Viking: Filme baseado nas Sagas “Primary Chronicle Kings” (2016). - NoSet
Cinema

Viking: Filme baseado nas Sagas “Primary Chronicle Kings” (2016).

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de um filme Russo sobre os Vikings, também conhecidos como Rus, disponível na Prime Vídeo.

Viking (em russo Викинг) é um filme histórico de 2016 sobre o príncipe medieval Vladimir, o Grande, Príncipe de Novgorod. Dirigido por Andrei Kravchuk e co-produzido por Konstantin Ernst e Anatoliy Maksimov, o filme é estrelado por Danila Kozlovsky , Svetlana Khodchenkova , Maksim Sukhanov , Aleksandra Bortich , Igor Petrenko , Andrey Smolyakov , Kirill Pletnyov , Aleksandr Ustyugov e Joakim Nätterqvist . O filme é inspirado em relatos históricos como a Crônica Primária e as sagas dos Reis da Islândia. O slogan do filme foi a frase: “Você precisa ver para acreditar”.

Viking (2016)

Dirigido por Andrei Kravchuk, produzido por Konstantin Ernst, Anatoliy Maksimov, Aleksandr Utkin e Leonid Vereshchagin, roteiro de Andrey Rubanov, Viktor Smirnov e Andrei Kravchuk, baseado nas Sagas “Primary Chronicle Kings”. Estrelando Danila Kozlovsky, Svetlana Khodchenkova, Maksim Sukhanov, Aleksandra Bortich, Igor Petrenko, Andrey Smolyakov, Kirill Pletnyov, Aleksandr Ustyugov e Joakim Nätterqvist. Música por Igor Matvienko e Dean Valentine, produção Dago Productions, Cinema Directorate Studio (Direktsiya kino), Studio Trite Channel One, distribuído por Central Partnership.

Data de lançamento em 29 de dezembro de 2016 (Rússia) e 6 de janeiro de 2017 (outros países), com tempo de execução de 128 min, orçamento de US$ 20,8 milhões e bilheteria mundial de US$ 33,7 milhões (bruto líquido).  Viking foi o terceiro filme russo mais caro (depois das duas partes de Burnt by the Sun 2) e foi recebido com críticas mistas por críticos de cinema. O filme arrecadou cerca de US$ 25 milhões na bilheteria na Rússia e na Comunidade dos Estados Independentes, tornando-se o filme russo de maior bilheteria a ser lançado em 2016.

Sinopse: Após a morte de seu pai, Svyatoslav I, governante de Kievan Rus, o jovem príncipe Vladimir (Danila Kozlovsky) é forçado ao exílio através do mar congelado da Suécia para escapar de seu traiçoeiro meio-irmão Yaropolk (Aleksandr Ustyugov), que assassinou seu outro irmão Oleg (Kirill Pletnyov) e conquistou o território de Kievan Rus . O velho guerreiro Sveneld (Maksim Sukhanov) convence Vladimir a reunir uma força de mercenários Viking liderados por um chefe sueco (Joakim Nätterqvist), na esperança de reconquistar Kiev de Yaropolk.

Crítica: Visualmente incrível, com uma produção impecável de época, Viking era para ser uma obra de arte do cinema mundial comparável aos bons filmes (13º Guerreiro, Rei Arthur e Excalibur) e séries sobre os Vikings (Vikings e The Last kingdom). A fotografia nas cenas de batalhas são épicas e de tirar o folego, tudo feito para dar uma sensação de participação do público no momento de combate o que torna a experiência o melhor momento do filme.

Só que infelizmente Viking peca incrivelmente em sua história ao desenvolver seu roteiro de maneira tendenciosa na conversão dos vikings (russos medievais) de pagãos para cristãos, totalmente desnecessário e inverossímil, além de ter buracos no roteiro inexplicáveis, com um repetição de elipses desnecessárias deixando pontos importantes de locomoção de fora. Em vários momentos me senti perdido para saber a onde o personagem estava ou como chegou lá.

Por ter sido produzido por quase três anos, e com pelo menos 3 versões, o diretor Andrei Kravchuk parece se perder com tantos cortes e edições, com quase 2h e 30 min (a versão que assisti na Prime Vídeo), o filme tem decisões inexplicáveis para o momento que fica difícil entender o porque foram tomadas. A cena que mais me representou foi a briga na praia quando Vladimir fala que virou cristão e seu mais devoto servo fica boquiaberto com a decisão do seu líder, quase o matando e logo após no meio da praia o líder tem um sonho insano mostrando todo povo viking se convertendo em festa ao novo deus, deixando o paganismo para trás. E não é só isso, o pior veio quando Vladimir se torna cristão, se convertendo através de uma pífia metáfora do óleo e a água, através do arrependimento de ter matado seus irmãos e roubado o presente de deus. Arrependimento e pecado foram motivos de festa e alegria.

Não há citação sobre os nomes dos deuses nórdicos ou germânicos no filme, mas existe um ritual onde é feito uma famosa prece para Odin (Wotan ou Wodan) e o Valhalla.  O fato de ser um filme histórico parece ter tirado o interesse do diretor e elenco de surpreender o público e criar situações extraordinárias onde a fé a política fossem mais exploradas, não apenas uma infantil conversão do rei de uma nação.

Curiosidades: O filme foi produzido por Konstantin Ernst e Anatoly Maksimov, mais conhecido pelos thrillers russos de fantasia urbana / sobrenatural Night Watch e Day Watch (crítica no site).

Algumas cenas foram filmadas em 2013 para garantir financiamento, uma forma comum de garantir o financiamento de grandes produções cinematográficas na Rússia. A maior parte da produção foi feita em março-julho de 2015. O orçamento estava no mesmo nível do épico filme russo da Segunda Guerra Mundial Stalingrado de 1.250 milhões de rublos (aproximadamente US $ 20 milhões de dólares).

Os principais consultores históricos do filme foram o historiador e arqueólogo Vladimir Petrukhin e o linguista Fyodor Uspenskiy.

A figurinista viajou para várias cidades e países, comprando tecidos e estudando afrescos e museus na China , Índia , Helsinque , Riga , Novgorod , Estocolmo e Minsk .

A língua pechenegue, uma língua turca extinta falada no Leste Europeu (onde hoje é a maior parte da Ucrânia, partes do sul da Rússia , Moldávia e Hungria ) nos séculos 7 a 12, foi “reinventada” para o filme.

O elenco é principalmente russo; no entanto, o filme apresenta o ator sueco Joakim Nätterqvist, o canadense John DeSantis e a atriz bielorrussa Aleksandra Bortich. Nätterqvist disse à TV4 da Suécia que no set trabalhou com um tradutor, um ator norueguês que viveu (e se educou) na Rússia. A maior parte de seu diálogo é um amálgama muito simplificado de sueco e norueguês, para simular o nórdico antigo.

Membros das famosas Nomad Stunts do Cazaquistão foram responsáveis ​​pelas cenas de batalha, incluindo pirotecnia, explosões e aparelhamento.

A fotografia principal começou em março de 2015. O filme foi rodado em várias locações no território da Crimeia anexado à Rússia, incluindo a cidade de Bakhchisarai, Bakhchysarai Raion e Crimeia. No reservatório de água de Taigan, na cidade de Belogorsk, Belogorskiy Raion na Crimeia. Na fortaleza medieval genovesa, a cidade de Sudak na Crimeia. Na aldeia de Shkolnoe, Simferopol Raion na Crimeia. No Zakaznik do Cabo Fiolent perto de Sevastopol, Rússia. Além disso, a filmagem aconteceu no estúdio Glavkino.

Mais tarde, o cenário do filme foi usado para a construção do Parque do Cinema Viking na aldeia de Perevalnoye, Simferopol Raion na Crimeia. A construção da instalação começou em outubro de 2015 na margem esquerda do rio da montanha Kizilkobinka no início da subida para as Cavernas Vermelhas. Cinema Park inaugurou em maio de 2016

Como foi parcialmente filmado no território da Crimeia anexado à Rússia, este filme foi proibido em alguns países.

Algumas cenas foram filmadas em Ravenna, Itália, em meados de agosto de 2015. As filmagens aconteceram na Basílica de San Vitale e no Mausoléu de Galla Placidia. Esta basílica é um exemplo importante da arquitetura bizantina primitiva na Europa e foi usada para cenas ambientadas em Chersonesus.

O filme foi lançado em duas versões, uma versão familiar com restrição de idade de 12+, e uma versão completa, com uma classificação de 18+. De acordo com a Radio P4 Stockholm, o filme também será lançado como uma série de TV, com horas de filmagem que não chegaram ao lançamento cinematográfico.

O autor da trilha sonora do filme é o compositor e produtor russo Igor Matvienko. A trilha sonora foi criada por dois anos. Anteriormente, o compositor estudou música dos séculos 9-10, conheceu a era do Príncipe Vladimir. Os especialistas dos Especialistas do Gnessin State Musical College estiveram envolvidos na gravação de cópias de instrumentos antigos da época (hurdy-gurdy, gudok, pandeiros e gusli) foram encomendados. Faixas foram gravadas nesses instrumentos e os fonogramas foram mixados com um sintetizador. Um estúdio especial foi equipado para gravar música. Participaram do trabalho o produtor Igor Polonsky, os arranjadores Artyom Vasiliev, Alexander Kamensky, Rafael Safin, o solista do grupo Gorod 312 Aya e muitos outros.

Os trailers do filme (e parte do filme) foram marcados pelo compositor irlandês Dean Valentine. A música dos namorados foi gravada com a Orquestra da Irlanda. Valentine é mais conhecido por sua música original para trailers, incluindo Captain America: Civil War, Interstellar e American Sniper, mas ele também fez trilhas sonoras de documentários irlandeses e filmes como Tiger Raid e Clos to Evil.

Viking foi lançado na China em 10.000 telas sob um acordo fechado entre a Central Partnership e os distribuidores chineses Flame Node Entertainment e Beijing United Film Artists Co. O filme foi lançado na Alemanha em DVD e Amazon Prime Video (serviço SVOD) em 29 de abril, estreiou na Suíça no Festival Internacional de Cinema Fantástico de Neuchatel em 4 de julho. Viking foi lançado no Reino Unido em 18 de setembro de 2017 e na França em 10 de outubro de 2017, no festival Absurde Seance. No total, este filme foi vendido para mais de 80 territórios, tornando-se um dos maiores vendedores internacionais da Rússia em 2017 ano. O filme foi lançado nos EUA via Amazon Prime Video em outubro de 2018.

Apesar da campanha avassaladora de marketing e propaganda, a recepção do filme na mídia russa foi mista e negativa. Muitos críticos em revistas como Afisha, Time Out Russia e GQ Russia elogiaram o visual do filme, mas ridicularizaram a história e o retrato tendencioso dos russos medievais. O público criticou o filme pela forte propaganda cristã e pelo desvio significativo dos fatos históricos, bem como pelo trabalho de câmera ruim e pela qualidade de produção bastante baixa, apesar de um orçamento enorme.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo