Se Puder, Abrace - “A Cinco Passos de Você” - NoSet
Review

Se Puder, Abrace – “A Cinco Passos de Você”

Já preparou os lencinhos? Estão usando rímel a prova d’água? Pois se ajeite aí, porque “A Cinco Passos de Você” pode te levar às lágrimas!

Stella pode aparentar ser uma adolescente normal, sempre com um sorrisão no rosto e uma YouTuber em crescimento. O problema é justamente aquilo que a levou a fazer o canal, ela é portadora de fibrose cística, uma doença que ataca o sistema respiratório, fazendo que ela passe boa parte de seu tempo dentro de um hospital.

Ela compartilha toda sua rotina no canal até para que as pessoas saibam que doença é essa, mas mostra momentos únicos de sua vida. Outra características marcante dela é o eterno autocontrole e a obsessão pela organização.

Tem como culpar? A menina nasceu com essa doença, desde sempre teve que lidar com um coquetel de medicamentos, sabendo que esses medicamentos a fazem ter o mínimo de vida normal que pode ter! Então, sim, a louca da organização tem todos os motivos para reorganizar o carrinho de remédios dela.

Ao “lado” dela, seu melhor amigo, Poe, passa pelo mesmo processo, só que com menos organização e mais “vida”. Ele é obcecado por culinária e consegue alguns ingredientes inusitados, mas esconde o medo que sente de amar de verdade, mesmo já tendo tido alguns namorados.

Nesse mundinho do Grace Hospital, tudo sob o olhar vigilante de Barb, a enfermeira deles, algo muda, um novo morador chega. Will é o completo oposto de Stella, apesar de ter a mesma doença, é o típico rebelde, não está nem aí para o tratamento e nem tem fé de continuar vivendo.

Ele também tem razão, até certo ponto, lógico. Will contraiu uma bactéria fatal para portadores de fibrose cística, no caso dele nem um transplante de pulmão pode ser feito, e se fizesse nem faria diferença.

Portadores de fibrose cística não podem ter contato próximo, devem literalmente ficar a, pelo menos, cinco passos de cada, porque seria (mais ou menos) a distância que uma bactérias viajaria no ar caso alguém tussa. Sim, uma vida de limitações!

Se já é ruim entrar em contato com outros paciente, entrar em contato com quem já contraiu uma bactéria, aí sim seria um atestado de óbito na certa!

Will consegue enlouquecer Stella por dois grandes motivos: ele não tem amor a vida, está desperdiçando um leito de um hospital em um tratamento experimental, lugar esse que poderia ser ocupado com quem realmente deseja estar ali; e, por causa disso, ele não segue o tratamento como deveria.

A controladora louca ali, mesmo não podendo nem chegar perto e negando a quedinha que tem pelo crush, insiste em ajudar, e consegue. Depois descobre-se que ela se sente obrigada a viver, porque perdeu a irmã (saudável) em um acidente, então dedica-se inteiramente em seu tratamento, assim poderá passar por um transplante e poder vier intensamente sua vida.

Mesmo com tudo dizendo que não, Will e Stella se apaixonam! E poderiam até infringir todas as regras, jogar tudo para o alto, afinal “era só a vida”, como Will disse a Stella da primeira vez que se viram. Mas não, o garoto rebelde poderia até não ter amor a sua vida, mas tinha a vida de Stella como seu guia, ele nunca que a deixaria desistir de nada, nunca faria com que ela colocasse sua vida em risco só para a beijar, abraçar sequer.

Não, senhoras e senhores, este não é um filme em que os guerreiros protagonistas (quem vive mais no hospital do que em casa, mesmo que esse hospital mais pareça um hotel de luxo, é um guerreiro por natureza) terminam juntos!

Jogo logo o spoiler: ninguém morre também!

Stella consegue seu pulmão novo, mas isso não é garantia contra a bactéria de Will. O quadro clínico de Will não apresentou nenhuma melhora. Então ele decide que não irá arriscar a vida de Stella, tão sonhada e merecida, porque a amava tanto. 

Porque ele a amava tanto ele foi embora depois que ela recebeu o pulmão e ele teve a certeza de que ela ficaria bem. Despediu-se com estilo, deixou-a com a melhor das lembranças e se foi.

E aqui eu faço um apelo: façam mais filmes em que os casal não fique junto!!!

Contos de fadas são encantadores, superar limites juntos é inspirador, mas a vida real apresenta obstáculos que às vezes são impossíveis de quebrar, além de tudo, gosto de acreditar que o amor não é egoísta. Para que esse garoto iria desperdiçar a vida de quem tinha tanto pela frente por desejo seu? 

Eles passaram na vida um do outro por um motivo, para ela começar a viver ao invés de só lutar pela vida (dedicando-se apenas para o tratamento) e ele aprendeu o valor dessa luta. Com certeza são pessoas melhores depois desse encontro e serão felizes depois, essa era a missão do encontro deles, não uma grande e épica história de amor.

Quer dizer, é uma história de amor, de doação e de consciência, um amor maduro, que sabe exatamente o que deve fazer e faz, mesmo que isso deixe o coração em pedacinhos.

Fui assistir esse filme sem nenhuma expectativa e voltei reflexiva, encantada pelas decisões que a vida nos faz ter. Não chorei (esse seria o milagre), mas me envolvi e fiquei impactada com essa história. Saí me lembrando de “A Culpa é das Estrelas” e “Como Eu Era Antes de Você”, exatamente com a mesma conclusão: pessoas que precisavam se encontrar, mesmo que isso não significasse um relacionamento duradouro.

A mensagem final, que acaba abarcando toda a história, foi o que mais me atingiu: Se você puder, abrace!

Mais um spoiler para explicar a mensagem: Como Stella, Poe e Will não poderiam ter contato físico, algumas cenas doem de ver, cenas em que algum deles precisam de um ombro amigo, um abraço, um cafuné que fosse, mas não poderiam fazer isso.

Em uma cena Stella está super triste porque Will não quis falar com ela (Barb assustou o garoto), Poe tenta a consolar e diz: que droga, queria te abraçar agora!

Mas o mais devastador, o momento em que quase chorei, foi na cena em que Poe morre (sim ele morre). Ele e Stella são amigos há mais de uma década, ao ver o melhor amigo morto no chão do quarto dele ela se desespera e grita para Will: ele era o meu melhor amigo e eu nunca puder o abraçar!!!

VOCÊS TÊM NOÇÃO DISSO? Uma vida inteira conhecendo tudo da outra pessoa, mas nunca poder nem sequer apertar a mão, acalentar nos momentos difíceis! Eu quis correr dali e abraçar todos meus amigos naquela mesma noite, mesmo aqueles que não gostam muito e abraço.

E no final ela termina dizendo para seus seguidores para eles abraçarem que eles podem, porque faz a diferença.

O elenco foi o que mais vendeu esse filme (embora a história será o que o diferencia na indústria), porque o protagonista é Cole Sprouse (Will). Não sabe quem é Cole Sprouse? Lembra do filho de Adam Sandler em “O Paizão” ou do filho de Ross Geller em “Friends”? É ele!

Quer dizer, em “O Paizão” e em “Friends” Cole revezava com seu irmão gêmeo, Dylan, porque eram muito pequenos (mesma estratégia de Mary Katy e Ashley Olsen em “Full House”). Mas os dois estrelaram “Zack e Code: Gêmeos em Ação” e “Zack e Code: Gêmeos a Bordo” na Disney, passando praticamente a adolescência inteira na frente da telinha. Atualmente Cole está em “Riverdale”.

O que não falaram é que Poe também é um fruto da Disney, ele é interpretado por Moises Arias. Sabem quem é? Lembra do moço que tentava desmascarar Miley em “Hannah Montana”, o baixinho louco por dinheiro, Rico o nome dele. Esse é Moises Arias.

Parabéns Disney, cada vez mais trazendo talentos para o mundo do cinema. Lembrem, Ryan Goslin, Christina Aquilera, Zac Efron, Zendaya, todos foram Disney um dia e hoje são estrelas de filmes mais sérios e reflexivos!

Mas o elenco não parou por aí, porque sem uma boa Stella a história não valeria a pena, por isso mesmo lhes apresento Haley Hu Richardson. Confesso, não conhecia, mas porque eu ainda não tomei vergonha na cara de assistir “Fragmentado”, o primeiro filme que a pôs no mapa da fama. Mas tenho outra confissão: quero ver mais e quero ver em filmes bons sobre dança (fiquei exigente kkkkkkk).

Haley Hu começou a vida artística como dançarina e ginasta.

E até podem falar: “Ah, ela só fala bem, será que é isso tudo?” 

Tenho duas grandes críticas, coisas que de fato de incomodaram:

1 – Eles praticamente NUNCA estão a cinco passos um do outro. Para quem é mais metódico já vou avisando, vá assistir o filme, mas se estresse conscientemente. Tem horas que dá vontade de parar o filme e dizer: “meu amor, afasta, está faltando dois passos para completar o cinco, obrigada, de nada”;

2 – A mãe de Will é vivida por Claire Forlani, mas parece que ela foi contratada para fazer parte do cenário, se tiver três falas é muito. Não estou criticando a atuação dela, mas sim o uso dela dentro do filme. Ela interpretou a filha de Antony Hopkins e foi par romântico de Brad Pitt no filme “Encontro Marcado”, foi a médica legista de “CSI: NY” por quatro temporadas, passou por séries como “NCIS: Los Angeles” e “Hawaii Five-0”, além de outros bons trabalhos… Aí me colocam a mulher só para ser bonita (o que ela é de fato), com três falas quase imperceptíveis, sendo que ela poderia ter sido muito mais!

Apesar dessas raivas bem aí, o filme vale a pena cada centavo pago na bilheteria, Cole Sprouse finalmente cresceu (ainda vou lembrar de Ben Geller olhando pra ele, o sorriso não mudou) e a crença de que o amor não é egoísta só aumenta.

Confira o trailer:

Beijinhos e até mais.

Ah, e se puderem ABRACEM. 

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo