Shakespeare no Ensino Médio – “10 Coisas que Odeio em Você” - NoSet
Cinema

Shakespeare no Ensino Médio – “10 Coisas que Odeio em Você”

As comédias românticas adolescente tendem a ser mais fúteis, destinadas apenas à comédia, mas tem uma, do final da década de 1990, que saí um pouco da curva, fazendo inúmeras referências a Shakespeare.

Esse clássico se chama “10 Coisas que Odeio em Você”, de 1999, dirigido por Gil Junger e escrito por Karen McCullah e Kirsten Smith, que se inspiraram fortemente a peça “A Megera Domada”, de Shakespeare.

Atualmente o filme está disponível no catálogo nacional da Disney+, o que é uma grande vantagem para esse serviço de streaming, não ficando restrito às produções característica da Disney. Afinal, também amamos uma comédia romântica adolescente, cara de Sessão de Tarde … Valeu por isso Disney+.

Embora seja um clássico, muitos não conhecem, então vale relembrar essa história.

As irmãs Kat e Bianca Stratford estão sob regras rígidas do pai, a mais nova, Bianca, só pode namorar se a mais velha, Kat, também estiver namorando. Isso inclui sair em encontros, festas, dentre outras atividades.

Isso parece simples, mas não é. Kat é conhecida em todo o colégio como sendo uma megera antissocial, fama que ela até gosta de ostentar, porque decidiu há muito tempo que não queria se encaixar nos padrões exigidos pelos outros. Mas isso a deixa longe da ideia de namorar qualquer um dos meninos que frequentam a mesma escola.

Já Bianca é o oposto, apesar de não ser caloura no Ensino Médio (Kat está no último ano), ela é super popular, do tipo que atrai as atenções sem nem perceber. Além de está louca para aproveitar a adolescência como ver as amigas fazendo.

Dois pretendentes aparecem para Bianca, o doce e novato Cameron e o boçal e popular Joey. O último, na verdade, só está na competição para provar aos amigos que é capaz de conquistar a menina mais desejada do colégio, mas o primeiro está realmente apaixonado.

Cameron começa uma empreitada para conseguir, pelo menos, sair com Bianca, recebendo ajuda do atrapalhado Michael. Seguinte, eles fazem convencem Joey a pagar alguém para conquistar Kat, já que eles dois não têm dinheiro pra isso, assim ele poderia sair com Bianca. Na verdade, quando Kat fosse conquistada seria Cameron que sairia com Bianca, eles tirariam Joey da equação.

Cameron e Michael já tinha até alguém perfeito em mente, o misterioso Pat Verona, tão aparentemente antissocial quanto Kat, visto até como alguém perigoso. Joey paga Pat, que aceita o desafio.

Depois de várias tentativas frustradas, Pat percebe que precisa entender Kat, não usar as técnicas normais de paquera. Mas o resultado vai além do esperado, o clichê maravilhoso de “estava fingindo gosta de você, mas realmente me apaixonei”.

Ah, Bianca acaba vendo que Joey não vale nada e dá uma chance a Cameron. Michael também não sai no prejuízo, consegue conquistar alguém tão peculiar quanto ele, a amiga de Kat, Mandella.

E as referências à Shakespeare? Tem alguns detalhes que podem passar despercebido, como o sobrenome de Kat e Bianca e o nome da escola, Pádua, isso segundo o IMDB.

Mas a referência trazida pela personagem de Mandella é a mais interessante. Ela é completamente apaixonada pelo escritor, seu armário do colégio é quase um altar a ele, e ela acaba ajudando Pat a conquistar Kat de forma indireta, usando um poema shakespeariano.

Michael recorre a Mandella para conseguir informações sobre Kat, mas ela fala isso por meio de poema e o moço entender o recado, mas precisa “traduzir” isso para os amigos, porque tudo é muito poético e pouco prático. Além disso, ele convida Mandella pro baile com um bilhete ao estilo Shakespeare, eles vão para a festa a caráter até, uma das cenas mais fofas.

Tem também as intervenções da aula de literatura, dando abertura para a penúltima cena, uma das mais marcantes. O professor recita um poema de Shakespeare em forma de hip-hop e, em seguida, pede que os alunos façam algo semelhante, usem a estrutura do poema, mas escrevam algo autoral.

A tarefa é entregue depois um dia depois do baile, Kat está magoada com Pat, porque descobre que ele recebeu dinheiro para sair com ela (ela fez parte do esquema e tal), mas percebe que, pela primeira vez em muito tempo, estava apaixonada por alguém. Ela usa o poema para mostrar isso, resultando nesse poema:

“Odeio o modo como você fala comigo, e como corta o cabelo;

Odeio como dirigi o meu carro e odeio seu desmantelo;

Odeio suas enormes botas de combate e como consegue ler minha mente;

Odeio tanto isso em você que até me sinto doente;

Odeio como este sempre certo e odeio quando você mente;

Odeio quando me faz rir muito, ainda mais quando me faz chorar;

Odeio quando não está aqui por perto e o fato de não me ligar;

Mas odeio principalmente não conseguir te odiar;

Nem mesmo um pouco;

Nem mesmo por um segundo;

Nem mesmo só por te odiar”

Em português é lindo, mas em inglês é emocionante, assim como a cena em si. Inclusive, parece que a cena não foi ensaiada, Julia Stiles (Kat) recitou o poema sem Heath Ledger (Pat) saber o que iria acontecer, o resultado são reações verdadeiras …. Ah, muitas lágrimas verdadeiras de ambos os lados.

Saindo da referência à Shakespeare, o filme também é conhecido pela cena das escadarias. Pat precisa convidar Kat para o baile, mas ela está chateada com ele, para chamar atenção dela ele paga a fanfarra da escola e consegue pegar o microfone de avisos do ginásio. No meio do treino de futebol de Kat o moço aparece nas escadarias cantando “Can’t Take My Eyes Off You”, enquanto a fanfarra tocava a melodia.

Dentre as piadas e personagens extremamente caricatos, as referências shakespearianas e a mistura disso com o moderno (nos termos de 1999), esse filme entrega uma trama gostosa de acompanhar, um clichê nada irritante e casais para nos fazer suspirar (talvez seja brega, mas eram os 90’).

Não posso deixar de falar de uma coincidência minimamente engraçada, aliás, uma não, 02 coincidências e uma inspiração, todas relacionadas ao Coringa …  Sim, o Coringa, inimigo mortal do Batman.

Para começo de conversa, Heath Ledger interpretou um icônico Coringa em “Batman – Cavaleiro das Trevas”, filme lançado já depois de seu falecimento, esse mesmo personagem foi interpretado anteriormente por Jack Nicholson e depois por Jared Leto e Joaquim Phoenix

Juro que fará sentido a partir de agora!

Quando Cameron e Michael estão tentando ajudar Pat a entender Kat, Cameron pergunta a Bianca algumas coisas sobre a irmã, a resposta dela é que já tinha encontrado uma foto de Jared Leto na agenda de Kat.

Obs.: Parece que na versão alemã do áudio do filme eles substitui Jared Leto por Johnny Depp.

Uma das cenas mais marcantes do filme “Coringa”, de 2019, estrelado por Joaquim Phoenix, é o Coringa dançando loucamente em uma escadaria. Embora as circunstâncias sejam totalmente diferentes, muitas pessoas fizeram a ligação dessa cena com a cena de Pat cantando para Kat.

Detalhe, Ledger e Phoenix eram muito amigos!

Por fim, aparentemente uma das inspirações para o personagem Pat foram os trejeitos de Jack Nicholson ainda jovem.

Bom, claramente vocês já sabem que são as estrelas do filme, mas vale relembrar mais um pouquinho.

Julia Stilles deu vida a irritada Kat, a atriz ficou conhecida por esse filme, mas também por “Balanço no Amor” e alguns filmes da série “Supremacia Bourne”. Parece que ela deixou de atuar há alguns anos, o que é uma pena.

Heath Ledger interpretou o misterioso Pat, além do icônico Coringa de “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, ele também fez sucesso com “Casanova”, “O Segredo de Brokeback Mountain”, “O Patriota” e “Coração de Cavaleiro”.

Joseph Gordon-Levitt fez o doce Cameron, o ator é famoso por “500 Dias com Ela”, “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, “A Origem” e, mais recentemente, “Power”. Larisa Oleynik interpretou Bianca, ela também é conhecida pelo filme de terror “Jessabelle – O Passado Nunca Dorme”.

Andrew Keegan deu vida ao boçal Joey, que já era conhecido pela série “O Quinteto” e pela participação em “Independence Day”. David Krumholtz deu vida ao atrapalhado Michael, conhecido pelos filmes “Meu Papai é Noel” 1 e 2, “Madrugada Muito Louca”, “Uma Viagem Muito Louca” e “Superbad – É Hoje”.

Gabrielle Union interpretou a amiga falsa de Bianca, Chastity, ela é conhecida por alguns filmes do mesmo estilo, como “Ela é Demais”, mas também está presente em “Bad Boys” e “Pense como Elas”. Susan May Pratt deu vida a Mandella, embora esteja em outros filmes famosos, para mim ela sempre será Maureen, que nasceu com pés de bailarina, mas não com o coração de bailarina (perfeita tecnicamente, mas sem sentimento) de “Sob a Luz da Fama”.

O pai de Bianca e Kat, Walter, é vivido por Larry Miller, conhecidíssimo por muitos papeis cômicos, especialmente pelo cabelereiro Paolo dos filmes de “Diário de Princesa”. A diretora da escola, que só tem duas cenas, mas é inesquecível, é interpretada por Allison Janney, conhecida pela série “Mom” e outros filmes de comédia, mas também por papeis tão sérios que lhe renderam indicações ao Oscar, como em “Eu, Tonya”.

AH, eu já fiz um comentário sobre esse filme por aqui, mas foi em uma lista, que ainda está disponível, caso vocês queiram conferir!

Até mais.

Topo