Gotham: Quarta Temporada. - NoSet
Review

Gotham: Quarta Temporada.

Salve pessoal, eu sou o Moura e você já pode me seguir no Instagram como Marcelo.moura.1253. Antes de Batman, já existia a cidade Gotham, dominada pela máfia, corrupção e vandalismo. Essa é a história de como se criou o mito, o porque é necessário que um vigilante mascarado faça a lei onde nenhum policial pode chegar. Nada mais do que sensacional. Gotham não é uma série sobre heróis como The Flash e Arrow, mas sim uma série sobre homens e esperança. Misteriosa e surpreendente, a série navega envolvida na criminalidade e corrupção desde a polícia até os cidadãos, o medo e a ganância, tudo envolve a todos que estão longe do auge de suas carreiras criminosas ou policiais, mas crescendo conforme os espaços vão se abrindo (pausa para respirar). Tudo bem, já esperava muito do jovem Bruce Wayne, Gordon e Alfred, mas o Pinguim está simplesmente roubando o show quando se esperava isso talvez de um Coringa. Adorei também o ajudante de polícia CSI Nigma e a aparição de alguns personagens menos conhecidos do grande público como o famigerado Victor Zsasz e Hera Venenosa. A série não está fazendo o milagroso sucesso de séries do continuum da The CW, mas mantém um ótimo padrão e audiência não tão preocupante quanto a de Constantine, todos da casa da DC. Um último detalhe, que simplesmente é genial, é o fato da série ser atemporal, e apesar de se passar no passado de Gotham e de Wayne, a mesma possui toda tecnologia dos dias atuais, tornando-a mais dinâmica com celulares e computadores, uma sacada que não atrapalha a história. Possibilidades de um Cross Over com as séries da DC? Sim, existe, mas para isso teriam que criar uma continuidade de tempo em The Arrow, The Flash e Gotham. Algum grande problema? Não vejo assim, simplesmente fácil de resolver envolvendo uma história do passado (Gotham) com solução no futuro (The Arrow e Flash), como em DC Legends of Tomorrow.

 

O elenco de Gotham: Np elenco das primeiras temporadas temos os atores Benjamin Schenkkan (Jim Gordon), ator norte-americano mais conhecido por ter interpretado Ryan Atwood, protagonista da série The O.C. e por fazer o papel de Ben Sherman no seriado Southland. Jada Smith é atriz, cantora e modelo norte-americana casada com o ator Will Smith desde a década de 1990. Camren Bicondova é uma jovem atriz (Mulher Gato). Donal Logue é ator mais conhecido pela sua participação nas séries Grounded for Life, Sons of Anarchy, Vikings e nos filmes Just Like Heaven e CBGB. Robin Taylor é um jovem ator no papel do famigerado Pinguim. David Mazouz é o ator que tem o peso no papel de Bruce Wayne. Sean Pertwee é um conhecido ator que aqui interpreta um dos mordomos mais famosos do mundo, Alfred Pennyworth. Erin Richards é atriz e modelo, na série faz o papel da conturbada personagem Bárbara Gordon. Victoria Cartagena é a atriz que faz o papel da policial Renee Montoya. Nicholas D’Agosto (Duas Caras) é um ator americano mais conhecido ainda é “West Rosen” da série Heroes, onde atuou ao lado de Hayden Panettiere. John Doman é um ator que faz o papel do mafioso Carmine Falcone.

Gotham (A Série): Gotham é uma série de televisão americana criada por Bruno Heller, baseada nos personagens de HQs da DC Comics em sua franquia Batman. Concebida originalmente como uma série que contaria uma história simples sobre os primeiros dias de Gordon na polícia de Gotham City, a idéia evoluiu, não só para incluir o personagem Bruce Wayne, mas também para contar as histórias de origem de vários vilões do Batman, incluindo Pinguim, Charada, Mulher-Gato, Coringa, Hera Venenosa, Espantalho, Hugo Strange, Duas-Caras e Senhor Frio. A primeira temporada teria originalmente 16 episódios, mas depois foi estendido para um total de 22 episódios.

Sinopse: Um novo recruta do Departamento de Polícia de Gotham da capitã Sarah Essen, Detetive James Gordon se junta com Harvey Bullock para resolver um dos casos de maior destaque de Gotham: o assassinato de Thomas e Martha Wayne. Durante sua investigação, Gordon conhece o filho dos Wayne, Bruce, agora sob os cuidados de seu mordomo Alfred Pennyworth, o que incentiva Gordon ainda mais a capturar o assassino misterioso. Ao longo do caminho, Gordon deve enfrentar a máfia liderada por Carmine Falcone, bem como muitos dos futuros vilões de Gotham, como Selina Kyle(Mulher gato), Edward Nygma(O charada) e Oswald Cobblepot(Pinguim). Eventualmente, Gordon é forçado a formar uma improvável amizade com Bruce Wayne, que irá ajudar a moldar o futuro do menino em seu destino de se tornar O Cavaleiro das Trevas.

Crítica Primeira Temporada: Longe de ser uma série épica, Gotham é uma interessante montagem de um pré-universo DC para o Batman, algo muito semelhante a antiga série Smallville que teve dez temporadas. Gotham já ganhou fãs não só pela quantidade grandiosa de personagens de primeira linha que desfilam na série, como Pinguim, Mulher Gato, Alfred, Bruce Wayne, Gordon e Enigma, personagens que mesmo que você não seja um grande fã de HQs, saberá mais ou menos de quem estamos falando, mas por um roteiro policial com pegadas em corrupção, máfia e crimes. Além disso, a série não fala de super heróis, mas da constituição humana do caráter, principalmente a linha tênue do que define o bem e o mal através dos pequenos atos que nos transformam em seres melhores ou piores, cegos ao que acontece em nossa volta, independentemente de sua intenção. O toque de decadência urbana poderia ser adaptado a qualquer cidade do mundo, mas o que mais gostei da série é que, apesar de ser uma série retro, ela coloca uma dinâmica moderna, onde celulares, carros e computadores podem ser usados, deixando atemporal se a comparamos com outros personagens que tem séries do mesmo universo como Constantine, Arrow, Supergirl e The Flash.

Mesmo não tendo o glamour heroico das séries citadas acima, principalmente por não ter seu personagem principal, O Cavaleiro da Trevas, a já renovada para segunda temporada Gotham desbancou apenas a sofrida e cancelada série Constantine e se manteve no mercado, muito pelo seu elenco principal que deu show em atuações, sem depender efeitos especiais como suas concorrentes. O capítulo final, 22º da série desapontou um pouco, porque foi uma repetição descarada do 16º capítulo, onde a princípio a série terminaria sua primeira temporada, apenas com um acréscimo de informação para o personagem Bruce Wayne, mas nada do que já era esperado para o início da segunda. Então, o podemos esperar na segunda temporada que nos faça voltar à série? Digamos que a primeira temporada teve dois destaques surpreendentes e uma promessa que passou por muitos desapercebida, mas que causou furor ao fanboy que sou.  Destaques assombrosos para Jada Pinkett Smith (Fish Mooney e na vida real mulher de Will Smith) e Robin Lord Taylor (Oswald “Pinguim” Cobblepot) que atuaram e roubaram a cena em toda temporada e a promessa para o Coringa, que aparece indiretamente na série como Capuz Vermelho, ou pelo menos o capuz aparece. Deixe me explicar, Capuz Vermelho foi o personagem que se transformou no vilão Coringa em várias versões de sua adaptação nas HQs, além disso é o nome utilizado pelo anti herói, o ex Robin Jason Todd, que morreu nas mãos do Coringa e depois voltou a vida para vingar-se com este nome. Só isso já vale uma conferida na segunda temporada de Gotham.

2ª Temporada: Na segunda temporada, Gordon lida com uma série de eventos que estão sendo orquestrados por Theo Galavan e sua irmã Tabitha como parte de um plano para assumir Gotham como o novo Prefeito de Gotham City e exigindo vingança contra a Família Wayne. Depois que Galavan é assassinado em sua corrida para prefeito, o Departamento de Polícia de Gotham City lida com as ações de Victor Fries. O enigmático Hugo Strange e sua assistente Ethel Peabody realizam uma série de experiências bizarras sob o Asilo Arkham, nas instalações subterrâneas de Indian Hill, que é de propriedade secreta da Wayne Enterprises e supervisionadas pela Corte das Corujas.

 

Crítica Segunda Temporada: Simplesmente Gotham calou minha boca com um encerramento épico de sua segunda temporada e o amadurecimento de muitos personagens. Eu que reclamei muito do fato que todo o elenco ser muito mais velho que o jovem Bruce Wayne (David Mazouz), tirando Alfred (Sean Pertwee) e Gordon (Bem McKenzie), parecendo que o Asilo Arkahm seria mudado para um Asilo de Idosos Arkham, agora isso não me parece tão problemático, simplesmente porque a série está muito boa em seus Easter Eggs e que me acostumei com essa versão alternativa de Batman, quase um universo alternativo nas 52 terras existentes. A inclusão de vilões como Charada (Cory Michael Smith) e a volta do Pinguím (Robin Lord Taylor), Sish Mooney (Jada Smith), a estreia do cientista louco Hugo Strang, a inclusão de uma Batcaverna e o vilão Azsael (James Fran) como um pré Batman, tornaram tudo muito rápido e excitante, além de todo o elenco de vilões soltos em Gotham já para próxima temporada. Como já falei anteriormente Gotham segue os mesmos passos que a série Smallville e do jovem Clark, garantindo que Bruce só vai vestirá o manto final e correto do Morcego na temporada final, e olhe lá. O que ficou no ar é a possível saída ou afastamento de Ben McKenzie (Gordon), que no final da temporada informa que está se afastando de tudo e se despede de Bruce, indo atrás de Lee Thompkins (Morena Baccain). Baccain, que já estava afastada da série, provavelmente por causa das filmagens de Deadpool, garantiu que deve voltar na próxima temporada, mas não como personagem fixo da série. A dúvida que ficou é, tivemos o prelúdio de um Coringa com Jerome, interpretado sutilmente por Cameron Monagham, ou foi só uma Piada Mortal. Não posso esquecer de registrar a atuação do ótimo Donal Logue (Vikings) e a repaginada que deram no personagem de polícia Harvey Bullock,

3ª Temporada: Na terceira temporada, seis meses depois, Gordon tornou-se um caçador de recompensas enquanto trabalha para rastrear experimentos em Indian Hill que escaparam tão bem quanto uma Fish Mooney revivida. Enquanto planejava recuperar Leslie Thompkins, ele também encontra o filho de Carmine Falcone, Mario Calvi, e o hipnotizador Jervis Tetch, que chega para procurar por sua irmã Alice, onde ela possui sangue venenoso que enlouquece de várias maneiras. Enquanto isso, Ivy é envelhecida até uma mulher adulta após um encontro com um dos seguidores Indian Hill de Fish Mooney e Jerome Valeska é revivido para retomar sua vingança anterior contra a cidade. Gordon tem que lidar com o Tribunal de Corujas que trabalha em nome de Ra’s al Ghul e da Liga das Sombras, Pinguim e Ivy se unem para formar um exército, e Edward Nygma abraça sua nova identidade como “O Charada”.

 

Crítica Terceira Temporada: Com muitos altos e baixos, a terceira temporada foi o que mais me decepcionou. Quase parei de assistir a série que tanto gostava nas primeiras temporadas, principalmente pelos erros mais grotescos de adaptações e decisões de roteiro. A relação de amizade e amor do Pinguim com o Enigma ficou forçada e muito fora do contexto, a loucura da Barbara, que esperava que se tornasse a mãe de Batgirl junto com Gordon, o que demonstrou na primeira temporada foi literalmente por água abaixo e tudo ficou inexplicavelmente sem rumo e talvez a única coisa que me chamou a atenção foi a introdução do personagem do Chapeleiro Louco (Benedict Samuel). O Tribunal das Corujas e a clonagem do Bruce, igual as HQs em que Damian Wayne também foi clonado, foi totalmente desnecessário e esquecível. A evolução de Ivy para a adulta Hera Venenosa também foi desnecessária, tudo é superficial demais e não cria peso ou conteúdo as histórias. Gordon demitido, preso, Gordon solto e Gordon promovido, tudo muito fácil de se adivinhar, apesar da boa volta do Coringa ou seu símbolo do Homem que Ri, mas fica nisso. A questão do Bruce ainda não ter amadurecido, não ter treinado no Nepal ou mesmo se parecer com o Bruce da franquia do Nolan também me irritou. Ele está longe de ser um herói, enquanto todo universo de Gotham já está praticamente pronto. Até o Alfred parece mais preparado para ser o Batman que o Bruce. Gostei da entrada do ator Michael Chiklis (American Horror Story e Quarteto Fantástico).  Chiklis é daquele tipo de ator que parece brutal e encanta com seu talento para papéis policiais, como na série The Shield, onde atuou de 2002 a 2008.

4ª Temporada: Na quarta temporada, Bruce Wayne é um vigilante mascarado, patrulhando as ruas de Gotham à noite, vestindo roupas escuras e uma balaclava preta com capuz. Cobblepot inicia uma campanha para dominar o submundo da cidade lucrando com crimes licenciados, Nygma descobre que suas ideias mentais diminuíram como um efeito colateral de ter sido congelado, Jonathan Crane é visto abraçando seu papel como o Espantalho, a Liga das Sombras começa seu próximo lote envolvendo uma antiga faca de embalsamamento, Ivy Pepper toma drogas de um farmacêutico que a transforma novamente, Butch Gilzean se torna Solomon Grundy depois que seu corpo comatoso foi jogado em um pântano, e finalmente o Coringa dá as caras.

 

Crítica Quarta Temporada: Parece que as críticas funcionaram em sua penúltima temporada e a série corrigiu alguns erros e avançou muito na vida de Bruce Wayne. Bruce, agora já com um corpo mais de adolescente, passa nas mãos do pacto das Corujas, tem algum treinamento e veste um manto próximo ao Batman, algo que por um processo contratual da imagem do Batman, ainda não é possível ser completo, mas se faz presente nos telhados de Gotham. Adorei a introdução de Ras Al Ghul, coisa que até a série Arrow Já tinha feito, mas com um resultado final tão ruim que me desencantou. A morte do clone de Bruce também foi uma correção ao meu ver de algo desnecessário. A parte em que Bruce ficou um adolescente revoltado até achei interessante, mas ainda o vejo muito imaturo e sem o preparo psicológico para ser o cavaleiro das Trevas, mas melhorou comparado as temporadas passadas. Butch Gilzean como Solomon Grundy, o Hulk da DC Comics, ficou engraçado no começo, mas sem sentido conforme a série evoluía, mas Gotham é assim. Personagens como Duas Caras (Nicholas D´Agosto) e Lucios Fox (Chris Chalk) desfilam entre muitos outros novatos em Gotham. Gostei muito dos últimos capítulos, do novo Coringa, apesar de amara o anterior, e do final da temporada, quando a série homenageia a HQ Terra de Ninguém da DC Comics, onde após um terremoto, a cidade é isolada do resto do mundo. Aqui foram bombas e Gotham termina também isolada, sem eletricidade e com as gangs soltas. Agora é esperar a última temporada e encerrar este ciclo de Gotham.

 

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

NoSet é um lugar para se divertir e descobrir curiosidades sobre cinema, séries, HQ’s, games, músicas, livros e muito mais. Além de notícias você também pode ouvir nossas opiniões pelo podcast, sempre de um jeito inteligente e descontraído. Sejam bem-vindos e sintam-se na poltrona do seu cinema favorito.

Assinar NoSet por Email

Digite seu endereço de email para receber notificações de novas publicações por email.

Junte-se a 118.228 outros assinantes

Facebook

Copyright © 2016

Topo