The Craft: Jovens Bruxas – O Legado (Crítica 1996 – 2020) - NoSet
Cinema

The Craft: Jovens Bruxas – O Legado (Crítica 1996 – 2020)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais um remake e reboot de um cult filme dos anos 90, que influenciou uma geração. The Craft: Legacy é um filme americano de terror sobrenatural de 2020, escrito e dirigido por Zoe Lister-Jones. O filme é um reboot / sequela do filme cult de 1996, The Craft, e é estrelado por Cailee Spaeny, Gideon Adlon, Lovie Simone, Zoey Luna, Michelle Monaghan e David Duchovny . Jason Blum atuou como produtor sob sua bandeira da Blumhouse Productions.

The Craft: Jovens Bruxas (1996)

Direção Andrew Fleming, roteiro Andrew Fleming e Peter Filardi, elenco Robin Tunney, Fairuza Balk, Neve Campbell, Rachel True, Skeet Ulrich e Assumpta Serna. Distribuição Columbia Pictures, lançamento nos Estados Unidos 3 de Maio de 1996.

Sinopse: The Craft é sobre Sarah Bailey, uma adolescente que se muda de São Francisco, Califórnia para Los Angeles e que acaba fazendo amizade com três garotas – Nancy, Bonnie e Rochelle – que lhe ensinam bruxaria. Quanto mais se aprofundam na magia com intenções negativas, mais experimentam sorte e colocam maldições seus inimigos. Sarah, interpretada por Robin Tunney, entretanto, separa-se das outras três garotas à medida que percebe que elas vão longe demais com seus planos e logo descobre que suas melhores amigas podem se tornar suas piores inimigas. Mais tarde, descobre que sua falecida mãe foi uma poderosa bruxa do bem e que, diferentemente de Nancy, Bonnie e Rochelle, possui o dom da bruxaria.

Curiosidades: O filme empregou efeitos especiais de ponta, apresentando a “moda gótica” e o comportamento pagão para a geração MTV de uma maneira atraente. Por essa exposição, muitos adolescentes se interessaram por paganismo e bruxaria, especialmente wicca. Ainda que muito desse interesse tenha passado, o filme ajudou religiões menos conhecidas a “aparecerem” por um tempo. The Craft é uma obra de ficção, mas muitos detalhes desta obra são baseados em crenças e práticas neo-pagãs.

O conceito de The Craft veio de uma colaboração entre o produtor Douglas Wick , que queria criar um filme sobre a experiência do ensino médio combinada com bruxaria, e o roteirista Peter Filardi, que pesquisou extensivamente o assunto e escreveu o rascunho inicial. Andrew Fleming foi contratado para dirigir e produzir a versão final do roteiro.

85 outras atrizes foram testadas para os quatro papéis principais, incluindo Angelina Jolie e Alicia Silverstone. Rachel True e Fairuza Balk foram os primeiros a serem escalados para seus respectivos papéis. O personagem de Rochelle foi reescrito quando True foi escalado para ser negra, incorporando a subtrama do racismo como o principal conflito do personagem. Robin Tunney foi inicialmente escalada para o papel de Bonnie, mas os produtores decidiram que ela seria melhor no papel de Sarah, que ela foi persuadida a aceitar apesar de preferir o primeiro. Neve Campbell, a mais conhecida das quatro atrizes por seu papel em Party of Five, foi então escalado como Bonnie. Tunney raspou a cabeça para seu papel na Empire Records e teve que usar uma peruca durante as filmagens.

A produção recrutou um estudioso e praticante da wicca chamado Pat Devin para atuar como consultor no set para o filme. Ela escreveu os encantamentos usados ​​e garantiu que o tratamento do assunto wiccaniano fosse o mais preciso e respeitoso possível.

As filmagens ocorreram em Los Angeles, incluindo o Aeroporto Internacional de Los Angeles , Sunset Boulevard e Broadway . Verdugo Hills High School foi o cenário para a escola católica fictícia, St. Benedict’s Academy; o desenhista de produção Marek Dobrowolski adicionou diferentes estátuas religiosas ao longo do prédio e do terreno. A casa de Sarah no filme era uma mansão espanhola de 2 andares e os interiores foram construídos em um estúdio no Culver City Studios. A livraria do ocultismo foi filmada no El Adobe Marketplace em Hollywood Boulevard. A sala foi repintada e aprimorada e ícones ocultos como velas, estigmas, estátuas religiosas, máscaras e bonecos tribais foram adicionados para dar efeito. O Jensen’s Recreation Center em Echo Park foi escolhido para evitar o uso excessivo de locais frequentemente vistos em Los Angeles. Durante as filmagens, um acidente não relacionado ocorreu em que uma criança foi ferida; o médico da produção viu isso e chamou os paramédicos. O altar improvisado foi colocado em Wood Ranch, um local que Dobrowolski chamou de o mais difícil de encontrar. Dobrowolski queria evitar parques bem cuidados como o Griffith Park. A convocação para a praia aconteceu no Parque Estadual Leo Carrillo, escolhido porque sua crista o tornava menos entediante visualmente.

Os efeitos de maquiagem foram concebidos e criados por Tony Gardner e sua empresa de efeitos especiais Alterian, Inc., que também criou os tubarões encalhados para o filme.

The Craft: Music from the Motion Picture foi lançado em 30 de abril de 1996 pela Columbia Records em CD e fita cassete, um mês antes do lançamento oficial do filme nos Estados Unidos. A trilha sonora contém uma coleção de canções, de acordo com o tema do filme, de vários artistas, incluindo Heather Nova, Letters to Cleo e Spacehog. Versão de Nova de ” I Have the Touch “, originalmente interpretada por Peter Gabriel, que apareceu durante os créditos finais do filme, foi incluída exclusivamente na trilha sonora e não está disponível como single ou em nenhum dos álbuns de Nova, nem ela canta a música em show. As faixas do filme, intituladas “Sick Child”, ” Fallin” e “Scorn” interpretadas por Siouxsie e os Banshees, Connie Francis e Portishead respectivamente, foram omitidas da trilha sonora devido a problemas de direitos autorais de suas gravadoras. No entanto, eles foram incluídos no filme apenas como parte de um acordo com a PolyGram Film & Television Licensing. Uma faixa bônus não creditada, “Bells, Books, and Candles”, composta por Graeme Revellpara a trilha sonora do filme, foi incluída na trilha sonora. Uma trilha sonora subsequente, The Original Motion Picture Score, foi lançada em 18 de junho de 1996 por Varèse Sarabande e continha a trilha sonora do filme, que foi inteiramente composta e produzida por Graeme Revell.

Crítica Mundial: The Craft recebeu críticas mistas em seu lançamento e atualmente detém uma taxa de aprovação de 56% no Rotten Tomatoes com base em 57 críticas, com uma média ponderada de 5,49 / 10. Consenso do site lê: ” The Craft ” exagera na mágica e em muitas vezes substitui a mensagem feminista no núcleo do filme, mas seu elenco atraente e a perspectiva pós-moderna ainda lança um feitiço esporádico nos fãs”.  Emanuel Levy, da Variety, descreveu-o como “um filme bem elaborado que começa de forma mais promissora como uma comédia acida à la Heathers, mas gradualmente sucumbe ao seu maquinário complicado de efeitos especiais”.  Roger Eberttambém sentiu que o filme estava atolado em excessivos efeitos especiais, mas elogiou as performances dos quatro protagonistas, assim como Mick LaSalle do San Francisco Chronicle. Stephen Holden do The New York Times ecoou outras críticas, elogiando a primeira metade do filme como uma “celebração do não-conformismo adolescente e da independência feminina”, mas criticou a última metade como um “sermão pesado sobre carma” com ” berrantes “efeitos especiais.  Rita Kempley do The Washington Post chamou de “uma mistura de Hawthorne, Heatherse Hollywood hocus-pocus “que não deixou de ser uma” bagunça borbulhante de um filme que nos deixa mais incomodados do que enfeitiçados “.

Moura do Noset ama o filme e dá nota máxima, com uma trama envolvente e um elenco de primeira, Jovens Bruxas é um filme cult inovador dos anos 90 com o mesmo conteúdo que The Lost Boys (Garotos Perdidos) e gerou a série para tv chamada Charmed (1998) com o mesmo conteúdo.

O filme foi indicado ao prêmio Saturn de Melhor Filme de Terror e Fairuza Balk de Melhor Atriz Coadjuvante. [16] Balk e Tunney também ganharam o prêmio MTV Movie de Melhor Luta.

Referencia Cultural: O filme estreou em primeiro lugar nas bilheterias norte-americanas, arrecadando US$ 6.710.995 e foi um grande sucesso, que Columbia atribuiu a adolescentes e mulheres jovens, que responderam aos seus temas. De acordo com Box Office Mojo, The Craft é o 11º filme de maior bilheteria desde 1980 lidando com o gênero de bruxas.

O filme costuma ser rotulado de ” clássico cult ” e conquistou uma base de fãs leais e presença nas redes sociais. O Huffington Post, escrevendo em 2016, elogiou The Craft por se afastar dos clichês do gênero de filme adolescente e incorporar temas mais sombrios, dizendo que se tornou “parte do cânone adolescente dos anos 90 e um clássico cult por seu próprio mérito.” A revista Complex elogiou a relevância do filme 20 anos depois, dizendo que “parece muito mais progressivo do que muitos dos filmes que são lançados hoje” e chamando a exibição do filme de “um rito de passagem” para mulheres jovens.

Em 2013, três das atrizes principais, com exceção de Fairuza Balk, se reuniram para uma exibição especial de Halloween do filme no cemitério Hollywood Forever. The Craft serviu de inspiração para a música ” Dark Horse ” de 2013, de Katy Perry.

Uma sequência direta para DVD estava em andamento, mas foi encerrada. Em maio de 2016, a Sony Pictures anunciou que uma sequência de The Craft atualmente em desenvolvimento e seria escrita e dirigida por Leigh Janiak. O anúncio da sequência gerou reações negativas dos fãs do original.

Em março de 2019, foi anunciado que o desenvolvimento da sequência havia sido superado por Jason Blum e sua empresa Blumhouse Productions, com o filme a ser distribuído pela Columbia Pictures. Zoe Lister-Jones assinou contrato para escrever e dirigir com filmagem programada para começar em julho de 2019. Daniel Casey mais tarde juntou-se à produção como roteirista. Em junho de 2019, Cailee Spaeny foi escalado como um dos protagonistas. Em setembro de 2019, Gideon Adlon, Lovie Simone e Zoey Luna foram escalados para os três papéis principais restantes. Em outubro de 2019, David Duchovny juntou-se ao elenco em um papel não revelado. Mais tarde, Michelle Monaghan se juntou ao filme em um papel não revelado. Mais dois anúncios de elenco foram feitos em outubro de 2019, também em papéis não revelados, Nicholas Galitzine e Julian Gray.  As filmagens começaram em 22 de outubro de 2019.

No final de setembro de 2020, a Sony lançou um trailer oficial e anunciou que, em vez de um lançamento nos cinemas, o filme seria lançado On Demand em qualquer lugar em 28 de outubro de 2020.

The Craft: Legacy – Jovens Bruxas: O Legado (2020)

Dirigido por Zoe Lister-Jones, produzido por Douglas Wick, Lucy Fisher e Jason Blum, escrito por Zoe Lister-Jones baseado em The Craft de Andrew Fleming e Peter Filardi. Estrelando Cailee Spaeny, Gideon Adlon, Lovie Simone, Zoey Luna, Michelle Monaghan e David Duchovny. Produção Columbia Pictures, Blumhouse Productions e Red Wagon Entertainment, distribuído por Sony Pictures Lançamento, data de lançamento 28 de outubro de 2020 (Estados Unidos).

The Craft: Legacy foi lançado nos Estados Unidos por meio de vídeo sob demanda pela Sony Pictures Releasing em 28 de outubro de 2020. Recebeu críticas mistas dos críticos.

Sinopse: Três garotas, Frankie, Tabby e Lourdes tentam congelar o tempo com magia, mas não conseguem, pois precisam de um quarto membro. Lily Schechner muda-se para a cidade com a mãe terapeuta, Helen, para viver com o namorado de Helen, Adam Harrison, e os três filhos, Jacob, Isaiah e Abe. As meninas se tornam amigas de Lily depois que ela tem seu período na aula e são ridicularizadas por seus outros colegas, especialmente Timmy, e ficam maravilhadas quando ela empurra Timmy telecineticamente para dentro dos armários. Quando Lily responde a eles usando apenas sua mente, as garotas a confirmam como seu quarto membro e a convidam para se juntar ao coven com o qual ela concorda. Como resultado, eles conseguem congelar o tempo.

Crítica: Infelizmente The Craft Legacy funcionaria muita melhor como um piloto de série do que um filme completo, com um vilão descente e uma história assustadora. Por mais romântico e saudosista que você seja para ver um remake, temos que dizer que raramente após 24 anos essa mesma fórmula funcionaria. Legacy não é um filme de terror ou suspense, não há um clima real de interesse e entrega tudo de bandeja para quem está assistindo o tempo todo.

A diretora e roteirista Zoe Lister-Jones (Lola Contra o Mundo) erra em tudo o filme todo, não sabendo bem desenvolver uma história sobre a descoberta feminina, a luta contra o patriarcado e a bruxaria moderna, transformando tudo em uma linha reta do primeiro arco ao último. Não há uma evolução visual dos personagens e todos são inocentes ou mal explorados demais, terminando a história assim como começam.

Do elenco Cailee Spaeny (Círculod e Fogo) como Lily Schechner, Lovie Simone como Tabby, Zoey Luna como Lourdes e Gideon Adlon como Frankie estão dispensáveis de tão fúteis e sem conteúdo seus personagens se apresentam.

David Duchovny (Arquevi X) como Adam Harrison está péssimo em tudo e com a pele tão puxado de plásticas no rosto que parecia estar sorrindo em todas as cenas. Michelle Monaghan (Missão Impossível) como Helen Schechner é quase frustrante de tão sem peso seu personagem atua em todo o filme, só servindo para ser a chave do ato final.

A participação final de Fairuza Balk, voltando ao papel de Nancy Downs, no final do filme, deixa claro que o filme funcionaria melhor como piloto de um seriado do que um filme, assim como uma menção ao deus Manon.

Curiosidades: No Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 47% com base nas críticas de 76 críticos, com uma média de 5.55 / 10. O consenso dos críticos do site diz: “Embora a diretora Zoe Lister-Jones tenha criado um novo caminho para os esquisitos de hoje, os feitiços de The Craft: Legacy podem encantar apenas os fãs do original.” No Metacritic , o filme tem uma pontuação de 55 em 100 com base nas análises de 23 críticos, indicando “análises mistas ou médias”.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo