Snyder Cut: Fatos, Mitos e Possibilidades. - NoSet
Cinema

Snyder Cut: Fatos, Mitos e Possibilidades.

Salve Nosetmaniacos, eu sou o Marcelo Moura e junto com meu fiho, Matheus Lopuff, hoje falamos da  versão de Liga da Justiça Corte do diretor Snyder que irá ao ar de 2021 pela HBO.

Liga da Justiça (2017): Com um Orçamento  US$ 300 milhões e uma receita de US$ 660 milhões, Liga da Justiça é um filme de super-herói americano de 2017, baseado na equipe homônima da DC Comics, distribuído pela Warner Bros. Pictures, sendo o quinto filme do Universo Estendido DC. Dirigido por Zack Snyder e Joss Whedom (corte final) e roteirizado por Chris Terrio e Joss Whedon (corte final), a partir de uma história de Snyder e Terrio, o filme é estrelado por Ben Affleck, Henry Cavill, Amy Adams, Gal Gadot, Ezra Miller, Jason Momoa, Ray Fisher, Jeremy Irons, Diane Lane, Connie Nielsen, J. K. Simmons e Ciarán Hinds.

O filme foi anunciado em outubro de 2014, as filmagens começaram em 11 de abril de 2016 e terminaram em 14 de outubro de 2016. Posteriormente, Joss Whedon foi contratado para escrever cenas que seriam filmadas durante as re-filmagens; no entanto, Snyder deixou o projeto em maio de 2017 após a morte de sua filha. Whedon dirigiu as cenas adicionais, além de mudo muito do material produzido, para dar um aar mais leve ao filme, devido ao descontentamento dos produtores com o resultado de Esquadrão Suicida de David Ayer.

A pré-estreia de Liga da Justiça ocorreu em Pequim no dia 26 de outubro de 2017. No Brasil, foi lançado em 15 de novembro de 2017, chegando em Portugal no dia seguinte. Estreou nos Estados Unidos em 17 de novembro de 2017 nos formatos convencional, 3D e IMAX 3D. Recebeu críticas mistas da crítica especializada, destacando-se as performances do elenco, em especial Gadot e Miller, as seqüências de ação e os efeitos visuais, enquanto o enredo, a narrativa, o ritmo, o vilão e o excessivo uso de CGI foram recebidos de forma negativa. O tom do longa-metragem obteve uma recepção polarizada, com alguns elogiando por ser mais leve do que os filmes anteriores da DCEU, enquanto outros avaliaram isso como inconsistente. Com um orçamento estimado em US$ 300 milhões, é o quarto filme mais caro da história do cinema após Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides, Avengers: Age of Ultron e Avengers: Infinity War. Arrecadou mais de US$ 657 milhões mundialmente, sendo o décimo quarto longa-metragem de maior bilheteria no ano. Ocupou a décima posição entre as maiores arrecadações de 2017 no mercado interno, Estados Unidos e Canadá, com US$ 229 milhões. Ficou abaixo das expectativas, com perdas estimadas entre US$ 50 e US$ 100 milhões para a Warner Bros. Pictures. É o título de menor receita do Universo Estendido DC na bilheteria doméstica e mundial.

Liga da Justiça Versão Corte do Diretor:  O que é fato: Após muita polêmica e uma campanha ardorosa dos fãs sobre uma versão que somente o diretor Snyder tinha acesso e que traria de volta a gloriosa versão final de Liga da Justiça, em maio de 2020, o serviço de streaming HBO Max anunciou o lançamento de um corte do diretor do filme, Zack Snyder’s Justice League, para 2021.

Em abril de 2014, foi anunciado que Snyder também estaria dirigindo o roteiro de Liga da Justiça. Warner Bros. chamou Chris Terrio para reescrever Liga de Justiça em julho. Em 15 de outubro de 2014, a Warner anunciou que o filme seria Lançado em duas partes, com a primeira parte lançada em 17 de novembro de 2017 e a segunda parte em 14 de junho de 2019, com Snyder dirigindo ambos os filmes, muito parecido com Vingadores nos cinemas. No início de julho de 2015, EW revelou que o roteiro de Liga da Justiça Parte Um tinha sido completado por Terrio. Snyder afirmou que o filme é inspirado pelo tom de aventura espacial do quadrinista do mestre Jack Kirby. Snyder também citou o filme japonês Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa, como uma inspiração. Embora Liga da Justiça tenha sido inicialmente anunciado como um filme em duas partes, com a segunda parte lançada dois anos após a primeira, Snyder anunciou em junho de 2016 que seriam dois filmes distintos separados e não um filme dividido em duas partes, sendo ambos histórias autônomas.

Em julho de 2015, foi revelado que as filmagens começariam na primavera de 2016 após o fim das filmagens de Mulher Maravilha. As filmagens começaram em 11 de abril de 2016, ocorrendo no Warner Bros. Studios, Leavesden, assim como várias locais em torno de Londres, Escócia, Los Angeles e na vila Djúpavík, na Islândia. O cinegrafista de longa data de Snyder, Larry Fong, foi substituído por Fabian Wagner devido a conflitos de agenda. Affleck também foi confirmado como produtor executivo. Em maio de 2016, foi revelado que Geoff Johns e Jon Berg estarão produzindo os filmes da Liga da Justiça e também estarão no comando do Universo Estendido DC. Johns confirmou em 3 de junho de 2016, que o título do filme é apenas “Liga da Justiça”, após rumores de que teria um subtítulo. Nesse mesmo mês, Irons afirmou que o enredo de Liga da Justiça será mais linear e simples, em comparação com Batman v Superman: Dawn of Justice. Johns afirmou depois que o filme seria “esperançoso e otimista” em comparação com os filmes anteriores da franquia. Momoa confirmou via Instagram que as filmagens terminaram em Londres em 1 de outubro de 2016. Em 7 de outubro de 2016, Zack Snyder compartilhou no Twitter um vídeo dos bastidores em comemoração ao último dia de filmagens no Reino Unido. Em 14 de outubro, Momoa confirmou via Instagram que as filmagens haviam terminado na Islândia.

Na Pós-produção, em Maio de 2017, Snyder deixou o processo de pós-produção do filme para lidar adequadamente com a morte de sua filha. Joss Whedon, que já tinha sido anteriormente reencaminhado para trabalhar no roteiro com cenas adicionais, assumiu as funções da pós-produção no lugar de Snyder. Em julho de 2017, foi anunciado que o filme estava passando por refilmagens. As refilmagens coincidiram com a agenda de filmagem de Cavill para Missão Impossível 6, pelo qual ele cresceu um bigode que ele foi contratado para manter enquanto filmava, então a equipe VFX da Liga da Justiça teve que recorrer ao uso de efeitos especiais para remover digitalmente o bigode nas cenas.

Em março de 2016, Hans Zimmer, que compôs a trilha de Man of Steel e Batman v Superman: Dawn of Justice, afirmou que ele está oficialmente aposentado do “negócio de super-heróis”. Em junho de 2016, foi substituído por Junkie XL, que escreveu e compôs a trilha sonora de Dawn of Justice ao lado de de Zimmer.Em junho de 2017, Danny Elfman foi anunciado para substituir Junkie XL. Anteriormente, Elfman compôs Batman, Batman Returns e a música tema de Batman: The Animated Series. Elfman confirmou que ele estaria usando a música tema do Batman do filme de 1989 no filme, e também usaria brevemente o tema do Superman de John Williams. Gary Clark Jr. e The White Stripes também foram destaque no álbum de Liga da Justiça, Gary cantou um cover da música Come Together dos The Beatles para o filme.

A reação divida em relação ao final do filme, com Zack Snyder deixando os trabalhos de diretoria e a edição final do filme nas mãos de Joss Whedon, levou a um argumento comparando a situação com a vivida pelo filme Superman II. Tanto Liga da Justiça quanto Superman II apresentam um diretor que foi substituído, por diferentes razões, antes da conclusão de um filme, o que levou um segundo diretor a entrar e fazer mudanças substanciais no tom de cada filme. Embora o raciocínio por trás da saída de cada diretor seja diferente, Richard Donner conseguiu concluir sua reedição de Superman II em 2005. Na crença de que Snyder havia filmado material suficiente para um filme terminado, uma campanha para um “Snyder cut” foi iniciada para permitir que Snyder receber um tratamento semelhante ao de Donner. Argumenta-se que a visão de Snyder seria mais coesa com os filmes anteriores do que a versão lançada o cinema, que Snyder se recusou a ver. A Warner Bros permaneceu em silêncio oficialmente sobre qualquer intenção de fazer um “Snyder cut”.

Em março de 2019, Snyder confirmou que sua edição original existe e afirmou que depende da Warner Bros. lançá-la. Em novembro, no entanto, uma fonte afirmou que é improvável que a Warner Bros. lance a versão de Snyder de Liga da Justiça nos cinemas ou no HBO Max. Em dezembro, porém, Snyder postou uma foto em sua conta no Vero, que mostrava caixas com fitas rotuladas como “Z.S. J.L Director’s cut” e com a legenda “Is it real? Does it exist? Of course it does.” (“É real? Existe? Existe? É claro que sim”). Em maio 20 de março de 2020, Zack Snyder anunciou oficialmente, durante uma sessão de perguntas e respostas após uma Watch party de Man of Steel no ‘Vero, que a HBO Max lançaria sua edição de Liga da Justiça em seu serviço em 2021. A reedição custará entre 20 e 30 milhões de dólares para concluir os efeitos especiais, a partitura e a edição musical, e será uma versão de quatro horas ou uma minissérie de seis partes da visão original de Snyder do filme.

Mitos e Possibilidades: Muito se falou e ainda vai se falar sobre a versão do Snyder até 2021, tudo baseado nas fotos que o diretor lançou na internet durante esses três anos, mas o que sabemos realmente é que vai ser uma versão mais sombria e menos otimista do que a versão de Whedom (Vingadores) para os cinemas. Isto é positivo ou negativo, só o futuro dirá, pois apenas esse fato não garante uma obra melhor ou que vai agradar mais os fãs. Talvez o mais importante é Liga da Justiça ter uma nova chance, mas só também lembrarmos que Snyder também erra, assim como no famoso ¨Efeito Martha” que gerou tantas críticas e piadas em Superman VS Batman.

Segundo Snyder em suas entrevistas durantes esse período de gestação, teremos mais cenas da Ilha Paraíso, a participação do Caçador de Marte, Lanternas Verdes com a possibilidade de um Hal Jordan na trama, um renascimento descente do Superman (com seu uniforme preto), um Batman menos sensível e chorão, a relação do Cyborg e sua caixa materna junto a Apokolis, finalmente a presença a Darkseid na trama e um Stepwolf mais aterrador e menos galhofeiro.

É bom deixar claro que os UR$ 30 milhões não está incluído a volta do elenco principal para filmagens ou mesmo trabalho em cenas externas, então vamos ter novos CGI´s para cobrir ou mesmo corrigir cenas inacabadas. Esse assunto até foi discutido de TR mais cenas, mas não houve um acordo financeiro entre a Warner e a HBO sobre o assunto, pois encareceria ainda mais a obra.

Baseado nos comentários do diretor esses anos, o filme terá uma influência “possivelmente forte” nos arcos do Flashpoint, com a volta de Barry ao passado, fato visto no filme Batman VS Superman na seqüência do sonho de Bruce Wayne com o Flash, com o Superman o fazendo prisioneiro e da terra dominada pelo Darkseid. Arcos muito semelhantes a Injustice dos games e HQs e ao Liga da Justiça: War e Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolis, onde teremos a batalha contra Darkseid.

O final do Snyder Cut vai realmente depender das intenções do diretor, HBO e Warner / DC Comics de finalizar o projeto ou começar algo para o futuro da franquia, como Superman 2   e a possibilidade de Cavil voltar ao uniforme azul em Homem de Aço 2, mas estas são conjecturas e novamente, depende do resultado do projeto junto a HBO. O futuro do diretor não está claramente definido como seqüência deste trabalho, principalmente porque existe ainda J.J. Abrams e seu contrato de nove filmes.

Este lançamento da versão do diretor não é o prenuncio de uma nova era, mas sim a possibilidade da Warner / DC Comics / HBO, ter um novo mercado cinematográfico rentável, até mesmo em uma época de pandemia. Quantos filmes podem ter a versão CUT que pode alavancar mais ainda o mercado streaming com um custo realmente baixo. Temos casos da versão do diretor lançada em DVD e Bluray como Superman II, O Exorcista I, Tróia, Senhor dos Anéis, Batman VS Superman entre tantos outros que já tem mercado, com muito mais conteúdo e uma visão diferenciada da que foi lançada pelos produtores, agradando na maioria os fã do gênero, que lançar esse material especial pelo diretor pode se tornar um hábito e ser uma maneira rentável, de no caso de fracassos como Liga da justiça (Snyder), Esquadrão Suicida (Aya) e até mesmo Quarteto Fantástico (Trank), ok, esse último da Marvel foi uma piada, fazer mais dinheiro.

Darkseid: A História do Maior Vilão Cósmico da DC Comics.

A versão Streameing provavelmente servirá para encerrar a versão de Snyder para sua Liga da Justiça, deixará em aberto uma possível continuação, que provavelmente não ocorrera, como um final igual a animação de  Liga da Justiça: War, onde Darkseid e seu exército são derrotados é expulsos da terra. Um final em aberto que geraria uma continuação direta seria a possibilidade de Snyder voltar a comandar um filme e, neste momento, as apostas vão contra, principalmente devido ao sucesso de filmes como Coringa (2019) de Todd Philips, com a bilheteria de um bilhão de dólares e o Oscar de Melhor Ator para Phoenix e o projeto maldito de The Batman que parece fadado ao fracasso, tudo isso indica que a Warner tem uma visão diferente e mais barata do que sua concorrente, usando um universo de Multi-terras, onde heróis e vilões podem ter atores diferentes, dependendo do contexto da história. Filmes caríssimos com US$ 300 milhões na produção estariam fora de cogitação, neste momento. A aposta está agora no mercado de séries no streaming , onde já temos vários projetos em andamento com um resultado bem acima da média, como exemplo Titãs, Lucifer,The Flash, Supergirl, Monstro do Pântano, Patrulha Destino e Stargirl.

Um exemplo desse novo pensamento é em Crises das Infinitas Terras da The CW lançado em 2019, onde finalmente tivemos o encontro de dois Flashs de universos diferentes. Em um capítulo dos mais ícones, tivemos o encontro dos Barry´s Allen, o do cinema interpretado por Enzra Miller e o da TV interpretado por Grant Gustin, deixando até claro que Gustin é um Flash maduro e conhecedor de seus poderes, enquanto Miller está iniciando sua jornada.  Essa nova jornada da DC Comics juntio com a Warner, além da cirse da pandemia e o atraso em produções como Mulher Maravilha, Batman e Aguaman, apontam para um mercado mais restrito nos próximos anos e menos investimentos no cinema, mas como já falei, esses são especulações de mercado.

Gostaria muito de agradecer ao meu filho Matheus Lopuff, por passar quase uma hora comigo debatendo o assunto e trazendo nova luz sobre o futuro da DC Comics nos cinemas. Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo