Malévola: Dona do Mal (2019) - NoSet
Cinema

Malévola: Dona do Mal (2019)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje vamos falar da maior vilã da Disney na sua segunda adaptação em Live Action.

Maleficent: Mistress of Evil (2019)

Direção Joachim Rønning, produção Joe Roth, Angelina Jolie e Duncan Hemderson, roteiro Linda Woolverton, Micah Fitzerman-Blue e Noah Harpster. Elenco Angelina Jolie, Elle Fanning, Chiwetel Ejiofor, Sam Riley, Ed Skrein, Imelda Staunton, Juno Temple, Lesley Manville e Michelle Pfeiffer. Companhias produtoras Walt Disney Pictures e Roth Films, distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures, lançamento no Brasil em 17 de outubro de 2019 e Estados Unidos 18 de outubro de 2019.

Com um altíssimo orçamento de US$ 185 milhões e uma boa receita de US$ 492 milhões em todo mundo, Maleficent: Mistress of Evil é um filme de aventura e fantasia sombria americana de 2019 baseado no longa-metragem animado da Disney A Bela Adormecida, de 1959, La Belle au bois dormant, de Charles Perrault, e A Bela Adormecida dos Irmãos Grimm, sendo a sequência de Maleficent, de 2014. Dirigido por Joachim Rønning, escrito por Linda Woolverton e reescrito por Jez Butterworth, é estrelado por Angelina Jolie, Elle Fanning, Sam Riley, Imelda Staunton, Juno Temple e Lesley Manville, que reprisam seus papéis do filme anterior, enquanto Michelle Pfeiffer e Chiwetel Ejiofor fazem suas estreias na continuação.

Enredo: Cinco anos após a morte do rei Stefan, Aurora continua sendo a rainha dos Moors, enquanto Malévola serve como sua protetora. Apesar de suas ações heroicas, Malévola ainda é considerada uma vilã pelo reino vizinho dos Moors, o reino de Ulstead, lar do príncipe Phillip. Quando Phillip pede Aurora em casamento e ela aceita, Diaval, depois de ouvir o pedido, conta a notícia à Malévola, que alerta sobre os riscos do amor. Aurora insiste que ela e Phillip vão provar que ela está errada antes de convencê-la a participar de um jantar íntimo com Phillip e seus pais, o rei John e a Rainha Ingrith.

Na noite do jantar, Ingrith provoca Malévola, dando-lhe talheres de ferro, sabendo que fadas são sensíveis ao ferro, mencionando a maldição que ela colocou sobre Aurora quando ela era um bebê e acusando Malévola abertamente de matar dois homens vistos pela última vez perto do reino dos Moors. Malévola tenta manter a compostura, mas perde a paciência depois que Ingrith diz que a partir daquele dia, iria considerar Aurora como sua filha, e aparentemente amaldiçoando o rei John em um sono eterno. Malévola foge sem Aurora, que se recusa a acreditar em sua inocência, mas cai no oceano depois de ser ferida com uma bala de ferro disparada pela serva de Ingrith, Gerda. No último minuto, uma criatura misteriosa com asas semelhantes às dela salva sua vida.

Malévola acorda em uma série de cavernas subterrâneas, onde descobre um grupo de fadas aladas de sua própria espécie, entre eles Conall, seu líder pacífico que a salvou, e Borra, uma fada guerreira que luta por uma guerra aberta com os humanos. Malévola descobre que ela é uma das últimas Fadas Negras, uma poderosa espécie de fadas que está quase extinta por causa da opressão humana. Ela também é informada de que sua própria linhagem se liga diretamente à Fênix, uma ancestral antiga, e por isso ela exerce uma magia bem mais poderosa do que o resto de sua espécie. Tanto Conall quanto Borra acreditam que Malévola é fundamental para acabar com o conflito com os seres humanos, seja pela paz ou pela guerra.

Enquanto isso, no reino de Ulstead, Aurora está desiludida com sua nova vida nobre, mas se alegra quando os Moors são convidados para o seu casamento. No dia da cerimônia, porém, ela descobre que Ingrith, com seu profundo ódio por eles, têm planejado secretamente matar todas as fadas e criaturas da floresta, forjando armas de ferro e criando um pó que pode matá-los instantaneamente. Também é revelado que Ingrith amaldiçoou John com o velho fuso amaldiçoado de Malévola. Quando os Moors se reúnem para a cerimônia de casamento na capela do castelo, eles são presos pelos guardas e Gerda começa a matá-los com o pó, lançado do piano que ela toca. Eles são finalmente salvos pelo sacrifício altruísta de Flittle, onde, finalmente, Knotgrass e Thistlewit fazem com que Gerda seja parada.

Ao mesmo tempo, as Fadas Negras iniciam um ataque ao reino de Ulstead, mas são massacrados pelos soldados bem preparados da rainha Ingrith, até que Malévola, depois de canalizar o poder da Fênix, se junta à batalha. Ela quase consegue matar Ingrith, mas é interrompida por Aurora, que apela à sua boa natureza, assegurando-lhe que Malévola é sua mãe. Enquanto as duas se reconciliam, Malévola salva Aurora da flecha de Ingrith e se dissolve em cinzas. Ingrith se proclama vitoriosa enquanto Aurora chora sobre as cinzas. Inesperadamente, Malévola renasce na forma da Fênix.

Os soldados de Ingrith recuam e a própria rainha é transformada em uma cabra como punição por seus crimes. Phillip forja um pacto de paz com as fadas em nome dos humanos, e Malévola volta a sua forma normal, dando à Aurora e Phillip sua bênção. Após o casamento, Malévola vai embora com um grupo de jovem Fadas Negras, prometendo a Phillip e Aurora que voltará para o batizado do filho deles.

Crítica: Finalmente a Disney acha sua nova musa para uma possível longa franquia e assim como em Piratas do Caribe e seu Jack Sparrow, encher seus cofres de dinheiro e trabalhar com uma atriz e produtora menos egocêntrica que Johnny Depp, que gosta da personagem e é engajada e repeitada em todo mundo.

Malévola: Dona do mal deve encantar os fãs das antigas e os novos apreciadores do Universo  Disney no seus clássicos Contos de Fadas muito mais pelo carisma, química e atuação do elenco, a beleza da fotografia do filme e seus efeitos especiais do que do morno, repetitivo e nada criativo roteiro de Linda Woolverton, Micah Fitzerman-Blue e Noah Harpster. O trio de roteiristas, mais a pressão já conhecida da Disney por filmes familiares, simplesmente repetiram todos os erros das personagens no primeiro filme, aqui com uma nova roupagem, e jogaram na tela. A falta de confiança entre “mãe e filha”, a escolha de um “príncipe encantado” como seu primeiro amor, a insegurança da personagem central sobre ela mesma e a falta e um empoderamento feminino da princesa eram desnecessárias e já debatidas no primeiro filme, juntando isso a um longo segundo ato da Malévola para acompanhar os devaneios da princesa foram simplesmente chatos de se assistir. Pareceu que a Malévola estava esperando a princesa acabar suas falas para voltar e ersgatá-la.

Mas o que realmente salva o filme é o trio de atrizes e a química entre alas. Angelina Jolie (Malévola), Elle Fanning (Princesa Aurora) e Michelle Pfeiffer (Rainha Ingrith) quando juntas roubam a cena e o diretor Joachim Rønning (Piratas do Caribe) soube aproveitar bem isso. Joile já se imortalizou com tantos papéis ícones, alguns muito divertidos como em Tomb Raider e Sr. E Sra Smith e outros sérios como A garota Interrompida, mas aqui em Malévola ela será eternamente adorada pelo amadurecimento do talento, beleza e charme.

Pfeiffer é uma das grandes atrizes de Hollywood, com papéis consagrados que vão desde Scarface, Ligações perigosas a Batman, Homem Formiga e Stardust. A atriz é capaz de tirar boas interpretações e risadas em papéis de vilãs e aqui, dá um show de interpretação.

Já Fanning, mesmo com o roteiro a boicotando, parece estar muito a vontade ao lado de Pfeiffer e Joile e aproveitar bem as brechas para atuar com segurança e ter seus momentos para brilhar.

Com o resultado de bilheteria abaixo dos US$ 500 milhões e ainda que com bastante crítica a produção, muitos elogios as atuações, é quase certo que a Disney ainda aposte em um terceiro trabalho cinematográfico para Malévola, então é esperar passar a pandemia e torcer pela vilã mais charmosa dos contos de fadas.

Curiosidades: Em 3 de junho de 2014, após o lançamento do primeiro filme, Angelina Jolie insinuou que uma sequência para Maleficent era uma possibilidade. Em 15 de junho de 2015, a Walt Disney Pictures anunciou que a sequência estava em andamento e que Linda Woolverton voltaria para escrever o roteiro do filme. Embora o retorno de Jolie à continuação ainda não fosse certo, o roteiro deveria ser escrito com ela em mente. Além disso, Joe Roth foi relatado para retornar como produtor do filme.

Em 25 de abril de 2016, a Disney confirmou oficialmente o retorno de Jolie como o personagem-título. Em 29 de agosto de 2017, foi relatado que Jez Butterworth iria reescrever o roteiro de Woolverton, enquanto Roth foi confirmado para retornar como produtor. Em setembro de 2017, Jolie afirmou que eles “têm trabalhado no roteiro e esta será uma sequência muito forte. Em 3 de outubro de 2017, o Deadline informou que o filme seria dirigido por Joachim Rønning e que começaria a ser filmado no primeiro trimestre de 2018.

Em abril de 2018, Ed Skrein foi escalado para o papel principal no papel de vilão, com Elle Fanning voltando a interpretar a Princesa Aurora do filme anterior. Michelle Pfeiffer também foi adicionada como personagem descrita como rainha, mais tarde esclarecido para ser uma rainha do mal, para ser chamada de rainha Ingrith.

Em maio de 2018, foi anunciado que Harris Dickinson substituiria Brenton Thwaites no papel de Príncipe Phillip, devido ao agendamento de conflitos com o último ator. Mais tarde também foi confirmado que Jenn Murray, David Gyasi, Chiwetel Ejiofor e Robert Lindsay também se juntaram ao elenco. Sam Riley, Imelda Staunton, Juno Temple e Lesley Manville também foram confirmados para reprisar seus papéis do filme anterior. Em junho de 2018 Judith Shekoni se juntou ao elenco.

A fotografia principal começou em 29 de maio de 2018, no Pinewood Studios, em Buckinghamshire, Inglaterra. As filmagens foram encerradas em 24 de agosto de 2018.

Os efeitos visuais foram fornecidos pela Moving Picture Company e pela Mill Film, supervisionados por Jessica Norman, Damien Stumpf, Brian Litson, Ferran Domenech e Laurent Gillet, com Gary Brozenich atuando como supervisor geral.

Em 22 de maio de 2019, foi revelado que a trilha sonora do filme será composta por Geoff Zanelli, substituindo James Newton Howard do filme anterior.[30] O filme marca a segunda colaboração de Zanelli e Rønning, depois de Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales.

Malévola: A Senhora do Mal arrecadou US$ 113,9 milhões nos Estados Unidos e Canadá e US$ 377,8 milhões em outros territórios, num total mundial de US $ 491,7 milhões. Estimou-se que o filme precisaria arrecadar US$ 400-475 milhões em todo o mundo para atingir o ponto de equilíbrio e cerca de US $ 500 milhões para gerar lucro.

Nos Estados Unidos e no Canadá, o filme foi lançado ao lado de Zombieland: Double Tap e foi inicialmente projetado para arrecadar US$ 45 a 50 milhões de 3.790 cinemas em seu primeiro fim de semana. No entanto, depois de ganhar US $ 12,5 milhões em seu primeiro dia (incluindo US $ 2,3 milhões nas visualizações de quinta à noite), as estimativas foram reduzidas para US $ 38 milhões. Ele estreou com US$ 36,9 milhões, terminando em primeiro lugar nas bilheterias, mas marcando um declínio de 47% em relação à estréia de US$ 69,4 milhões do primeiro filme. A abertura abaixo do esperado foi atribuída aos cinco anos entre parcelas, críticas mistas e concorrência de outros lançamentos. No segundo final de semana, o filme faturou US$ 19,4 milhões, mantendo o primeiro lugar nas bilheterias, antes de cair para o terceiro lugar no terceiro final de semana, com US $ 13,1 milhões.  O lançamento do filme na Índia foi declarado abaixo da média pela bilheteria de Chennai.

A revisão agregador site Rotten Tomatoes reportou o filme mantém um índice de aprovação de 40% com base em 246 opiniões, com uma classificação média de 5,09 / 10. O consenso dos críticos do site diz: “Embora esteja longe de ser amaldiçoado, Maleficent: Mistress of Evil raramente apoia seu elenco e visual impressionantes com narrativa mágica suficiente para justificar sua existência”. Em Metacritic , o filme tem uma pontuação média ponderada de 43 em 100 com base em 40 críticos, indicando “críticas mistas ou médias”. O público consultado pelo CinemaScore atribuiu ao filme uma nota média de “A” na escala A + a F, a mesma pontuação do primeiro filme,enquanto aqueles emO PostTrak deu 4,5 de 5 estrelas e 59% “recomendaram definitivamente”.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

 

Topo