Resenha: Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur. - NoSet
Livros & HQs

Resenha: Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur.

Outros jeitos de usar a boca apareceu para mim pela primeira vez em um vídeo da JoutJout

Um dos poemas narrados no vídeo fala sobre o relacionamento da filha com o pai e me tocou profundamente. Fiquei curiosa a respeito do livro já que adoro poesia (acho que dá pra perceber pelo instagram do Nostalgia Cinza, né? E estava procurando uma leitura do gênero.

Não foi difícil passar as páginas de Rupi Kaur e vou contar o porquê:

“Maior fenômeno de poesia dos EUA na última década, há mais de 40 semanas no topo das listas de best-sellers Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume – publicado nos EUA como “milk and honey” – é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.”

 FICHA TÉCNICA

Título: Outros jeitos de usar a boca. Autora: Rupi Kaur

Ano: 2017. Páginas: 206. Idioma: Português. Editora: Planeta Brasil

Nota: 4,5/5. Compre: Amazon / Saraiva

Outros jeitos de usar a boca é um livro que começa com dor. O livro é dividido em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. No primeiro capítulo o sofrimento da autora é quase palpável. Rupi fala de abusos sexuais, violência psicológica e tempos obscuros na vida de uma mulher que sofreu por causa de um homem; seja um interesse romântico, encontros casuais ou o próprio pai. Infelizmente é um capítulo que muitas mulheres podem se identificar e a forma com que ela escreve é tocante.

Nessa primeira parte seus poemas têm um caráter social porque além de representarem dores que talvez sejam pessoais para Rupi, fazem críticas ao comportamento de pais e homens em relação à meninas e mulheres. É um capítulo forte e intenso.

“toda vez que você

diz pra sua filha

que grita com ela

por amor

você a ensina a confundir

raiva com carinho

o que parece uma boa ideia

até que ela cresce

confiando em homens violentos

porque eles são tão parecidos

com você

– aos pais que têm filhas”

 

Logo após “a dor”, Rupi fala de amor de um jeito muito delicado e inocente. Apesar de alguns poemas serem mais apaixonados e sexys, a inocência está presente naquele sentimento de amar alguém pela primeira vez e se ver perdida nos encantos da pessoa que parece ter vindo para te salvar. Os poemas são doces e encantadores.

Outros como “a ruptura” e “a cura” são tão emocionantes e doces quanto os anteriores. Mesmo quando Rupi aborda temáticas como assédio e términos, ela consegue escrever de forma a prender o leitor e tocá-lo com palavras. Seja qual for a temática, ela tem a capacidade de fazer a leitura fluir com seus poemas pequenos e diretos.

A linguagem é simples, fácil de ser entendida. Talvez isso, aliado ao sentimentalismo, tenha sido responsável pelo sucesso estrondoso de Outros jeitos de usar a boca. Comecei a ler o livro e poucos minutos depois já está folheando as últimas páginas. Rupi consegue prender o leitor do início ao fim e deixar aquele gostinho de quero mais. Com certeza ficarei de olho em futuros lançamentos de Rupi.

o que eu sou pra você ele pergunta

eu coloco as mãos em seu peito

e sussurro você

é toda a esperança

que eu já tive

na forma humana”

 

Outros jeitos de usar a boca é um livro para todos que gostam de poesia, de livros emocionantes e de palavras que mais parecem um belo tapa na cara. É um livro para amantes de palavras e sentimentos e para todos aqueles que procuram uma leitura rápida e emocionante.

“aqui está a jornada de

sobrevivência pela poesia

aqui está o sangue suor lágrimas

de vinte e um anos

aqui está o meu coração

em suas mãos

aqui está

o amor

a dor

a ruptura

a cura”

Gostou da resenha? Já leu o livro ou ficou com vontade de ler? Então não esqueça de deixar uma curtida ou um comentário 😉

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo