Dawn of the Dead – Madrugada dos Mortos (Crítica – 1978 e 2004)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos de mais um clássico do terror, um remake de 78 de Romero, aqui dos novatos na época Gun e Snyder, uma mistura de conceitos do gênero que com certeza influenciou séries como The Walking Dead (2010) e filmes como Guerra Mundial Z (2013) e Zumbilândia (2009 e 2019), mantendo o ritmo e o enredo do século passado que transformou os Zumbis em um blockbuster cinematográfico.

Dawn of the Dead (Madrugada dos Mortos 2004) é um filme norte-americano de 2004, do gênero terror, dirigido por Zack Snyder (Batman vs Superman e Homem de Aço) e escrito por James Gunn (Guardiões da Galaxia). É estrelado por Sarah Polley (Entre o Amor e a Paixão), Ving Rhames (Missão Impossível), Jake Weber (Home land), Ken Foree (Halloween) e Mekhi Phifer(8 Mile).

Trata-se de uma “reimaginação” do filme homônimo de 1978 de George A. Romero. Apesar de usar o mesmo conceito do filme de Romero, não tem nenhum personagem do original e a história segue rumos diferentes. Dawn of the Dead retrata um grupo de sobreviventes vivendo em um shopping center localizado na cidade fictícia de Everett, Wisconsin, cercado por hordas de mortos-vivos. O longa-metragem é a estreia de Zack Snyder na direção cinematográfica.

Distribuído pela Universal Pictures, Dawn of the Dead foi lançado nos Estados Unidos em 19 de março de 2004. O filme foi um sucesso de bilheteria e arrecadou US$ 102 milhões em todo o mundo, contra um orçamento baixíssimo de US$ 26 milhões.

Sinopse: Depois de terminar um longo turno como enfermeira em um hospital, Ana retorna á sua casa no subúrbio da cidade fictícia de Everett, Wisconsin. Ela toma um banho ao lado do marido, Louis. Naquela noite, por estarem muito cansados, eles perdem um boletim de notícias de emergência na televisão. Na manhã seguinte, uma garota do bairro entra na casa deles e mata Louis, que imediatamente reanima como zumbi e ataca Ana. Ela foge no carro, bate e desmaia. Ao acordar, ela se junta ao sargento da polícia Kenneth Hall, ao vendedor de eletrodomésticos Michael, ao criminoso Andre e à sua esposa grávida, Luda. Eles entram em um shopping próximo e são atacados por um segurança zumbi, que arranha Luda. Três guardas – C.J., Bart e Terry – fazem com que eles entreguem suas armas em troca de refúgio. Eles se dividem em grupos para garantir o shopping. No telhado, eles vêem outro sobrevivente, Andy, que está preso em sua loja de armas do outro lado do estacionamento infestado de zumbis.

Curiosidades: Os planos para refazer o filme de terror cult de George A. Romero, Dawn of the Dead (1978), foram concebidos pelo produtor Eric Newman. Um fã do filme original, Newman pediu a Marc Abraham da Strike Entertainment que produzisse o filme com ele, com o qual Abraham concordou. Newman e Abraham conseguiram os direitos do filme depois que eles foram entregues por Richard P. Rubinstein, produtor do original. Rubinstein afirmou que finalmente concordou em conceder os direitos depois de vários anos, porque estava preocupado “que, em algum momento, um estúdio higienizasse a visão de Newman de produzir uma versão com ‘atitude'”, como o filme de Romero foi produzido de forma independente. Além disso, o produtor ficou impressionado com o “longo histórico de Abraham em manter intacta a integridade criativa dos filmes distribuídos em estúdio que ele produziu”.

Newman e Abraham disseram na época que o novo Dawn of the Dead é mais uma “re-visão” do filme de Romero, voltado para o público mais jovem que não tinha visto o original. Newman afirmou que o objetivo da produção é “fazer os fãs antigos felizes e fazer muitos novos fãs. Porque essa é a única razão pela qual estamos fazendo isso”. Ele citou seus filmes de terror clássicos favoritos Invasion of the Body Snatchers (1978), The Thing (1982) e A Mosca (1986) como influências cinematográficas, explicando que estes tiveram “algumas atualizações incríveis” que “acrescentam ao invés de diminuir os filmes originais”.

Em busca de um roteirista, Rubinstein contratou James Gunn, um fã ávido do filme original, que escreveu um roteiro que cimentou o interesse da Universal Pictures pelo projeto. Enquanto Gunn é o único roteirista creditado, Michael Tolkin e Scott Frank também trabalharam no roteiro de Dawn of the Dead. Rubinstein afirmou que Tolkin desenvolveu ainda mais os personagens, enquanto Frank forneceu algumas das maiores e movimentadas cenas de ação.

Zack Snyder foi contratado para dirigir o filme, fazendo sua estreia como diretor de cinema. Abraham disse que “Zack teve uma visão muito específica do filme”, acrescentando: “Não teríamos conseguido nosso grande elenco se [Snyder] não tivesse sido capaz de falar sobre o filme de uma maneira tão confiante e original.”

Cenas Pós crédito: Imagens de uma câmera de vídeo encontrada no barco mostram que o grupo fica sem suprimentos, chegam a uma ilha e são atacados por um enxame de zumbis. A câmera de vídeo cai no chão enquanto dezenas de zumbis perseguem eles, deixando seus destinos desconhecidos.

Crítica: No Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 75% com base em 187 críticas. O consenso crítico do site diz: “Um cinético, violento e surpreendentemente digno remake do clássico de terror de George Romero que presta homenagem ao original, enquanto trabalha em seus próprios termos”. No Metacritic, o filme tem uma pontuação de 58 em 100 com base em 37 críticas, indicando “criticas mistas ou médias”.

Roger Ebert disse que o filme “funciona e oferece exatamente o que você espera quando compra seu ingresso”, embora sentiu que ele “falta o humor mordaz da versão de Romero”.

Peter Travers, da Rolling Stone, classificou-o em 3º lugar no seu “Top 10 Melhores Filmes de Zumbis”. Bloody Disgusting classificou o filme em oitavo lugar na lista “Top 20 Filmes de Terror da Década”.

Marcelo Moura do Noset disse que o filme é pura adrenalina, você não relaxa a cada minuto, com cenas de puto terror, mesmo que com efeitos de maquiagem e naturais ao invés de tecnológicos. Uma grande influência a séries como The Walking Dead (2010) ou Z Nation (2014). A participação de atores do primeiro filme como Ken Foree e Tom Savini são um toque de mestre, como uma cereja no bolo. George Andrew Romero foi um consagrado diretor e realizador de filmes de zumbis, com títulos como A Noite dos Mortos Vivos, Despertar dos Mortos e Dia dos Mortos no seu currículo de escritor/realizador.

Sequência: Uma sequência intitulada Army of the Dead foi planejada. Zack Snyder afirmou que ele só iria produzir a sequência ao invés de reprisar seu papel como diretor devido a seu trabalho em Watchmen quando ele anunciou o filme. O roteiro de Army of the Dead foi escrito por Zack Snyder e Joby Harold. Ainda de acordo com a produtora Deborah Snyder, o filme estava situado em Las Vegas, e a cidade teria que ser contida para parar o surto de zumbis. Os estúdios produtores do filme seriam Universal Studios (que lançou o primeiro) e Warner Bros. Entertainment (que lançou a maioria dos filmes de Snyder desde 300) e o filme foi definido para ser dirigido por Matthijs van Heijningen Jr., diretor de A Coisa (2011), a prequela do cult clássico homônimo de John Carpenter lançado em 1982. A Netflix reviveu o projeto de Army of the Dead em 2019, com Snyder na direção, embora dessa vez não tenha sido identificado como uma sequência de Dawn of the Dead.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.thor/

Marcelo Moura

Marcelo Moura

http://www.noset.com.br

Moura gosta de Cinema, Tv, Livros, Games, Shows e HQ´s, do moderno ao Cult. Se diverte com o Trash, Clássico e Capitalista. e um pouco de tudo isso você vai encontrar aqui. Muitos dizem que quem escreve é a sua esposa ou mesmo seus três filhos. É ler para crer....