação é replicar-se, não sei se para vencer a entropia (quem sabe?), criando, assim, uma rede no tempo e espaço. Esta estrutura liga a cópia ao seu original e liga o original às milhares de cópias. Tudo se replica, fisicamente ou simbolicamente.  O objetivo da cópia é conservar a informação. Dessa forma, ela não se perde – o que iria de encontro à teoria de Stephen Hawking, de que a informação desaparece.

Geralmente, quando a célula copia a si mesma, a estrutura que surge é idêntica, embora, às vezes, ocorram erros na transcrição, levando a uma mutação gênica, que pode ser vantajosa ou não.  Semelhante a isso, um texto escrito em português pode ser bem traduzido para o ídiche e o árabe, ou não. Da mesma forma, uma impressora 3D pode copiar um objeto com exatidão ou não. Em ambas a informação foi replicada.

O psicólogo Richard Brodie escreveu: O universo contém muitos mecanismos para copiar a e disseminar informação.  Qualquer estrutura, portanto, é um replicador de informação. Da célula a um buraco negro (o replicador cósmico), a informação é duplicada sempre. Por isso, o universo tende a evoluir.

No entanto, Inteligências Artificiais não são capazes de replicar-se, nem mesmo se auto-organizar. E é por isso que não evoluem. Mas, em algum momento, elas irão replicar-se e evoluir. Quanto este momento chegar estarão elas sujeitas as leis da seleção natural? É graças às leis da seleção natural que espécies inteligentes surgem. As máquinas com IA, quando se tornarem capazes de copiarem os próprios programas, modificando o código livremente, poderão saltar para um estado de consciência similar ao do homem.

 

Apesar desta hipótese, máquinas não obedecem às leis da biologia, somente às da física. Além disso, suas estruturas são rígidas, não dinâmicas e, portanto, não auto-organizáveis. Uma informação vinda do meio ambiente é captada por um organismo que altera sua estrutura bioquímica e bioelétrica em resposta. Máquinas com IA não fazem isso. Elas não são capazes de aprender com o meio e redesenhar a própria programação ou criar um novo, copiá-lo e transferir em seguida.

No dia em que isto acontecer – se acontecer -, a IA evoluirá para a consciência. Até o momento não passa de um sonho. Primeiro, não existe uma matemática para sistemas auto-organizáveis e replicadores. Segundo, esta característica parece ser exclusiva de organismos biológicos.

 

 

Então…

Ou se descobre o algoritmo para  sistemas auto-organizados;

Ou os computadores serão biológicos. E se o próximo passo da computação for a biológica por ser a única estrutura a permitir a consciência e a conservação da informação, replicantes como no filme Blade Runner, serão realidade.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo