As Piores Adaptações de HQs Para o Cinema! (1994 a 2013) - NoSet
Cinema

As Piores Adaptações de HQs Para o Cinema! (1994 a 2013)

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e essa é a nossa lista dos piores filmes baseados em HQs. E a sua?

Catwoman (2004)

Mulher Gato (Catwoman – 2004): De Pitof com Halle Berry, Benjamin Bratt e Sharon Stone.

Produzido pela Warner Bross, o filme não deu nem para saída. O principal erro está em um péssimo roteiro, que praticamente transformou a ladra Mulher Gato em uma mulher de classe média, bipolar e com um totem felino que salva sua vida e a escolhe como heroína. Apagaram toda mitologia da DC e tentaram focaram no carisma da atriz Halle Berry, a Tempestade da franquia original dos X-men. É claro que não poderia dar certo e deixa um buraco na personagem que já foi incrivelmente interpretada nos cinemas pela belíssima Michelle Pfeiffer. Nem vou mencionar a atuação burocrática de Sharon Stone, a mulher de pedra. Orçamento de US$ 100 milhões e a bilheteria mundial de US$ 83 milhões.

Demolidor (Daredevil – 2003)

Demolidor (Daredevil – 2003): De Mark Steven Johnson com Ben Afleck, Jennifer Garner, Collin Farrel e Michael Clark Ducan.

Produzido pela Fox, Daredevil tem roteiro, direção e elenco totalmente fora de sintonia com o Universo Marvel. Péssimo resultado para uma das sagas mais premiadas das HQ´s que poderia gerar a interessante continuação de A Queda de Murdock. Infelizmente toda culpa caiu nas costas de Ben Afleck que pagou o pato por anos a fio sem reclamar. O único ponto positivo do filme é a atuação inusitada de Colin Farrel no papel do Mercenário. Clark Duncan como Rei do Crime é de uma infelicidade incrível. Orçamento de US$ 78 milhões e bilheteria de 180 milhões.

the phantom

Fantasma (The Phantom – 1996): De Simon Wincer com Billy Zane e Kristy Swanson.

Produzido pela The Ladd Company e Village RoadshowPictures, The Phantom é uma boa e engraçada Sessão da tarde que foi enterrada por alguns motivos óbvios que infelizmente para a época os críticos não perdoaram e fizeram o prato cheio. Regras para enterrar um filme nos anos 90. Faça um filme de HQ como comédia/aventura infantil/ juvenil e antes de estrear, peça para o elenco dar entrevistas bombásticas sobre sua vida pessoal e sexual. Lição de vida! Com orçamento de 45 milhões e um boicote mundial ao filme, bilheteria de US$ 18 milhões.

Elektra (2005)

Elektra (2005): De Rob Bowman com Jennifer Garner, Kirsten Prout e Goran Visnjic.

Produzido pela Marvel em parceria com a Fox, o que é ruim ficou pior. Spin Off do filme Demolidor, que já foi um fracasso de bilheteria, faz uma continuação bem meia boca que nem na TV como série faria sucesso. Se uma vez deu errado com um elenco bom, tente repetir os mesmos erros com um elenco pior ainda. Podia dar certo? É claro que não. Pelo menos dessa Bem Afleck não pode ser culpado, mas Garner enterra sua carreira de vez. Orçamento de US$ 43 milhões e bilheteria mundial de 57 milhões.

The Shadow

O Sombra (The Shadow – 1994): De Russell Mulcahi com Alec Baldwin e Penelope Ann Miller.

Produzido pela Bregman / Baer junto com a Universal Pictures, este filme é realmente para os verdadeiros fãs de HQs que assistem tudo que passa. Filme com ares Noir (pronuncia-se no-ar) conta a vida de um anti-herói com poderes psíquicos. O Sombra é conhecido apenas por poucos com um estilo de filmagem pré Spin City, tem o canastrão Baldwin no papel principal. Não funcionou nem para Sessão da Tarde e emsmo assim teve um bom orçamento de US$ 40 milhões, mas bateu apenas a casa dos US$ 50 milhões no obscuro cinema que deve ter passado.

Besouro Verde (Green Hornet – 2011)

Besouro Verde (Green Hornet – 2011): De Michel Goundry com Seth Rogen, Jay Chou e Cameron Dias.

Produzido pela Original Films em parceria com a Columbia Pictures e comparável ao fracasso do Cavaleiro Solitário (2013), que merecia uma melhor adaptação para este herói criado em 1930. Com algo infeliz que podemos chamar de roteiro assinado pelo próprio Rogen, o filme é um besteirol e foi ao fracasso por dois motivos: Quem disse que a série do Besouro Verde era uma comédia deslavada e quem disse Seth Rogen pode ser um ator principal em um filme de ação. Além de uma Cameron Dias totalmente perdida no elenco servindo só de rosto bonito, o único que se salva o filme é o ótimo Jay Chou que homenageou Bruce Lee e por causa do próprio carisma ainda vivo de Lee, o filme ainda não foi tão mal nas bilheterias. Orçamento de US$ 120 milhões e bilheteria de 228 milhões.

the spirit

Spirit (2008): De Frank Miller com Gabriel Macht, Samuel L. Jackson, Sarah Paulson, Scarlett Johansson e Eva Mendes.

Produzido por Produção Michael Uslan, Deborah Del Prete e Gigi Pritzker, com parceria da Lions Gate Entertainment e OddLot Entertainment, todas as apostas estavam em cima do mega Frank Miller, que é maravilhoso em muita coisa, mas no cinema tem seus piores momentos com Spirit (2008). Nem os ótimos atores como Samuel L. Jackson, Eva Mendes a quem eu idolatro e Scarlett Johansson salvam algoi no filme, principalmente pela péssima direção e roteiro, além de Gabriel Macht como ator principal que não convence ninguém. Orçamento de US$ 60 milhões e a bilheteria de US$ 40 milhões em todo mundo.

Motoqueiro Fantasma

Motoqueiro Fantasma (2007): Dirigido e escrito por Mark Steven Johnson, com Nicolas Cage e Eva Mendes.

Produzido pela Crystal Sky Pictures, Relativity Media, Marvel Studios em parceria com a Columbia Pictures, aqui vale o comentário: “De boas intenções o inferno está cheio” literalmente. Me lembro talvez de quatro filmes em que Nicholas Cage está realmente atuando e este não é um deles. O Motoqueiro Fantasma parece uma produção B com custo de filme Hollywoodiano, onde apesar do esforço para dar certo, fica muito abaixo disso. O filme teve uma péssima continuação em 2012 onde Cage faz mais caretas que o normal. Orçamento de US$ 110 milhões e bilheteria de US$ 229 milhões. Sua pobre continuação teve um orçamento de US$ 57 milhões e bateu a bilheteria de US$ 133 milhões, encerrando a franquia.

Cavaleiro Solitário (2013)

Cavaleiro Solitário (2013): Dirigido por Gore Verbinski, com Johnny Depp e Armie Hammer.

Produzido pela Walt Disney e Jerry Bruckheimer Filmes, The Lone Ranger é o maior exemplo de se deixar um ator decidir todas as cenas com o diretor, dar palpite no elenco, roteiro e no orçamento. Resultado custou somente US$ 250 milhões e recebeu de volta US$ 260 milhões. O desespero da Disney de conseguir uma nova franquia desde Piratas do Caribe deu nisso.

lanterna-verde

Lanterna Verde (2011): Estrelado por Ryan Reynolds e Martin Campbell como diretor e roteirista.

Inexplicável dinheiro jogado fora e chuva de críticas, esta é realmente uma das piores adaptações, principalmente do vilão, ao Universo DC, não importa o que o Gustavo da N-Verse diga. A Warner Bross merecia algo melhor em sua adaptação, e muito disso vem do roteiro, principalmente da metade para o final, onde tudo é banalizado demais e um deus do mal que consome planetas é derrotado em uma cidade. Com orçamento de US$ 200 milhões e bilheteria de US$ 220 milhões, o filme enterra todas as pretenções de se levar o Lanterna Verde para o Cinema.

Batman e Robin (1997)

Batman e Robin (1997): Dirigido por Joe Schumacher, elenco George Clooney, Arnold Schwaizenegger, Alice Silverstone, Chris O´Donnel e Uma Thurman.

Impressionante quando se mistura HQs, Séries e filmes em uma coisa só. Batman e Robin é, por incrível que pareça, uma homenagem a antiga série dos anos 60 que inexplicavelmente Schumacher achou que seria interessante filmar. Com um orçamento impressionante de US$ 125 milhões e um elenco que impressiona, na época, o filme bateu apenas a casa de US$ 238 milhões e uma chava de críticas que encerrou de vez uma bela franquia iniciada por Tim Burton. Apenas como referencia, O´Donnel usou o uniforme de Asa Noturna, mas os produtores preferiram não mudar o nome na hora da filmagem permanecendo Robin.

Herois

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.1253/

2 Avaliações

2 Comments

  1. Edgard Gama Jr. Configurações

    4 de junho de 2017 em 20:14

    Eu curti o filme do Demolidor, especialmente a versão estendida, que tem uma subtrama que deixa o filme bem mais bacana. Motoqueiro Fantasma também gostei.

    • Marcelo Moura

      Marcelo Moura Configurações

      5 de junho de 2017 em 22:00

      Edgard, na época esperávamos algo mais violento, como a série da Netflix, e menos Batman de Tim Burton. Muitos dos detalhes do personagem estão fora do contexto do Demolidor, mas concordo que há cenas bem interessantes e que a culpa não é do Afleck, mas sim por uma direção omissa. Motoqueiro Fantasma cai no mesmo erro de um anti herói que esta fora do contexto e os efeitos especiais estão fracos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo