Crítica: As Golpistas (Hustlers) - NoSet
Cinema

Crítica: As Golpistas (Hustlers)

Em meados dos anos 70 um programa de auditório da Rede Globo encantava as tardes brasileiras. Selecionando três meninas de origem carente, Sílvio Santos contava a história delas. A que encantasse ou comovesse mais o Brasil (ou os patrocinadores) era coroada princesa. Com direito a ator vestido de príncipe, prêmios e promessa de vida melhor, além de um simbólico sapatinho de cristal, a vencedora era considerada a Cinderela dos domingos. O programa Boa Noite Cinderela, apresentado pelo dono do baú e futuro dono do SBT, fez um grande sucesso, toda menina queria ter seu dia de princesa. Ironicamente, o nome do programa virou sinônimo de um dos golpes mais famosos da vagabundagem tupiniquim, o famoso Boa Noite Cinderela. A trapaça era que o pilantra (geralmente um homem) conhecia uma mulher num bar ou festa, colocava um tranquilizante na bebida e acabava arrastando a vítima para a casa dela, roubando tudo ou pior: acabava a violentando. Em 2019, a diretora Lorene Scafaria, baseada em uma matéria jornalística de 2016, onde strippers faziam golpes contra executivos e corretores da bolsa de Nova York usando do velho e bom Boa Noite Cinderela, apresentou ao mundo o filme As Golpistas (Hustlers), um dos destaques do catálogo da Amazon Prime.

O filme conta a história de Destiny, garota que mora com a avó e consegue um emprego como stripper numa badalada boate nova-iorquina, a Moves, em 2007. Lá conhece Ramona, uma experiente stripper que ensina os truques do ramo a ela, além de criar um belo laço de amizade. Mas chega 2008 e a crise global faz com que os executivos e corretores, os principais clientes abandonem a boate fazendo com que as garotas passem anos de perrengue. Destiny acaba virando mãe, se separa por um tempo de Ramona, que anos depois a recruta com mais algumas garotas pra aplicar golpes nos endinheirados de Wall Street, dopando a bebida deles e fazendo com que gastem muitos dólares no cartão de crédito. Inicialmente usam a velha boate como chamarisco, mas depois resolvem agir sozinhas para faturar ainda mais sobre suas vítimas.

As Golpistas foi uma bela surpresa do ano de 2019, filme dirigido e roteirizado por Lorene Scafaria, atriz e diretora de filmes menores, mas divertidos, como Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo e A Intrometida. Ela acerta a mão num filme quase Scorcesiano sobre um universo pouco explorado no cinema, de mulheres que usam seu atributo sexual e artimanhas tóxicas pra explorar incautos otários tirando grana alta. Inspirado por um artigo de Jessica Pressler, publicado em 2016 no New York Magazine, As Golpistas tem dramas pessoais, muita sensualidade, humor, pitadas de suspense, histórias em flashback, tudo extremamente bem orquestrado pelo ótimo roteiro e uma concisa edição.

O time de strippers golpistas também está muito bem escalado. Jennifer Lopez rouba a cena como a chefona do grupo Ramona, esbanjando talento e sensualidade. J Lo, além de atriz é uma das produtoras do filme, e sua performance segura e impecável com certeza era digna de uma indicação ao Oscar, mas devido a forte concorrência, ficou de fora. Mas sua brilhante atuação, sua melhor nas telas até agora, é digna de nota. Constance Wu serve muito bem como estepe para a atuação de Jennifer, passando uma grande sensibilidade como a batalhadora, mas não menos pilantra Destiny. Keke Palmer e Lili Reinhart completam o grupo de irmãs criminosas, um time quase perfeito. As Golpistas é quase como um filme de máfia, só que ao invés de poder e comando, a “famiglia”, com seu núcleo e ramificações, tem como mote um desejo material.

Botas, casacos de peles e joias as motivam a fazer os golpes usando seus artifícios de poder sexual sendo objetos de desejo dos homens. Temos aqueles planos sequencias ao melhor estilo Martin Scorsese mostrando o habitat noturno, temos uma líder, Ramona, temos uma iniciante deslumbrada e capaz de tudo por sua madrinha, Destiny, amizade, traição, submundo, enfim todos os ingredientes dos grandes filmes de capos e mafiosos, mas com a diferença que ao invés de balas e mortes, muito charme, salto alto e empoderamento, além de grandes doses de Boa Noite Cinderela e faturas exorbitantes de cartões tiradas de homens que jamais imaginariam que seriam enganados por mulheres. Como diria Ramona Vega: “Depois de 2008 todo mundo tinha que ser um pouco criativo para sobreviver…”.

Origem: EUA
Genero: Drama
Classif.: 16 anos
Duração: 109 min.
Distribuição.: Diamond Films
Lanç. Nacional: 05/12/2019

Sinopse: `As Golpistas´ segue um grupo de ex strippers experientes que se unem para virar o jogo contra seus clientes de Wall Street. O filme é inspirado no artigo `The Hustlers at Scores´, de Jessica Pressler, publicado pela New York Magazine.

Elenco: Constance Wu, Jennifer Lopez, Julia Stiles, Madeline Brewer, Cardi B

Roteiro: Lorene Scafaria

Direção: Lorene Scafaria

Topo