Resenha: Amor de puta - NoSet
Livros & HQs

Resenha: Amor de puta

Amor de puta é um livro que pode ser lido de diversas maneiras. É uma história ao mesmo tempo complexa e que levanta questões acerca do conceito de amor como conhecemos e extremamente simplista no que diz respeito aos dilemas vividos pelo protagonista. É um livro em que a escrita me surpreendeu de forma revigorante, mas perde pela personalidade do protagonista e seus dilemas pessoais.

“’Amor de Puta’ é uma história de amor. É uma metáfora de nossa vida, sempre motivada por interesses, em que estamos incessantemente procurando por amor, reconhecimento, razão de viver… é a história João, executivo carioca forçado, como muitos outros, a se mudar para São Paulo. Isso o faz perceber que jamais fora senhor de suas ações e, a partir daí, começa uma catarse pessoal tendo como elemento de provocação uma garota de programa, que põe seus valores de ponta cabeça. Apesar de toda a ousadia, é uma trama de questionamentos, com paixão e sensibilidade na busca de caminhos. João vive essa catarse, na tentativa de resgatar sua “criança interior”, há tanto oprimida pelos valores e dogmas da sociedade. Ele vive essa metáfora da maior relação de interesse da história da humanidade, onde se vende aquilo que se não deveria se entregar por negócio e que acaba se convertendo no amor mais puro, surpreendente e inesperado ao se deparar com a dedicação espontânea de alguém que lhe dá por carinho aquilo que aos outros vende… Viver essa história é um convite que exige coragem, todos os dias. Encontrar-se consigo, ou continuar jogando o jogo, os vários jogos da vida, no trabalho, na família, no relacionamento, onde quer que seja, até que a vida te ponha na frente de uma janela fria numa tarde de chuva em São Paulo, e não se tenha mais para onde voltar. João viveu isso. E você, vai tentar?”

 FICHA TÉCNICA

Título: Amor de puta

Autor: Ricardo Daumas

Ano: 2016

Páginas: 280

Idioma: Português

Editora: Sensus

Nota: 3/5

Amor de puta começa com a mudança de João para São Paulo. Carioca de raiz, ele se vê largado nesse novo e incessante planeta que é São Paulo. Não demora para que o ambiente de trabalho seja apresentado, alguns personagens que terão papéis significativos ao longo da narrativa aparecem logo de cara e claro, Celeste, a vizinha, logo chama a atenção de João. Apesar do que sugere o título, o amor de Celeste por João não é o enfoque. Ao contrário, fica a impressão de que Celeste não chega nem a ser uma coadjuvante nessa aventura de João por seu eu interior.

João me incomodou como há muito não me sentia incomodada por um personagem. Não percebi muito na sua personalidade além da sua posição social que justificasse o número de mulheres que se sentem atraídas por ele. Isso não fica claro nas suas ações e, às vezes, nem o próprio personagem consegue compreender.

A forma rasa com que ele se encanta por quase toda mulher que lhe cruza o caminho nadou contra a correnteza de uma história que eu acreditava ser sobre quebrar barreiras. Ele não demonstra um genuíno encantamento por suas personalidades ou até mesmo por sua beleza. De certa forma, todas elas estão ali para servirem como algo para ele, seja uma escapatória de pensamentos que ele quer evitar, seja para o envaidecer (como o próprio diz algumas vezes ao longo do livro) ou para participar de alguma fantasia interior que ele tem.

Com o passar do tempo, João vai se encontrando em São Paulo. É uma lição sobre seguir em frente apresar de todas as barreiras e obstáculos que a vida pode colocar em nosso caminho. João abraça a nova cidade da mesma forma como começa a abraçar sua nova vida.

O livro não é dividido em capítulos da forma como a maioria dos livros é escrita. Ele segue a narrativa quase que ininterruptamente. Apenas algumas pequenas imagens dividem parágrafos e só é possível saber que o capítulo mudou quando alguma frase ou expressão aparece grifada. Ao mesmo tempo em que essa escolha é algo diferente e inusitado, deixa a leitura mais cansativa. Já é mais difícil se envolver em uma narrativa em que são poucos os diálogos, quando o texto segue sem “quebras”, a impressão que fica é a de que se está lendo a mesma página por muito tempo.

“Eu sobrevivo por conta de gente que vive por amor à vida e me deixa em dívida, torcendo para que não me cobrem, nem desistam, pelo menos até eu me refazer, me reencontrar ou me encontrar, já não sei bem o que é o certo.”

O que sustenta bem a narrativa é a escrita de Ricardo Daumas. O autor tem uma forma leve de conduzir a história e escolhe muito bem as palavras. Sua habilidade de situar o leitor exatamente sobre o que se passa na cabeça de um homem adulto lidando com mudanças irrevogáveis é admirável. Quando me via ficando irritada com alguma ação de João, era o texto bem escrito e a forma de seguir com a narrativa que me prendia ao livro.

Toda vez que parece que João chega a uma revelação e encontra um rumo para sua vida, ele se perde de novo sem motivo aparente. É algo bem parecido com a vida, estamos sempre tendo altos e baixos e nunca vamos ter certeza de praticamente nada. Esse é outro ponto positivo da história, a verossimilhança.

Apesar de ter gostado bastante da escrita de Ricardo Daumas e da sua habilidade de criar personagens complexos e de personalidade bem estabelecida, me decepcionei com Amor de puta. Acreditava que o livro iria desconstruir paradigmas, derrubar tabus e representar a mente de um homem que se apaixona por uma garota de programa com enfoque nessa questão. Talvez não tenha sido bem essa a proposta do autor, mas penso que o terreno estava pronto para que nos fosse apresentada uma história de amor genuína, uma que se encaixa perfeitamente no século 21 e que conseguisse conquistar a mente de uma leitora ávida por narrativas envolventes e inovadoras.

 “- Acho que falta um pouquinho de sal…

Não faltava nada, nem sobrava. Celeste era um poema, um verso de bossa-nova, uma bicicleta embalada em papel de seda. Quanto mais falava mais eu me dava conta de que ela havia reiventado o mundo com sua simplicidade e leveza, aprendido a guardar as coisas boas e sublimar as ruins, e eu a invejava, como eu a invejava. A história de Celeste fazia a minha vida parecer um sonho, um sonho que eu mesmo transformei em pesadelo por absoluta falta de competência em viver comigo mesmo. Eu começava a sentir vergonha por minhas queixas patéticas, meu desconsolo de menino bem-nascido, minhas lembranças dramalhudas.”

Gostou da resenha? Já leu o livro ou ficou com vontade de ler? Então não esqueça de deixar uma curtida ou um comentário 😉

 

3 Avaliações

3 Comments

  1. Nelson Silva dos Santos Configurações

    17 de fevereiro de 2017 em 16:25

    Oi Laura. Também li o livro e tenho uma opinião diferente. Você disse que esperava uma história que se encaixasse perfeitamente no século XXI. Por que essa história não se encaixa no século XXI? O protagonista dessa história não derruba tabus?? Veja bem, o protagonista se apaixona por uma prostituta, namora, inclusive, com ela. Como isso não é quebrar paradigmas? Como isso não é século XXI? Não é normal no século XXI se apaixonar por uma prostituta? Só no futuro isso será normal? Será que era normal no século passado (óbvio que não né?). Achei totalmente contraditória sua opinião, pois ele faz tudo que você critica que ele não fez. O autor dá destaque a uma garota de programa. E um homem que namora uma, algo que sim se encaixa neste século e que, sim, quebra paradigmas, pois há muitos homens em nossa realidade que fazem o mesmo, mas se sentem envergonhados e não assumem.

    História que não se encaixa no século XXI é algum clichê romântico de amor proibido por famílias tradicionais (isso sim não se encaixa).

    • Laura Configurações

      17 de fevereiro de 2017 em 17:14

      Oi, Nelson, tudo bem? Obrigada por comentar, é sempre bom ler opiniões diferentes das nossas, cria um diálogo bacana. Sobre o enfoque, não achei que ele deu destaque à Celeste, por vários “capítulos” não havia nem sinal da protagonista e sinto que ela foi se perdendo. Começou com um enfoque maior e depois ela se perdeu em meio à trama de Alice. Posso ser ingênua e acredito que seja uma questão de opinião, de jeito de pensar nas coisas, mas quando pensei que ele se apaixonaria por ela, pensei que seria por completo, entende? Mas enquanto ele se dizia apaixonado por Celeste ele se envolvia com Alice e se interessava por outras mulheres. É uma questão bem pessoal, mas para mim isso não significa amar uma pessoa. Porque, para mim, a impressão que ficou foi a que ele se dizia e pensava estar apaixonado, mas suas atitudes eram outras na maior parte das vezes. Por isso não acreditei muito nessa quebra de tabus, porque fiquei com a impressão que ele só se sentiu atraído fisicamente e empolgado por ela ser uma mulher diferente do que estava acostumado a conviver nos círculos sociais; ela era mais extrovertida, tinha uma forma diferente de ver o mundo. Concordo com você que é uma história atual, mas criei expectativa de que seria diferente do que li, talvez meu erro tenha sido esse. Entendo seu lado e concordo em partes, mas acho que sou uma romântica incorrigível e passo isso nas minhas resenhas, as escrevo de forma bem pessoal mesmo. Sinto muito que não tenha agradado, mas fico feliz que tenha deixado sua opinião, repensei algumas coisas a respeito do livro.

  2. Ricardo Daumas Configurações

    19 de julho de 2017 em 00:48

    Oi vocês dois, tudo bem ?
    Eu sou o autor e, se me permitem meter o bedelho nessa discussão , as duas visões servem. Aliás , qq visão serve.
    Depois que saiu do pen drive, essa história não me pertence mais, e a visão de vida de vocês é que gera a análise, ela passa ser a história de vocês …..
    Como orientador , e não como autor, apenas recomendo a tentar entrar nos diferentes mundos que as oportunidades nos propõe, e não desejar o final que nós faríamos . Já pensaram como seria chata a literatura se tudo ocorresse conforme nossos planos ?

    Não tem resposta certa,mas tenho a sensação de que se fosse cineasta e não escritor faria filmes franceses, não americanos. O meu olhar de uma vida que dá certo e meio fora do padrão mesmo. ….

    Mas adorei ambas as críticas, se puderem visitem a fan page Do livro. @amordeputa.

    Obrigado e ate a próxima !

    Ricardo Daumas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo