Você não está sozinho – “Espírito de Família” - NoSet
Review

Você não está sozinho – “Espírito de Família”

Conviver em família nem sempre é fácil, mágoas do passado podem fazer com o presente não seja aproveitado como se deve, molda-se as relações e a própria personalidade. No caso de Alexandre e Jacques, de “Espírito de Família”, essas mágoas tiveram se resolver no pós-vida.

O filme está disponível nas seguintes plataformas digitais: NOW, Looke, Microsoft, Vivo Play, Google Play, iTunes e Sky Play.

Essa é a nova comédia francesa chega aos catálogos brasileiros das plataformas digitais no dia 17 de setembro, por distribuição da A2 Filmes. A produção conta com a direção de Eric Besnard e é estrelado por Guillaume de Tonquédec, Josiane Balasko, Mari-Julie Baup, Jérémy Lopez, François Berléand, Isabelle Carré e Jules Gauzelin. A trama é embalada pela música “Father and Son”, de Cat Stevens.

A equipe do NoSet teve acesso exclusivo à produção!

A família de Alexandre é minimante extravagante. Seu pai, Jacques, é um famoso fotógrafo e, embora seja conhecido por ser uma pessoa muito boa, ele era ausente na infância de Alexandre e de seu irmão, o que teve efeitos diferentes entre eles.

Em uma reunião de família essas diferenças são bem visíveis. Alexandre, que é escritor, passa o tempo inteiro de frente para seu computador tentando finalizar um romance, sem prestar atenção ao pais, ao filho e para o restante da família. O pai tenta chamar atenção dele, conversar enquanto ele escrevia, resgatando memórias, mas tudo que Alexandre faz é pedir para ficar sozinho.

Minutos depois Jacques tem um mal súbito e morre.

Pelos próximos meses Alexandre se torna ainda mais estranho. Ele já era visto como egocêntrico, mas agora até falar sozinho ele falava. Acontece que ele estava sendo assombrado pelo espírito de seu pai, achando que estava enlouquecendo, mas não conseguia entender o porquê aquilo estava acontecendo e como acabar com aquilo.

A família decide se reunir novamente, momento em que lembranças são colocadas em jogo, evidenciando os problemas atuais. Alexandre passou muito tempo aprendendo a ser sozinho, usando a criatividade para aquilo, porque sentia falta do pai na rotina, isso o tornou introspectivo e com a capacidade de saber se comunicar apenas com os personagens de seus livros.

Esse comportamento dele fazia com que as pessoas se afastassem, ninguém compartilhava seus problemas com ele porque achava que ele se incomodaria. E assim ele não sabia que o pai havia deixado dívidas para a mãe, que o irmão enfrentava problemas com a cunhada (e com o casamento em si) e não entendeu quando sua esposa disse que queria o divórcio.

Ele sequer sabia dos gostos do filho, porque mal passava um tempo de qualidade com o menino.

A reunião da família foi dolorosa por um lado, mas pelo outro fez com que todos se unissem e vissem esses detalhes que de longe ninguém ver. O espírito do pai serviu como um guia para que Alexandre aprendesse que não estava sozinho, nunca esteve e não precisaria estar, além de o fazer entender como viver de verdade, não só por meio dos seus personagens.

É um filme relativamente simples, sem grandes efeitos ou segredos de família dramáticos, apenas uma realidade que não se era discutida de forma alguma. O humor está no espírito do pai, que tinha um grande bom humor em vida, só que agora isso fazia com que Alexandre estivesse em situações bem desconfortáveis para ele (tipo, falar sozinho).

Aliás, ao assistir as cenas com espírito de Jacques eu fiquei imaginando como foram as gravações. Porque somente Alexandre via o espírito, mas em muitas cenas há outros personagens presentes e eles não podiam reagir ao espírito, eles não estariam vendo aquilo. E funcionou, mas fico imaginando alguém besta para rir igual a mim … Será que tiveram muitos erros de gravação? (eu amo assistir vídeo de bastidor e erros de gravação).

Também está no comportamento pós-traumático da cunhada de Alexandre e da mãe dele, Marguerite, mostrando como a morte de Jacques afetou todos de formas diferentes, além de outros problemas que vão se revelando aos poucos.

É interessante notar a diferença de comportamento de Alexandre, que começa super sério, centrado, controlado e distante, mas vai perdendo um pouco desse controle na medida que o espírito de Jacques vai fazendo graça só para ele. Na reunião de família esse controle some, o que faz ter um leve surto, depois disso ele começa a ver o quão precisava mudar. Até o semblante dele muda, no final do filme ele parece até mais novo do que no início.

A cena mais gostosa de assistir, sem dúvidas, é quando Marguerite está na cozinha no meio da madrugada e Alexandre e o irmão chegam, eles começam a conversar sobre algumas coisas aleatórias do dia e têm uma crise de riso daquelas lavam a alma. Termina com eles refletindo sobre o que precisariam fazer dali por diante, mas as risadas soltas eram o que precisavam naquele momento.

Lembrando que Alexandre era controlado, não chorava nem ria … mas ele aprendeu!

Não esperemos perder alguém para aprendermos a ser família, é melhor ter uma crise de riso com uma bobagem (o que vai virar história) do que guardar rancor (e quem está falando é uma canceriana).

ESPÍRITO DE FAMÍLIA
França | 2020 | 90 min. | Comédia Dramática

Título Original: L’Esprit de Famille
Direção: Éric Besnard
Roteiro: Éric Besnard
Elenco: Guillaume de Tonquédec, François Berléand, Josiane Balasko
Distribuição: A2 Filmes

Sinopse: Alexandre acaba de perder seu pai. No entanto, ele continua ouvindo, vendo e discutindo com ele. Só Alexandre consegue ver e falar com ele, o que causa preocupação em sua mãe e familiares, que o veem falar sozinho o tempo todo.

Até mais!

Topo