As Melhores Adaptações de Personagens da DC Comics para o Cinema (1 Ano de Noset): - NoSet
Cinema

As Melhores Adaptações de Personagens da DC Comics para o Cinema (1 Ano de Noset):

Salve Nosetmaníacos. Noset assistiu aos filmes e indica.

Superman – The Movie (1978): Superman é um marco do cinema baseado na história do maior herói da DC Comics, foi o primeiro mega sucesso de uma adaptação das HQs para o cinema e provou que uma produção bem feita consegue uma bilheteria avassaladora. Com um orçamento de US$ 55 milhões, o filme arrecadou nas bilheterias mundiais o valor de US$ 300 milhões. Muito disso tem a ver com a fantástica mão do diretor Donner, os efeitos especiais maravilhosos para época, o ator novato Christopher Reeve, além da música tema do filme de John Willians. Tudo isso deixou um legado de quatro filmes e a imortalização de Reeve no papel do Homem de Aço.

Batman (1989): Com um orçamento de US$ 30 Milhões e sem nenhuma referência antecessora de sucesso do Cavaleiro das Trevas a seguir, Burton cria um incrível universo que se perpetua até hoje nos games Lego com um dos personagens mais amado das HQs. O sucesso de bilheteria foi arrebatador passando da casa dos US$ 200 milhões, algo quase inacreditável para um personagem de HQ até aquele momento. Timothy Walter Burton ou apenas Tim Burton é um conceituado cineasta americano. Frequentemente, seus filmes acompanham os atores Johnny Depp e Helena Bonham Carter, com quem foi casado por anos. Meu único susto com Burton foi sua tentativa, graças aos céus frustrada, de fazer um Superman com Nicholas Cage. A eterna trilha sonora do filme foi criada pelo ex-líder da banda Oingo Boingo, Daniel Robert Elfman, cantor e compositor, responsável por diversas trilhas musicais do cinema. No elenco Michael Keaton, mais conhecido por seus papéis cômicos, como em Beetlejuice ou no drama Birdman, foi um tiro no escuro de Burton usar um ator baixo e comediante para um papel tenso e sério, mas o pior é que funcionou bem. Jack Nicholson é ator, cineasta, produtor de cinema e roteirista norte-americano, foi indicado ao Oscar doze vezes, e ganhou o Oscar de melhor ator por duas vezes. Merecia pelo menos a indicação ao Oscar por sua magnífica personificação do Coringa. Kim Basinger é uma premiada atriz norte-americana, famosa por sua beleza que sobrevive à idade. Jack Palance, falecido ator norte-americano, ficou famoso por seus papéis em Western. Michael Gough foi ator britânico mais conhecido do público internacional por seu papel como Alfred Pennyworth nos primeiros quatro filmes da franquia Batman e o único a estar presente em todos da produção Burton.

Batman Begins (2005): Batman da DC Comics criado por Bob Kane e Bill Finger, elenco Christian Bale, Michael Caine, Liam Neeson, Katie Holmes, Gary Oldman, Cillian Murphy, Tom Wilkinson, Rutger Hauer, Ken Watanabe e Morgan Freeman. Batman: O Início é um filme anglo-americano de 2005 com o roteiro baseado no personagem Batman da DC Comics, principalmente em duas HQs Clássicas, Batman: Year One e Batman: The Long Halloween. O filme reinicia a série de filmes Batman, contando a história de origem do personagem, começando pelo medo de Bruce Wayne por morcegos, a morte de seus pais e sua jornada para se tornar o Batman. Distribuído pela Warner Bros., foi lançado nos Estados Unidos em 15 de junho de 2005. Depois de uma série de projetos sem sucesso para reviver Batman na tela grande, após o fracasso de Batman & Robin em 1997, Nolan e David S. Goyer começaram a trabalhar no filme em 2003, querendo um tom mais realista e sombrio, com humanidade e realismo sendo a base da história. O objetivo era fazer o público se importar com Bruce Wayne e Batman. O filme, que foi filmado principalmente na Inglaterra e em Chicago, contou com proezas tradicionais e miniaturas, computação gráfica foi usada ao mínimo. Um novo batmóvel, chamado de Tumbler, e uma bat-roupa mais móvel foram criadas especificamente para o filme. Batman Begins foi um sucesso de crítica e bilheteria. Estreou em 15 de junho de 2005 nos Estados Unidos e no Canadá, em 3.858. Arrecadou US$ 48 milhões em sua semana de estreia, arrecadando mais de US$ 372 milhões internacionalmente. O filme recebeu uma taxa de aprovação de 85% no site especializado Rotten Tomattoes. Críticos notaram que o medo era um tema comum durante o filme e afirmaram que ele tinha um tom bem mais sombrio que os filmes anteriores da série. O filme é o começo da trilogia Batman de Nolan; uma sequência intitulada Batman: O Cavaleiro das Trevas estreou em julho de 2008 e também marcou o retorno de Nolan e Bale na franquia e uma segunda sequência intitulada Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge foi lançado em julho de 2012.

Watchmen – O Filme (2009): Watchmen é uma das melhores adaptações do cinema de HQs, indiscutivelmente é.  Se o grande público entendeu todo conteúdo transmitido no filme, que exige atenção e paciência, não entendeu. O impressionante trabalho de Snyder, que também já tinha produzido o excelente 300 é grandioso.  É claro que choveu críticas de filme violento, sanguinário e tudo mais, pois é difícil se aceitar um filme de HQ com conteúdo social, como no caso semelhante de V de Vingança. Talvez o maior problema de uma épica adaptação são os cortes de orçamentos que ocorrem nos projetos.  De acordo com os projetos de Snyder, sua versão do roteiro em 2007 gastaria 190 minutos de filme e um orçamento de 150 milhões de dólares. A Warner exigiu que o orçamento permanecesse em 100 milhões e a duração do filme em 145 minutos. O custo final foi estimado em 130 milhões de dólares.  A primeira versão editada por Snyder tinha três horas de duração, mas em dezembro foi confirmada que a duração total seria de 155 minutos, com a versão do diretor ficando em torno de 190 minutos, e uma versão estendida (incluindo a história de pirata Black Freighter) com duração de aproximadamente 220 minutos. Dois elementos importantes nas HQs foram tirados da versão de cinema: “Contos do Cargueiro Negro”, história sobre um homem que viaja em uma jangada e acaba destruindo sua vida e “Sob o Capuz”, sobre relatos contados por Hollis Mason, ex-Minuteman. Eles foram lançados separadamente e seguiram o roteiro do HQ com bastante fidelidade. A produção, sendo fiel aos quadrinhos, decidiu exibir pela primeira vez em um filme de super-heróis, o nu frontal masculino do ator Billy Crudup. Após isso os problemas com a divulgação e tamanho do filme se tornaram notórios, pois o ritmo do filme não conseguiu encantar o público, que o achou monótono, e acabou se enterrando na receita de apenas US$ 185 milhões. Só que o filme atingiu o nível Cult entre fãs de HQs e é reverenciado por muitos até hoje como a melhor adaptação de um filme para HQ, ou o mais odiado por outros. Você escolhe.

300 (2006): Com uma química alucinante, um diretor inovador e um elenco muito bem enquadrado, além de técnicas de filmagens únicas e soberbas, 300 é o tipo de filme que pode alavancar a carreira de qualquer diretor e elenco ou mesmo afundá-los em um mar de lama e deixá-lo lá para sempre. Com um estilo de filmagem quase Noir em suas imagens, o mesmo estilo que já deu errado em filmes como Spirit (2008), adaptado da HQ homônima e roteirizado e dirigido por Frank Miller, o mesmo criador de 300 e também de Sin City, só que 300 dá a volta por cima, através de uma violência nunca vista no cinema. Gerald Butler está inesquecível no papel de Leônidas e sua morte ao final do filme o imortaliza, mas dificilmente voltaria para uma continuação. Headey coloca toda força da mulher espartana a prova e dá uma dignidade ao papel que também será inesquecível, a altura de Butler. Santoro impressiona, não pelo seu tamanho aumentado digitalmente ou todos os pirces em seu corpo, mas por mais uma vez aceitar um papel tão diferente de seu estilo e ainda sim o fazê-lo tão bem. Mas é nas mãos de Zack Snyder, co-fundador da Cruel and Unusual Films, produtora que fundou em 2004, juntamente com sua esposa Deborah Snyder, que a história se concretiza de maneira pouco usual e perfeita.

Red – Aposentados e Perigosos (2010): Hilário filme de Bruce Willis com um elenco de se dar inveja, lotado de estralas. Willis que parece se encaixar perfeitamente no papel, de ex militar aposentado e ator aposentado, sai tão bem no papel quanto o fez  na franquia dos Os Mercenários de Sly, mas com um roteiro mais engajado e convincente que o concorrente. Eu que já vinha reclamando muito das escolhas dos papeis de Willis, cada vez sendo repetitivo como em Duro de Matar (2013), GI Joe (2013), 16 Quadras (2006), Tiras em Apuros (2010), aqui parece que o ator voltou a gostar de fazer o que sabe de melhor, um bom filme de ação com toques de humor. Recepção para o filme foi em sua maioria positivas. Justin Chang da Variety afirmou que RED é “Um divertido e ágil filme sobre uma equipe de veteranos da CIA rudemente forçados a sair da aposentadoria”. John DeFore do The Hollywood Reporter afirmou: “Embora feito sob medida para fãs do gênero, beneficia de sabores de humor e romance que mantém o seu apelo de ser fanboy-only “. Por outro lado, Roger Ebert deu ao filme duas estrelas de quatro, afirmando que ele é “nem um filme bom nem ruim. Possui atores que gostam de fazer coisas que nós gostaríamos que fossem mais interessantes”. A. O. Scott, do New York Times disse: “É possível gastar um bom tempo no RED, mas não é um filme muito bom. Realmente não tentar ser e dado o estado atual da economia de Hollywood, isso pode ser uma escolha sábia”. Kenneth Turan, do Los Angeles Times disse: “Não é que ele não tem momentos eficazes, é que ele não tem tantos como ele pensa que tem. O ar do filme imitando um glib para auto-satisfação não é apenas grande parte imerecido, é absolutamente irritante”. Com um orçamento de US$ 58 milhões, o filme bateu a receita dos US$ 200 milhões e garantiu uma continuação.

V de Vingança (2005): O diretor James McTeigue foi assistente de direção em vários filmes, como No Escape, Matrix e Star Wars. Fez sua estreia como diretor em V de Vingança e com um orçamento de US$ 50 milhões e um estilo fantástico, McTeigue estreia com o pé direito, dirigindo de maneira sublime uma história difícil de contar, principalmente por ser derivado de uma HQ, conseguido boas críticas pelo seu trabalho e uma bilheteria mundial em US$ 150 milhões. O filme é um clássico e imperdível para o bom Fanboy de HQs, faz parte, assim como Watchmen, de uma coleção imperdível de filmes baseados em HQ´s. No elenco Natalie Portman é atriz, produtora e diretora nascida em Israel. Vencedora de dois Globos de Ouro e ganhadora do Oscar de melhor atriz com Black Swan, Portman está tão surpreendente em sua atuação, simplesmente por ser ousada e não se prender a um rostinho bonito, como faz na franquia de Thor. Seu sofrimento no filme representa muito bem sua personagem nos quadrinhos e impressiona. Hugo Weaving é ator e dublador nigeriano. Weaving está fantástico no papel principal do filme, mesmo sem mostrar se rosto. Seu tom de voz da à forma que atua e não consigo mais imaginar que o ator de Priscila A Rainha do Deserto, que também adoro, possa ser o mesmo incrível e carismático ator de tantos filmes clássicos como Capitão América, Senhor dos Anéis, O Hobbit, Matrix, Transformers e Cloud Atlas.

Att.

Marcelo The Moura.

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo