Crítica: Father – Meu Pai

Salve Nosetmaníacos, eu sou o Marcelo Moura e hoje falamos mais uma vez de um dos maiores atores de nossa geração, Sir Anthony Hopkins, e de um filme que é uma aula de direção e atuações. Meu Pai é um drama de 2020, co-escrito e dirigido por Florian Zeller, baseado em sua peça de teatro de 2012, Le Père. Uma co-produção franco-britânica, o filme é estrelado por Anthony Hopkins, Olivia Colman, Mark Gatiss, Imogen Poots, Rufus Sewell e Olivia Williams, e segue um homem idoso que precisa lidar com sua perda de memória progressiva.

Meu Pai teve um orçamento de apenas US$ 20 milhões e sua estreia mundial foi no Festival de Cinema de Sundance em 27 de janeiro de 2020 e será lançado no Reino Unido em 11 de junho de 2021 pela Lionsgate. O filme foi aclamado pela crítica, que elogiou as atuações de Hopkins e Colman, bem como seu retrato da demência. O filme recebeu seis indicações no 93º Oscar, incluindo Melhor Filme, Melhor Ator (Hopkins) e Melhor Atriz Coadjuvante (Colman). No 78º Golden Globe Awards, o filme recebeu quatro indicações, incluindo Melhor Filme – Drama, e no 74º British Academy Film Awards recebeu seis indicações, incluindo Melhor Filme.

Sinopse: Anthony tem 81 anos de idade, mora sozinho em seu apartamento em Londres e se  recusa a aceitar todos os cuidadores que sua filha, Anne, tenta impor a ele. Mas isso se torna uma necessidade maior quando ela resolve se mudar para Paris com um homem que conheceu há pouco, e não poderá estar com pai todo dia. Fatos estanhos começam a acontecer: um desconhecido diz que este é o seu apartamento. Anne se contradiz, e nada mais faz sentido na cabeça de Anthony. Estaria ele enlouquecendo, ou seria um plano de sua filha para o tirar de casa?

Crítica: Uma aula de cinema e teatro do diretor Florian Zeller (A Outra Mulher), Meu Pai é uma obra de arte cinematográfica e merece todo o reconhecimento de um filme assombroso e devastador, que nos demonstra o medo e a apreensão de um homem ao final de sua jornada de vida e a luta para manter a sanidade e entender a realidade. Me lembro de ter ficado tão chocado assim ao ver um filme intrigante quando assisti Mãe! (2017) e Corra! (2017), ambos com este tipo de roteiro, onde não há mocinhos e que você não pode se descuidar para não perder nenhuma mudança ou virada da história.

Sir Anthony Hopkins (Thor e Hannibal) é um farol brilhante e mesmo que seu personagem não tenha tanta bagagem sobre quem ou o que fez na vida, a atuação de Hopkins nos leva ao palco de um teatro, sua realçai com seu apartamento, os móveis, suas viradas de humor e sua perda de memória, fazem com o acompanhemos de bom grado pelos três arcos do filme, vendo sua construção de história enquanto perde sua luta contra uma doença fatal, e mesmo que o diretor nos de sempre a dúvida do que está realmente acontecendo, é de mãos dadas com Hopkins que caminhamos para o fatal final, e que final.

O agregador de resenhas Rotten Tomatoes relata que 99% de 164 resenhas críticas foram positivas, com uma classificação média de 8,7 / 10. O consenso dos críticos do site diz: “Liderado por performances estelares e engenhosamente dirigido pelo escritor e diretor Florian Zeller, Meu Pai apresenta um retrato devastadoramente empático da demência.” De acordo com o Metacritic , que atribuiu a ele uma pontuação média ponderada de 88 de 100 com base em 41 críticos, indicando “aclamação universal”. De acordo com a PostTrak , 84% dos membros da audiência deram ao filme uma pontuação positiva, com 54% dizendo que definitivamente o recomendariam.

As atuações de Anthony Hopkins e Olivia Colman foram aclamadas pela crítica e ambos receberam indicações ao Oscar: de Melhor Ator e Melhor Atriz Coadjuvante, respectivamente.

Escrevendo para a Variety, Owen Gleiberman disse: ” O Pai faz algo que poucos filmes sobre deterioração mental na velhice trouxeram dessa maneira, ou totalmente. Isso nos coloca na mente de alguém que está perdendo a cabeça – e o faz por revelando que a mente é um lugar de experiência aparentemente racional e coerente. ”

Para The Guardian Benjamin Lee escreveu sobre a atuação de Hopkins: “É um trabalho surpreendente e de partir o coração vê-lo tentar explicar racionalmente a si mesmo e às pessoas ao seu redor o que está vivenciando. Em alguns dos momentos mais perturbadores do filme, seu mundo mudou novamente, mas ele permanece em silêncio, sabendo que qualquer tentativa de questionar o que ele acordou só cairá em ouvidos surdos. Hopkins percorre toda a gama de fúria a indignação a chateado e nunca parece um personagem construído, apesar de nossa associação com ele como um ator com uma carreira histórica. ”

Todd McCarthy, do The Hollywood Reporter, escreveu: “O melhor filme sobre os salários do envelhecimento desde Amour, oito anos atrás,  Meu Pai  tem uma visão estimulante, sutil e matizada da demência invasora e do preço que ela cobra das pessoas próximas aos aflitos. Frente a uma atuação estupenda de Anthony Hopkins como um inglês orgulhoso que nega sua condição, esta obra penetrante marca uma estréia na direção do escritor francês Florian Zeller.”

Escrevendo para a Indiewire, David Ehrlich disse: “Zeller adapta sua peça premiada de mesmo nome com visão de aço e notável confiança, enquanto o escritor-diretor usa a câmera como se estivesse atrás de uma por toda a sua vida. (. ..) Nas mãos de Zeller, o que parece ser um retrato de aparência convencional de um velho sem amarras enquanto ele se enfurece contra sua filha e zeladora, lentamente se revela como o estudo brilhante de uma mente no mar e da dor indescritível de assistir alguém se afogou. ”

Escrevendo para o The New York Times, Jeannette Catsoulis disse que o Pai é “estupendamente eficaz e profundamente perturbador” e o descreveu como uma “representação majestosa de coisas caindo”.

O filme possui uma cena pós crédito que faz com que você desabe, não perca.

Gostou da matéria, é só seguir o meu instagram para acompanhar lançamentos e opinar: https://www.instagram.com/marcelo.moura.thor/

Marcelo Moura

Marcelo Moura

http://www.noset.com.br

Moura gosta de Cinema, Tv, Livros, Games, Shows e HQ´s, do moderno ao Cult. Se diverte com o Trash, Clássico e Capitalista. e um pouco de tudo isso você vai encontrar aqui. Muitos dizem que quem escreve é a sua esposa ou mesmo seus três filhos. É ler para crer....