Jean Grey: De Stan Lee e Jack Kirb a Claremont e Byrne. - NoSet
Livros & HQs

Jean Grey: De Stan Lee e Jack Kirb a Claremont e Byrne.

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Moura e você pode me acompanhar no Instagram como marcelo.moura.1253. Hoje falaremos da personagem ícone de várias gerações e que evoluiu muito em suas versões, desde a Garota Marvel até a poderosa Fênix Negra. Hoje vamos falar de Jean Grey. Amada por todos os fãs de HQs, em qualquer de suas versões, HQs, Animações ou Cinematográficas, Jean Grey parece ter crescido e evoluído juntamente com seus fãs por quase 60 anos dos mutantes da Marvel, seja nas mãos dos mestres Stan Lee, Byrne, Claremont ou Bendis, sempre demonstrando o potencial da personagem que foi criado ´para simplesmente demonstrar e combater o preconceito quanto ao diferente nos anos sessenta. Hoje o Multverso traz a história de nossa heroína dividida em duas partes. A primeira vamos falar e ter opinião dos seus autores e como se sentiram a cada momento de sua criação, morte, ressureição e imortalidade de Jean nas mãos da Força Fênix. Em outra uma simples biografia contando as principais partes da história de uma das mutantes mais poderosa e famosa do universo Marvel.

Jean Grey de Stan Lee e Jack Kirb.:

Jean Gray-Summers, com nome de solteira de Jean Elaine Gray, é uma heroína das HQs americanas publicadas pela Marvel Comics. Jean também é conhecida por pseudônimos como Marvel Girl, Fênix e Fênix Negra. Criado pela dupla Stan Lee e o Kirby a mutante mais querida da Marvel apareceu pela primeira vez em The X-Men número 1 em setembro de 1963. Jean Grey é um membro de uma subespécie de seres humanos conhecidos como mutantes, que nascem com habilidades sobre-humanas. Ela nasceu com poderes telepáticos e telecinéticos. Seus poderes manifestaram-se pela primeira vez quando ela viu seu amigo de infância ser atropelado por um carro. Ela é uma figura carinhosa e carinhosa, mas ela também tem que lidar com ser um mutante de nível Ômega e a manifestação física da Força Cósmica chamada Fênix. Jean Gray experimentou a primeira transformação na Fênix no enredo dos X-Men ” A Saga da Fênix Negra”. Jean enfrentou a morte inúmeras vezes na franquia dos X-Men. Sua primeira morte foi sob o codinome de Marvel Girl, quando ela morreu e foi “renascida” como Fênix. Essa transformação levou a sua segunda morte, através de um suicídio na Lua, embora esta não seja a última vez que isso acontece. Jean é uma figura importante na vida de outros personagens do Universo Marvel, principalmente nos X-Men, incluindo seu ex marido Ciclope, seu mentor e figura paterna Charles Xavier, seu interesse amoroso Wolverine, sua melhor amiga e irmã, Tempestade e seus filhos genéticos Rachel Summers, Cable , Stryfe e X-Man. Jean esteve presente em grande parte da história dos X-Men e foi destaque em todas as três séries animadas e vários games. Ela é um personagem jogável em X-Men Legends (2004), X-Men Legends II: Ascensão do Apocalipse (2005), Marvel Ultimate Alliance 2 (2009), Marvel vs Capcom 3: Destino de Dois Mundos (2011), Marvel Heroes (2013), e Lego Marvel Super Heroes (2013), e apareceu como não jogável no primeiro Marvel: Ultimate Alliance. Nossa lindíssima Famke Janssen interpretou o personagem em cinco filmes da franquia dos filmes X-Men, mas agora Sophie Turner (Guerra dos Tronos) retrata uma versão mais jovem no filme de 2016 X-Men: Apocalypse. Turner retornará para retratar o personagem, assim como sua personalidade alternativa, a Phoenix no filme Dark Phoenix de 2019. Em 2006, a IGN classificou Jean Grey em 6º lugar na lista dos 25 melhores X-Men dos últimos quarenta anos, e em 2011, a IGN classificou-a em 13º lugar no “Top 100 Comic Book Heroes”. Sua personagem Dark Phoenix foi classificada em 9º lugar na lista “Top 100 vilões de todos os tempos” da IGN, a mais alta patente para uma personagem feminina.

Jean Grey de Claremont e Byrne:

Único membro feminino da equipe original, Marvel Girl era uma parte regular da equipe através da publicação da série. Inicialmente possuindo a capacidade de telecinese, o personagem foi posteriormente concedido o poder de telepatia, que seria recontado anos mais tarde, como uma capacidade mutante reprimida. Sob a autoria de Chris Claremont e a obra de arte de Dave Cockrum e John Byrne no final da década de 1970, Jean Grey passou por uma transformação significativa do membro mais fraco dos X-Men para o mais poderoso, algo muito semelhante a Mulher Invisível do Quarteto fantástico. O enredo em que Jean Grey morreu como Marvel Girl e renasceu como Fênix, em Uncanny X-Men números 101 a 108, 1976 a 1977, foi retroativamente apelidado pelos fãs de “A Saga de Fênix”, e o enredo de sua eventual corrupção e morte como Fênix Negra, contada em Uncanny X-Men números 129 a 138 em 1980), foi denominado “A saga da Fênix Negra “. Este enredo é um dos mais conhecidos e fortemente referenciados nas HQs americanos, e é amplamente considerado um clássico, incluindo o sacrifício de Jean Grey no final da saga. Quando a primeira HQ da Saga da Fênix Negra foi publicada em 1984, a Marvel também publicou uma edição especial de 48 páginas intitulada Fênix: A História não Contada. Nela continha a versão original de Uncanny X-Men número 137, a página inicial original do Uncanny X-Men número 138, e transcrições de uma mesa redonda entre Shooter, Claremont, Byrne, os editores Jim Salicrup e Louise Jones, e Terry Austin sobre a criação da nova personagem Fênix, o desenvolvimento da história, e o que levou a sua eventual mudança, e os planos de Claremont e Byrne para Jean Gray se ela tivesse sobrevivido. Claremont revelou que a motivação dele e de Cockrum para a transformação de Jean Grey em Fênix foi criar “o primeiro herói cósmico feminino”. Os dois esperavam que, como Thor tinha sido integrado na formação dos Vingadores, a Fênix também se tornaria um membro eficaz e imensamente poderoso dos X-Men. No entanto, tanto Salicrup quanto Byrne tinham fortes sentimentos contra o quão poderosa Phoenix havia se tornado. Byrne trabalhou com Claremont para efetivamente remover a Fênix do enredo, inicialmente removendo seus poderes. No entanto, a decisão de Byrne de fazer a Fênix Negra destruir um sistema planetário habitado, em Uncanny X-Men número 135, juntamente com o fim planejado para o arco história, preocupou o então editor chefe Jim Shooter, que sentiu que permitindo Jean viver na conclusão da história era moralmente inaceitável, dado que ela era agora uma “assassina em massa, e também um final insatisfatório do ponto de vista narrativo. Shooter publicamente expôs seu raciocínio na mesa redonda de 1984 dizendo que: Eu pessoalmente acho, e eu já disse isso muitas vezes, que ter um personagem que destrói um mundo habitado com bilhões de pessoas, acabar com uma nave espacial e então, bem, você sabe, ter os poderes removidos e ser deixado na Terra. Parece-me que é o mesmo que capturar Hitler vivo e deixá-lo ir viver em Long Island. Agora, não acho que a história terminaria aí. Eu acho que muitas pessoas viriam até a porta com metralhadoras. Uma das questões da equipe criativa que afetou a conclusão da história foi se a personalidade da Fênix, a posterior loucura e o mal feito por ela eram inerentes a Jean Grey ou se a Fênix, que era em si uma entidade que meramente a possuía. A relação entre Jean Grey e a Fênix continuaria a ser sujeita a diferentes interpretações e explicações por escritores e editores da Marvel Comics após o retcon da história em 1986. Na época da criação da Fênix Negra, Byrne sentiu que, “Se Alguém poderia ser visto para corromper Jean, ao invés de apenas ficar mal, isso poderia ser feito em uma história interessante “. Salicrup e Byrne afirmaram mais tarde que eles viam a Fênix como uma entidade que possuía Jean Grey, portanto, absolvendo-a de seus crimes, uma vez que ela foi expulsa. No entanto, a equipe criativa e editorial finalmente concordou que a Fênix tinha sido descrita como um aspecto inerente e inseparável de Jean Grey, o que significa que a personagem era totalmente responsável por suas ações como Fênix. Como resultado, Shooter ordenou que Claremont e Byrne reescrevessem o número 137 para explicitamente colocar na história uma consequência e um final compatíveis com a enormidade das ações de Fênix. Em um comentário de 2012, Claremont falou sobre o contexto do final da década de 1970 e o fim da Guerra do Vietnã durante a redação da estória, afirmando que a história desses eventos também tornou as ações genocidas de Jean Grey difíceis de serem redimidas. No final original, Jean não volta a ser a Fênix Negra, o império Shi’ar a sujeita a uma “lobotomia psíquica”, removendo permanentemente todos os seus poderes telepáticos ou telecinéticos. Claremont e Byrne planejaram mais tarde que Magneto oferecesse a Jean a chance de restaurar suas habilidades, mas Jean optou por permanecer no poder e eliminar a ameaça da Fênix Negra retornar ao controle do poder.

Jean Gray no X-Factor de Layton:

Depois de vários anos, a Marvel decidiu reviver o personagem, mas apenas após um decreto editorial que o personagem foi absolvido de suas ações durante a Saga da Fênix Negra. Ao escritor Kurt Busiek foi creditado com a elaboração do plano para revivera personagem. Busiek, fã dos cinco X-Men originais, ficou descontente com a morte do personagem e formulou várias histórias que teriam encontrado a regra de Shooter e permitido que o Jean voltasse para a franquia X-Men. Ele eventualmente compartilhou sua ideia de enredo com o colega escritor Roger Stern que mencionou isso para Byrne, que estava escrevendo e ilustrando o Quarteto Fantástico na época. Tanto o escritor da série Bob Layton quanto o artista Jackson Guice , que estavam desenvolvendo a série X-Factor, uma equipe derivado com os X-Men originais, ainda tinham que escolher seu quinto membro da equipe, inicialmente considerando para ser a Cristral. Layton optou por preencher o lugar aberto com Jean em vez disso, e ele e Byrne enviaram a ideia para Shooter, que a aprovou. O renascimento de Jean Grey se tornou um enredo de crossover entre os Vingadores sob Stern, o Quarteto Fantástico sob Byrne e o X-Factor sob Layton. Busiek mais tarde descobriu que sua ideia tinha sido usada graças a Layton, e ele foi creditado no Quarteto Fantástico número 286 e pagou por suas contribuições. A decisão de reviver Jean Grey foi controversa entre os fãs, com alguns apreciando o retorno do personagem e outros sentindo que isso enfraqueceu o impacto do final da Saga da Fênix Negra. Busiek sustentou que a ideia que levou ao retorno oficial de Jean Grey à Marvel Comics foi apenas um caso de compartilhar suas ideias com os amigos como um fã, e que ele nem formalmente apresentou a ideia a ninguém, nem deu a última chance. Claremont expressou insatisfação com o retcon, afirmando em 2012: “Nós tivemos todo o esforço de dizer: ‘Jean está morta, supere isso’, e eles disseram: ‘Haha, nós mentimos’. Então, por que alguém deveria confiar em nós novamente? Mas essa é a diferença entre ser o escritor e ser o chefe”. Em uma entrevista de 2008, Byrne disse que ainda sentia que o método de reviver de Jean Busiek era “brilhante”, mas concordou que, em retrospecto, o personagem deveria ter permanecido morto. Nas HQs, tendo sido totalmente estabelecida como separada da cópia “Jean Grey” criada e assumida pela Força Fênix, Jean é “absolvida” do envolvimento nas atrocidades e retornou a vida em seu novo grupo, o X-Factor. Claremont mais tarde comentou sobre como a ressureição de Jean afetou seus planos originais para Madelyne Pryor, afirmando que o relacionamento entre as duas mulheres era destinado a ser mera coincidência. Ele pretendia que Madelyne apenas para se parecesse com Jean por uma completa coincidência e existir como um meio para que Ciclope pudesse seguir em frente com sua vida e ser escrito fora da franquia X-Men, parte do que ele acreditava ser uma progressão natural para qualquer membro da equipe. Claremont expressou consternação pelo fato de a ressurreição de Jean ter resultado no abandono de sua esposa e filho por Scott, manchando sua reputação como um herói e um ser humano decente, e a “situação insustentável” com Madelyne foi tratada transformando-a em um vilão demoníaco, para depois matá-la. Logo após a publicação inicial do X-Factor, a Marvel também reimprimiu e lançou a série original X-Men sob o título Classic X-Men. Essas reedições combinaram as histórias originais com novas vinhetas, elaborando os pontos da trama. Uma dessas questões, Classic X-Men número 8 de abril de 1987, juntou a história original de X-Men número 100 de agosto de 1976, do desastroso voo de retorno de Jean Grey do espaço imediatamente anterior à sua transformação em Fênix com a nova versão da mesma história. Nela a história apoiou ainda mais o retcon, estabelecendo Jean Grey e a Força Fênix como duas entidades separadas. Após a conclusão do Inferno, Jean continuou a ser um personagem principal em todo o resto do X-Factor. A série terminou com os X-Men originais se fundindo ao outro grupo de X-Menem X-Factor número 70 em setembro 1991. Os quatorze X-Men se dividem em dois times, Azul e Ouro, liderados por Ciclope e Tempestade. Jean foi adicionado à Equipe Ouro começando em Uncanny X-Men número 281 em outubro de 1991. Após o rapto de Ciclope pelo vilão mutante Apocalypse e o desaparecimento na conclusão do enredo de “Apocalypse: The Twelve”, Jean perdeu suas habilidades telecinéticas, ficando apenas com seus poderes psíquicos aumentados, o resultado do “gap de seis meses” na trama da franquia X-Men criada pelo evento Revolução. Durante este evento, todos os títulos dos X-Men começaram seis meses após os eventos de Apocalypse: the Twelve, permitindo que os escritores criassem novas situações e histórias, gradualmente preenchendo os eventos que faltavam nos seis meses anteriores de continuidade. Devido às decisões de edição após o sucesso do filme de 2000, X-Men, que retratou Jean Gray com telepatia e telecinética, uma explicação para a volta os poderes nas HQs nunca foi explicitamente feita, embora o escritor Chris Claremont tenha revelado em entrevistas que a perda foi planejada para ser temporária e acidental, com sua volta também explicaria os novos poderes telecinéticos de Psylocke. Jean foi o próximo destaque da minissérie de seis edições X-Men Forever escrita por Fabian Nicieza, que foi projetada para amarrar linhas de trama restantes. Durante a série, Jean revisitou muitos dos eventos envolvendo a Força Fênix e a série introduziu o conceito de “Mutantes Nível Ômega”, uma categoria para mutantes com potencial ilimitado, que incluía a própria Jean. Em junho de 2001, X-Men foi renomeado como New X-Men sob o escritor Grant Morrison. O título consistia de uma equipe menor, com Jean, Ciclope, Fera, Wolverine, Emma Frost e Charles Xavier. O enredo abrangente enfocou a equipe assumindo os papéis dos professores para uma nova geração de mutantes no Instituto Xavier, enquanto navegava em seus relacionamentos pessoais e lidava com novos sentimentos políticos pró e anti-mutantes. Jean também fez aparições menores em outros títulos durante o New X-Men, como o X-Treme X-Men de Chris Claremont, ocasionalmente dando suporte aos personagens. Jean e sua conexão com a Força Fênix foram examinados novamente um ano após a conclusão de Morrison em New X-Men em X-Men: Fênix, escrito por Greg Pak em 2005. No San Diego Comic-Con de 2010 Painel de X-Men, quando perguntado se Jean retornaria ou não, o editor Nick Lowe respondeu dizendo: “Ela está morta”. Em relação ao retorno real de Jean para a franquia X-Men, a Marvel indicou que o retorno de Jean estava sendo discutido, mas afirmou que o retorno de Jean Grey é “uma história que a Marvel não quer se apressar”. A Marvel soltou questões sobre o eventual retorno de Jean Grey aos eventos de X-Men: O Complexo de Messias em 2007, no qual uma garota mutante chamada Hope, de cabelos ruivos, olhos verdes e imensos poderes mutantes, nasce, e em X-Men de 2010: A Segunda Vinda, que tem tanto o retorno de Hope, já adolescente, como o retorno da Fênix Negra. Após a conclusão da mega saga Vingadores vs. X-Men, como parte da Marvel NOW! evento, uma adolescente Jean Grey e os outros quatro membros fundadores do X-Men são transportados através do tempo até os dias atuais pelo Fera na série All-New X-Men por Brian Michael Bendis. A adulta e original Jean Grey retornou ao Universo Marvel em uma nova série intitulada A Ressureição da Fênix: O Retorno de Jean Grey, lançado em 27 de dezembro de 2017. A série foi escrita por Matthew Rosenberg com a arte de Leinil Francis Yu.

A Biografia de Jean Gray:

Jean Elaine Gray nasceu a segunda filha de John e Elaine Gray. Ela tinha uma irmã mais velha, Sara Gray-Bailey. John Gray foi professor da Bard College no norte do estado de Nova York. Representações da infância de Jean e suas relações com a família mostraram uma vida familiar estável e amorosa crescendo. Os poderes mutantes de telepatia e telecinese de Jean manifestam-se pela primeira vez quando sua melhor amiga é atingida por um carro e morta. Jean se liga mentalmente com a amiga e quase morre também. O evento a deixa em coma, e ela é trazida de volta à consciência quando seus pais buscam a ajuda do poderoso telepata mutante, Charles Xavier. Xavier bloqueia sua telepatia até que ela tenha idade suficiente para ser capaz de controlá-lo, deixando-a com acesso apenas aos seus poderes telecinéticos. Xavier depois recruta-a como uma adolescente para fazer parte de sua equipe X-Men como “Marvel Girl”, único membro feminino da equipe. Depois de várias missões com os X-Men, Xavier remove os bloqueios mentais de Jean e ela é capaz de usar e controlar seus poderes telepáticos. Ela começa um relacionamento com a companheira de equipe Ciclope, que persiste como seu principal relacionamento romântico, embora ela também desenvolva uma atração secreta mútua para uma adição posterior ao time, Wolverine. Durante uma missão de emergência no espaço, os X-Men encontram seu ônibus danificado. Jean pilota o ônibus de volta à Terra, mas está exposto a níveis fatais de radiação. Morrendo, mas determinado a salvar Ciclope e seus amigos, Jean pede ajuda e é atendido pela entidade cósmica, a Força Fênix. A Força Fênix, a soma de toda a vida no universo, é movida pela dedicação e amor de Jean e assume a forma de um corpo duplicado para abrigar a psique de Jean. Naquele instante, a Força Fênix está sobrecarregada e acredita ser Jean Grey e coloca o corpo moribundo de Jean em um casulo de cura. A nave cai na Baía da Jamaica, com os outros X-Men ilesos. A Força Fênix, como Jean Grey, emerge em um novo traje verde e dourado e adota o novo codinome “Fênix”, com imensos poderes cósmicos. Enquanto isso, o casulo contendo o verdadeiro Jean Grey afunda no fundo da baía, sem ser notado. A Fênix continua sua vida como Jean Grey com os outros X-Men, juntando-se a eles em missões e salvando o universo. Durante “A saga da Fênix Negra”, esta nova Jean torna-se oprimida e corrompida por seu primeiro gosto do mal e se transforma em uma força de destruição total, chamada “Fênix Negra”, consumindo uma estrela, inadvertidamente matando os habitantes do sistema planetário da estrela e colocando em risco o universo inteiro. No entanto, a personalidade de Jean consegue assumir o controle e Phoenix comete suicídio para garantir a segurança do universo. Após seu suicídio por meio de um raio de desintegração, a Força Fênix se dispersa em sua forma original e um fragmento localiza Jean ainda curado no fundo da Baía da Jamaica. Ao tentar se relacionar com ela, Jean sente suas memórias de morte e destruição como a Fênix Negra e a rejeita, fazendo com que ela se relacione e anime um clone sem vida de Jean Grey criado pelo vilão Senhor Sinistro. Sinistro criou o clone para que se relacionasse com o Ciclope para criar mutantes geneticamente superiores. Chamada de ” Madelyne Pryor “, o clone inconsciente encontra Ciclope em uma situação planejada por Sinistro e os dois se apaixonam, se casam e têm um filho, Nathan Christopher Summers. Enquanto isso, o casulo é descoberto e recuperado pelos Vingadores e pelo Quarteto Fantástico. Jean surge sem memória das ações da Fênix. Os Vingadores e o Quarteto Fantástico contam a ela sobre o que aconteceu e que ela acreditava estar morta até agora. Jean se reencontra com os X-Men originais e os convence a formar o novo time chamado X-Factor, reutilizando seu codinome “Marvel Girl”. Jean descobre que Ciclope casou-se com Madelyne e que a mesma está irritada com a decisão de Ciclope de liderar o X-Factor e negligenciar sua família. Embora Jean incentive Ciclope a retornar a Madelyne, ele encontra sua casa abandonada e assume que Madelyne o deixou e levou seu filho pequeno. Ciclope retorna ao X-Factor e ele e Jean continuam seu relacionamento. As aventuras do time continuaram ao longo da série, culminando no cruzamento ” Inferno “. Madelyne eventualmente ressurge, agora quase insana e com poderes despertados por um pacto demoníaco, chamando a si mesma de Rainha Goblyn. Aprender sobre sua verdadeira identidade e propósito como um clone criado por Senhor Sinistro a deixou completamente insana e ela planeja sacrificar Nathan Christopher para alcançar maior poder e desencadear literalmente o Inferno na Terra. Enquanto tenta impedi-la, Jean se reencontra com os outros X-Men, que ficam felizes em saber que ela está viva, particularmente Wolverine, lembrando Jean de seus sentimentos reprimidos por ele. Jean e Madelyne se confrontam e Madelyne tenta matar os dois. Jean consegue sobreviver apenas absorvendo o remanescente da Força Fênix abrigado em Madelyne, dando para Madelyne e as memórias da Fênix Negra. Enquanto continua no X-Factor, Ciclope propõe a Jean que ela conheça sua futura filha de um futuro alternativo, Rachel Summers, que também usa o codinome Fênix e também é capaz de acessar a Força Fênix, mas ela rejeita. Quando o X-Factor se une aos X-Men, Jean se junta à equipe Ouro, liderada por Tempestade. Durante esse tempo, ela não usa mais um codinome, em vez disso, é referida por seu nome civil. Depois de algum tempo, Jean faz as pazes com Rachel, acolhendo-a em sua vida, e propõe a Ciclope de os dois se casarem. Em sua lua de mel, o casal é imediatamente transportado psiquicamente para o futuro filho de Ciclope, Nathan, que foi transportado para o futuro quando criança, na esperança de curá-lo de um vírus mortal. Jean adota a identidade de “Redd” junto com Ciclope como “Slym” e eles criam Nathan Christopher por doze anos antes de serem mandados de volta para seus corpos em sua lua de mel do casamento. Jean descobre que uma Rachel, deslocada pelo tempo, usou seus poderes para transportá-los para o futuro para proteger Nathan, e por pedido de Rachel, Jean adota o codinome “Fênixx” mais uma vez para estabelecê-lo como um símbolo do bem. Enquanto isso, suas habilidades psíquicas e telecinéticas começam a crescer e ela começa a usar o icônico traje verde e dourado de Phoenix novamente. Jean também conheceu outro futuro filho alternativo dela e de Scott: o imensamente poderoso Nathan Gray, que acidentalmente reviveu o fantasma psiônico de Madelyne Pryor, levando a outro confronto entre as duas mulheres.

Onslaught:

Na linha do tempo original de Bishop, antes de ele ir para o nosso presente, ele encontra a sala de guerra dos X-Men e encontra um sinal de socorro distorcido de Jean sobre um traidor que destrói os X-Men por dentro. Enquanto isso, no presente, os X-Men começam a ouvir notícias crescentes sobre uma entidade maléfica chamada Onslaught. Jean vê Onslaught como uma imagem psiônica com o resto dos X-Men após Onslaught coagir Gateway a sequestrar Ciclope, Wolverine, Tempestade e o Homem de Gelo (Bob). Onslaught faz sua primeira aparição para Jean no plano astral e revela que Xavier estava apaixonada por ela enquanto ela era uma estudante e a convence telepaticamente a se juntar a ele. Quando o Fanático chega à mansão com informações sobre a identidade verdadeira do Onslaughts, tem um bloqueio mental que o impede de divulgá-la. Jean então entra em sua mente e o ajuda a lembrar quem o Onslaught realmente é e para seu horror ela descobre que Onslaught é o Professor. X, tendo enlouquecido desde que limpou a mente de Magneto. O professor Xavier convoca os X-Men para uma reunião e Jean tenta, sem sucesso, reunir os X-Men contra ele antes de o mesmo manifestar o Onslaught. Enquanto Onslaught facilmente põe fora de ação o resto dos X-Men, Jean escapa para a sala de guerra e envia o sinal de socorro que Bishop encontrou no futuro. Depois de uma batalha contra Jean e o resto dos X-Men, Onslaught escapa para realizar seus planos. Depois que Onslaught quase mata os X-Men, eles se juntam aos Vingadores para criar um plano para detê-lo, sabendo muito bem que isso pode acabar matando Xavier.  Jean acompanha Ciclope, Arcanjo e Psylocke para Ilha Muir, onde eles e Moira McTaggart descobrem os Protocolos Xavier, planos secretos que Xavier fez para matar qualquer um dos X-Men individualmente, caso alguém se tornasse uma ameaça contra o mundo. Enquanto isso, o sinal de socorro de Jean chega ao X-Factor, Excalibur e X-Force. Depois de voltar a Nova York, Jean trabalha com Reed Richards para ajudar a construir defesas contra Onslaught, bem como para ajudar a criar a armadura psiônica que poderia bloquear os poderes telepáticos de Xavier, como visto nos Protocolos Xavier. Quando Jean sente que Xavier foi libertado de Onslaught, ela vai enfrentá-lo sozinha, ela e Cyclops reúnem o resto dos X-Men para apoiá-la. O resto dos Vingadores e do Quarteto Fantástico se juntam a eles em uma posição final contra Onslaught antes que ele destrua completamente o mundo. Em um ato final de desespero, Jean encontra Hulk e tranca a mente de Bruce Banner, deixando apenas o Hulk no controle para que ele possa lutar com todo seu potencial. Com a grande maioria dos heróis da Terra desaparecidos e presumidamente mortos depois que Onslaught é finalmente derrotado, Jean e Cyclops abrem sua casa para Quicksilver e sua filha e tentam ajudar os X-Men a recuperarem suas vidas.

Novos X-Men, a Segunda Morte e retorno:

Após o rapto de Ciclope pelo vilão mutante Apocalipse e sua aparente morte, Jean continua com os X-Men, mas se sente perturbada pela perda de seu marido. Mais tarde, ela descobre que ela é um mutante “nível Omega” com potencial ilimitado. Jean começa a suspeitar que Ciclope ainda pode estar vivo e com a ajuda de Nathan Christopher (Cable), é capaz de localizar e libertar seu marido das garras de Apocalipse. O casal retorna aos X-Men como parte do corpo docente do Instituto Xavier para uma nova geração de mutantes. Enquanto Jean acha que ela é lentamente capaz de explorar os poderes da Força Fênix, mais uma vez, seu casamento com Scott começa a falhar. Jean e Wolverine abordam sua atração mútua por muito tempo, decidindo que é melhor não agir de acordo com seus sentimentos; Ciclope torna-se ainda mais alienado de Jean devido aos seus crescentes poderes e responsabilidades institucionais e busca consolo da telepata Emma Frost para abordar sua desilusão e suas experiências enquanto encarcerado pelo Apocalipse. Essas sessões de terapia levam a um “caso psíquico” entre Scott e Emma. A descoberta de Jean do caso psíquico resulta em um confronto entre ela e Emma, ​​embora Jean perceba que seu casamento com Scott tenha seguido seu curso e que Emma o ama de verdade. Em um confronto final com um traidor no instituto, conhecido como Xorn, Jean assume totalmente o controle dos poderes da Força Fênix, mas é morta em um último ataque letal de Xorn. Após seu funeral, Scott rejeita Emma e sua oferta para administrar a escola juntos. Isso cria um futuro distópico onde toda a vida e a evolução natural estão sob ataque das bactérias infecciosas, vilãs e conscientes ” Sublime “. Jean é ressuscitada nesta linha do tempo futuro e se torna a Fênix Branca, usando as habilidades da Força Fênix para derrotar o Sublime e eliminar o futuro distópico, voltando no tempo e influenciando Ciclope a aceitar o amor de Emma e sua oferta de correr a escola juntos. Jean então se reconcilia com o Ciclope e se liga completamente com a Força Fênix e sobe para um plano de existência mais alto. Uma força Fênix enfraquecida retorna para reanimar Jean e mais uma vez a Força Fênix assume o controle. Jean deixa Wolverine encontrá-la e tenta convencê-lo a matá-la novamente antes que a Fênix cause mais dano, lembrando o enredo de X-Men 3. Os Shi’ar seguem a Força Fênix e fazem uma aliança com a Tempestade para encontrá-la e derrotá-la. Jean leva Wolverine ao Polo Norte antes que o Shi’ar possan matá-la e o convence ele a matá-la. Ele a esfaqueia inúmeras vezes, mas a Força Fênix continua reanimando-a, levando Jean a mergulhar fundo no gelo e congelar-se. A Força Fênix deixa seu corpo e mais uma vez assume a forma de Jean para tentar Ciclope a atacá-la para que ela possa absorver suas explosões ópticas e se tornar forte novamente. Quando a Força Fênix se funde e domina Emma Frost, Ciclope libera Jean do gelo. Uma vez libertado, Jean retira a Fênix de Emma e aceita que ela é uma com a Força Fênix. Depois de sentir o amor dos X-Men, a Fênix cede e retorna com Jean de volta a Sala Branca. Antes de partir, Jean e Ciclope compartilham uma despedida emocional telepática. Embora ela ainda não tivesse retornado completamente, a Força Fênix e Jean continuaram a se manifestar, particularmente a Fênix através do “messias mutante” ruiva de olhos verdes que se assemelha ligeiramente a Jean chamado Esperança Summers e Jean brevemente aparece em uma visão para Emma Frost da sala Branca, avisando os X-Men para “se prepararem”. Ela novamente aparece em uma visão para Ciclope quando ele é subjugado pelo poder de Fênix Negra, ajudando-o a abandonar o poder para que ele possa passar para seu verdadeiro hospedeiro. Depois que Noturno é fatalmente ferido pelos Crimson, Jean aparece para ele junto com Amanda Sefton e o recém-falecido Wolverine para ajudá-lo a voltar à vida. O espírito de Jean começa a se manifestar de uma maneira mais direta e agressiva para Jean, que está deslocada no tempo, de uma linha do tempo alternativa, aparentemente treinando-a para a chegada da Fênix. No entanto, após a jovem Jean começa a ignorá-la, ela a possui e a usa como um meio para emboscar Emma Frost. Ocorrências psicológicas estranhas ao redor do mundo, que incluem um grande pássaro queimando do sol e uma explosão na lua, levantam bandeiras vermelhas para os X-Men, que rapidamente iniciam uma investigação desses eventos. Depois de uma série de encontros bizarros com inimigos familiares, muitos deles considerados falecidos, os X-Men chegam a uma conclusão: a Força Fênix está de volta à Terra. Os X-Men também descobrem que os psíquicos estão desaparecidos ou adoecem, o que leva a equipe a investigar o túmulo de Jean Grey. Quando eles encontram o caixão de sua companheira morta há muito tempo, eles correm para localizar a Fênix antes que ela possa encontrar um hospedeiro adequado. Como se vê, com o adolescente Jean Gray fora do caminho da Força Fênix, a entidade cósmica já ressuscitou a atual e adulta Jean Grey. No entanto, ela não se lembra de sua vida como uma mutante e um X-Man, e terríveis visões de sua vida anterior deixaram Jean insegura da diferença entre realidade e fantasia. Enquanto ela se coloca dentro do que parece ser um ovo de Fênix, os X-Men teorizam que as estranhas ocorrências psicológicas são gritos subconscientes por ajuda feita por Jean Grey. O Velho Logan foi capaz de fazer Jean Grey lembrar sua verdadeira vida e ela relembra o destino de sua família e vários de seus amigos, entre eles Ciclope. Enquanto Jean enfrenta a Força Fênix, ela finalmente consegue convencer a entidade cósmica a parar de trazê-la de volta e deixá-la ir. Viva mais uma vez, Jean se reencontra com seus amigos enquanto a Força Fênix viaja de volta ao espaço. De volta a vida, Jean reúne algumas das maiores mentes da Terra reconhecendo que há um súbito surto de sentimento anti-mutante, ao ponto em que há planos de abortar a gravidez se o gene mutante for detectado. Jean anuncia seus planos de estabelecer uma nação mutante oficial, deixando claro que ela não quer estabelecer uma localização geográfica para a nação, já que os exemplos do passado deixam claro que isso faz dos mutantes um alvo. Para apoiá-la nesse objetivo, ela monta uma equipe que inclui Noturno, X-23 e Namor, mas não sabe que suas ações estão sendo observadas por Cassandra Nova .

A Nova Jean Gray:

Em todos os novos X-Men, a Fera atual vai para o passado e traz uma versão mais jovem de Jean para os dias atuais junto com os outros X-Men originais na esperança de ajudar o Ciclope atual a ver até onde ele caiu. Esta versão experimentou um aumento em suas habilidades devido ao trauma de ser trazido para o futuro. A viagem no tempo também fez com que seus poderes telepáticos suprimidos despertassem muito mais cedo em sua vida do que deveriam. Ela também tem o hábito de ler a mente das pessoas sem a permissão delas, para a grande frustração de sua equipe. Durante a Batalha, uma futura versão desta Jean Grey, que nunca havia retornado ao passado e cujos poderes haviam crescido além de seu controle, retorna ao presente como Xorn, um membro do grupo da futura Irmandade de Mutantes. Este Xorn pereceu durante a batalha, mas no processo os X-Men também descobriram que há algo impedindo os Novos X-Men de retornar ao passado. Durante esta linha do tempo, ela lê a mente da Fera atual, que lamenta nunca admitir seus sentimentos por ela, então confronta o novo Fera mais nova e lhe dá um beijo, o que cria problemas com o Ciclope mais jovem. Ela e sua equipe também deixam a Escola Jean Grey para mutantes e vão para a escola do Ciclope, onde ela faz uma relutante amizade com Emma Frost enquanto ela treina suas habilidades psíquicas. A nova Jean é mais tarde sequestrada pelo Shi’ar e levada a julgamento pela destruição feita pela Fênix Negra anos antes, em um ensaio de linha cruzada de 2014, Trial of Jean Grey. Os Novos X-Men se juntam aos Guardiões da Galáxia para resgatar Jean do mundo natal de Shi’ar, mas Jean acabaria despertando um novo poder que ela nunca teve, no qual ela é capaz de absorver quantidades maciças de psionismo, que ela usou para derrotar o poderoso Gladiador, líder do Shi’ar. Enquanto procura por novos mutantes, Jean e os Novos X-Men são teleportados para o universo Ultimate Marvel. Ela se junta ao Homem-Aranha (Miles Morales) para resgatar o Fera, que foi presa pelo Dr. Destino. Antes de ser teletransportada, ela dá um beijo em Miles Morales. Após seu retorno à Terra 616, ela e os Novos X-Men se juntam aos Guardiões da Galáxia uma segunda vez em busca do Vórtice Negro. Após a reconstrução da realidade, após a crise do Mundo de Batalha, Jean se separou do resto dos X-Men para tentar encontrar sua própria vida no presente, vivendo uma vida civil normal na faculdade, até que a Tempestade a recruta para se juntar a sua nova equipe de X-Men, para ajudar a proteger os mutantes da Terrigen.  Ela menciona ter terminado com Hank McCoy, considerando-o mais um irmão. Depois que os X-Men vão à guerra contra os Inumanos para destruir o Terrigen, Jean deixa a equipe e tenta retornar à sua linha do tempo original junto com o resto dos X-Men deslocados no tempo, mas percebe que eles não estão mais na sua linha de tempo, deixando-os encalhados na Terra 616, sem saber de que linha de tempo eles são originalmente. Com este novo conhecimento de que eles são de uma linha do tempo alternativa desconhecida, Jean se torna o novo líder X-Men deslocado no tempo e eles abandonaram os X-Men na esperança de encontrar seu lugar no mundo atual. Logo depois Jean é abordado por Magneto, que oferece a ela e a sua equipe para se unirem a ele na preservação do sonho de Xavier, derrotando aqueles que se opõem a ele. Jean aceita e sua equipe se junta a ele, mas em segredo eles se treinam no caso de Magneto voltar às suas raízes vorazes para matá-los. Como parte do evento RessurXion da Marvel, Jean Gray recebeu sua primeira série solo. Enquanto em uma missão solo contra a Wrecking Crew, Jean recebe uma visão de que a Força Fênix está voltando à Terra. Ela vai de encontro ao resto dos X-Men para avisá-los, Jean a princípio não consegue que  o Fera, Capitã Marvel e Kitty Pryde aceitem que a visão dela era real, embora assegurem que, se a Fênix voltar, os X-Men e os Vingadores se unirão e farão tudo que puderem para impedi-la. Jean se sente ainda menos levado a sério quando o Fera começa a examiná-la em busca de sinais de alucinações delirantes. Jean então se encontra com outros que possuíram a Fênix, como Rachel Summers e Hope Summers, para entender como os efeitos colaterais da Força Fenix afetaram individualmente cada um deles. Um encontro com Namor ajuda Jean a chegar à conclusão de que ela pode recusar a Fênix e até mesmo derrotá-la. Depois de se encontrar com Thor e treinar com Psylocke , Jean aprende como criar armas telecinéticas para ajudar em sua iminente batalha contra a Fênix. Jean acaba sendo mandada de volta no tempo por razões desconhecidas e se encontra na linha do tempo de Jean Grey, pouco depois de se tornar a Fênix. A nova Jean, deslocada pelo tempo, tenta fazer perguntas a Jean original sobre a Força Fênix, mas a mesma se esquiva das perguntas de Jean. Em vez disso, a Fênnix leva Jean para sair à noite e mostra seus poderes. Depois de testemunhar o uso dos poderes cósmicos contra Galactus para evitar de consumir um planeta indefeso, Jean contempla o aviso da Fênix sobre seu destino até que um encontro com O Vigia a impeça de fazê-lo. O Vigia elogia Jean e diz a ela que escolher não mudar seu futuro significa que seu destino final está em suas próprias mãos, mesmo que ela acabe recebendo a Força Fênix de volta em seu presente. Enquanto Jean retorna ao presente, a Fênix afirma enigmaticamente que eles se encontrarão novamente.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

NoSet é um lugar para se divertir e descobrir curiosidades sobre cinema, séries, HQ’s, games, músicas, livros e muito mais. Além de notícias você também pode ouvir nossas opiniões pelo podcast, sempre de um jeito inteligente e descontraído. Sejam bem-vindos e sintam-se na poltrona do seu cinema favorito.

Assinar NoSet por Email

Digite seu endereço de email para receber notificações de novas publicações por email.

Junte-se a 115.061 outros assinantes

Facebook

Copyright © 2016

Topo