Lúcifer Final Season 2: - NoSet
Livros & HQs

Lúcifer Final Season 2:

Por Marcelo Moura

Lúcifer Final Season 2:

Criado por Tom Kapinos, elenco Tom Ellis, Lauren German, Lesley-Ann Brandt, Kevin Alejandro, Rachael Harris, D. B. Woodside e Scarlett Estevez. Produzido por Jerry Bruckheimer Television, Vertigo (DC Entertainment) e Warner Bros. Television.

Sinopse: Entediado e infeliz como o Senhor do inferno, Lúcifer abdica de seu trono e abandona seu reinado para ir para Los Angeles. Lá, dá início à boate Lux. Após presenciar um homicídio, Lúcifer conhece a linda e corajosa detetive Chloe que o fascina por sua coragem mas principalmente por parecer não cair em seus encantos um tanto naturais quanto sobrenaturais. Além de seu envolvimento com a policia local, o Lúcifer faz um pacto com Deus para que sua mãe volte ao inferno, após uma fuga ainda não explicada.

Crítica: Repetindo minha crítica no início da temporada, Lucifer não é, nem de longe, uma adaptação do personagem da DC Comics e da linha Vertigo, apesar das muitas semelhanças de ambos, as personalidades de ambos os Lúcifer são totalmente distintas . Vamos aos fatos, Lúcifer da série televisiva é uma “pessoa” infantil, de um humor próprio e sem nenhuma maldade com seu próximo, a não ser de punir os pecadores e conhecer seus piores desejos.  Lúcifer Moningstar da DC Comics é muito mais próximo do vilão bíblico, sendo que é egoísta, detesta seres humanos a não ser que sirvam ao seu propósito ou o divirta, sendo que jamais poderá ser considerado uma pessoa inocente ou com boas intenções.

Dito isso posso dizer que a série é ótima, divertida e com um roteiro bem aproveitado nas diferenças familiares, agora com a inclusão da mãe e irmão, como personagens fixos da série. O a madurecimento da série, diferente da primeira temporada que fixava apenas em Lúcifer, tornou-a mais divertida e veloz. O fato também de Lucifer das HQs ser uma personagem não tão conhecido do público, ficou interessante ver o vilão bíblico sendo considerado apenas um filho rebelde  que obedecendo ordens paternas se fixou em um lugar até não aguentar mais e se revoltar e sair para se divertir. Este mesmo efeito não foi possível ser visto em séries baseadas em HQs como Constantinne, que caiu na sua primeira temporada simplesmente porque a adaptação leve e humorada não foi bem aceita pelos fãs.

E a série chegou ao fim a segunda temporada, após uma longa parada no episodio treze, e estou satisfeito em dizer que uma terceira temporada é necessária, porque a série encanta. Muito disso vem do ótimo trabalho do ator Tom Ellis que rouba a cena com seus infantis e sua linha de comédia que beira a inocência e ao mesmo tempo, um humor negro de leve tempero. As participações de “Deus” e a “Mãe de Todos”, na pela da atriz Tricia Helfer,  divertiu bem mais do que seu concorrente direto, a série Sobrenatural, e ficou bem mais convincente. Como já falamos, esse não é o Lúcifer da DC Comics, mas ele tem uma ótima personalidade única e cada capítulo vale a pena.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Assinar NoSet por Email

Digite seu endereço de email para receber notificações de novas publicações por email.

Facebook

Siga-me no Twitter

Copyright © 2016

Topo