Crítica: A Autópsia (2016) - Em terra de imitação, quem inova chama a atenção. - NoSet
Review

Crítica: A Autópsia (2016) – Em terra de imitação, quem inova chama a atenção.

Semelhante à clássica frase de Tom Hanks em Forrest Gump – O Contador de Histórias, os filmes também são “como uma caixa de bombons: você nunca sabe o que vai encontrar”. Com base nisto é que hoje lhes trago a crítica de A Autópsia, um longa que desde que o trailer foi divulgado chamou a minha atenção por conta de toda apreensão e por que não, a criatividade que a história propõe ao público!

Na trama, Tommy Tilden e Austin Hilden, seu filho, são os responsáveis por comandar o necrotério de uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos. Os trabalhos que recebem costumam ser muito tranquilos por causa da natureza pacata da cidade. Certo dia, o xerife local traz um caso complicado: uma mulher desconhecida que foi encontrada morta nos arredores da cidade – “Jane Doe”, no jargão americano. À medida que pai e filho tentam descobrir a identidade da mulher morta, coisas estranhas e perigosas começam a ocorrer, colocando a vida dos dois em perigo. Bom, como mencionado acima, esse filme me deixou curioso justamente pelo clima tenso que ele carrega, mas, sobretudo, devido à presença de astros como Emile Hirsch, conhecido por Na Natureza Selvagem e Brian Cox, que participou brevemente de Planeta dos Macacos – A Origem. O resultado não foi diferente: aqui, ambos os personagens estão muito bem em seus respectivos papéis, entregando boas performances como pai e filho. Sem contar o restante do elenco, que inclui Ophelia Lovibond, interpretando Emma, a namorada de Austin, Michael McElhatton, na pele do xerife Sheldon e a estreia da atriz Olwen Catherine Kelly, incorporando a bela e enigmática Jane Doe. Em geral, atuações plausíveis, sem haver nenhum figurante para inferiorizar.


Já a mensagem transmitida é deveras sinistra e por incrível que pareça me pregou uma peça com relação ao assunto abordado. Os jump scares apesar de um pouco previsíveis (hoje em dia é raro algum não ser), não deixam de ser daqueles que o susto típico de 1 segundo consiga te pegar desprevenido e a trilha sonora contribui muito nesse quesito, com faixas que vão aumentando o grau do suspense e fazendo-nos adentrar em um universo de mistérios ocultos que envolvem o passado de Jane Doe. Tais situações remetem inclusive a uma época de cerca de 300 anos atrás. No entanto, prefiro não entrar em mais detalhes para não soltar spoiler (todos sabemos como isso é chato), porém o que posso garantir é que há tempos não ficava tão aflito com a atmosfera de um thriller desde O Homem nas TrevasA Bruxa.

Em torno de 1 hora e 30 minutos (duração relativamente curta), a obra inclui tanto os momentos mais calmos quanto aqueles intensos, que tiram o nosso fôlego. No primeiro ato, por exemplo, conforme tudo o que nos é apresentado vai se sucedendo, podemos ir formulando nossas ideias sobre os fatos. Já no segundo ato, onde a fotografia opta por tomadas mais escuras e dá um tom mais dark ao longa, fica difícil não continuar intrigado com o que está acontecendo ali,  uma vez que o horror toma conta daquele ambiente fechado. Você nunca sabe realmente o que tamanhas revelações que vem à tona são capazes de causar até que se concretizem e quando assim o fazem, prendem até o telespectador mais esperto grudado no sofá. Ademais, por se tratar de uma película que busca inovação no sentido “desvende a incógnita”, não é necessário se preocupar caso alguns elementos pareçam superficiais, com explicações que aparentam ser muito jogadas na mente do espectador. Com um roteiro cuja premissa não é nada difícil de decifrar, todo o “ritmo quente”, digamos assim, é cuidadosamente mantido em segredo a fim de ser executado quando conveniente e seus detalhes esclarecidos de forma satisfatória, sem pontas soltas. Por fim, no terceiro ato, o grand finale que lhe aguarda é sem dúvidas impressionante! Ao som de Open Up Your Heart and Let the Sun Shine In, de The McGuire Sisters, o último minuto não perde a oportunidade de impedir que sequer pisquemos!

Vale ressaltar ainda que a finalidade do diretor e da equipe envolvida era exatamente essa: criar um roteiro em que o argumento proposto fosse atrativo e nada maçante, procurando fugir do clichê hollywoodiano. Em suma, inovar. Prova disso é a cena final, que não obstante o ar macabro (cuja música indica o contrário) é pura e simplesmente de arrepiar! Portanto, considerando os aspectos mencionados acima, em meio a tantas imitações tanto no âmbito do suspense quanto do terror, A Autópsia é felizmente um válido exemplo de que o gênero ainda possui ótimas produções!

 

Título Original: The Autopsy of Jane Doe
Direção: André Øvredal
Duração: 86 minutos
Nota: 4,5/5 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Assinar NoSet por Email

Digite seu endereço de email para receber notificações de novas publicações por email.

Facebook

Siga-me no Twitter

Copyright © 2016

Topo