A Caminho de Casa: a fidelidade canina sempre traz boas lições. - NoSet
Cinema

A Caminho de Casa: a fidelidade canina sempre traz boas lições.

Cães em filmes não é algo incomum. Aliás, alguns ganharam enorme destaque e se tornaram lendas do cinema como Beethoven, LassieRin-Tin-Tin, Sam (Eu Sou a Lenda), Einstein (De Volta para o Futuro), Marley (Marley e Eu), Milo (O Máskara), além daqueles que foram criados digitalmente como Scooby Doo, Snoopy, Frank, o cão falante (Homens de Preto), os cãezinhos de 101 Dálmatas, entre muitos outros. Atualmente temos uma nova onda de filmes com cães, fato que ocorre em função do apelo emocional desses animais e do sucesso dos livros ; o mais recente deles é o carismático A Caminho de Casa que conta com a cachorrinha Bella. O filme foi lançado pela Sony Pictures do Brasil.

O filme é uma adaptação do romance de W. Bruce Cameron (autor de Quatro Vidas de um Cachorro), também responsável pelo roteiro ao lado de Cathryn Michon. No longa, nós somos apresentados a Lucas (Jonah Hauer-King), um jovem cujo amor pelos animais o leva a tentar salvar gatos e uma cachorrinha de uma casa abandonada. A cachorrinha “adota” Lucas como sua nova família e é a partir daí que realmente começa a trama.

Lucas vive com a mãe, Terri (Ashley Judd) e os dois nutrem um grande amor por Bella (voz de Bryce Dallas Howard). Tudo fica bem até que Bella é capturada por um agente público que está mancomunado com o dono da casa abandonada. Após ir para um canil, Bella é resgatada por Lucas e sua melhor amiga, Olivia (Alexandra Shipp), mas têm que mandar a cachorrinha para outra cidade onde as leis sobre cães não sejam tão rígidas.

Ao passar a essa nova casa, Bella se adapta bem, mas ela decide sair quando ouve um “comando” igual ao ensinado por Lucas. Esse é o começo da confusão e da aventura.

A cachorrinha passa por tudo aquilo que um cão abandonado pode passar, mas com um certo exagero por parte do roteiro. De avalanches até um resgate de um filhote de puma, tudo caminha para trazer emoção ao público. Na verdade, a emoção é uma ótima ferramenta usada no filme, principalmente por conta do uso do recurso da “voz” de Bella. Há pontos da trama onde a busca por situações de conflito que gerem empatia do público não caem muito bem, porém nada disso tira o mérito do longa que é o de passar a importância da fidelidade em relacionamentos, seja por parte dos humanos ou dos animais.

E já que eu citei os pontos que não caem bem, nada mais justo do que citá-los. A interação entre Bella e o puma filhote é algo até divertido, porém perdeu um pouco do brilho em função do uso de um CGI abaixo daquilo que estamos acostumados a ver em produções maiores (talvez em prol de uma economia no orçamento). A passagem do tempo também foi algo que incomodou, já que não há um destaque para quanto tempo a cachorrinha ficou fora. Isso é resolvido próximo ao final, quando descobrimos qual foi o tempo de afastamento de Bella das pessoas que ela ama. A direção de Charles Martin Smith poderia ter sido mais ousada, contudo eu compreendo que as limitações impostas pelo roteiro

Porém, repito, isso não tira o brilho de uma produção voltada à família. As lições embutidas em A Caminho de Casa são muito boas, principalmente por mostrar respeito pela vida animal e também por destacar os cuidados que os veteranos de guerra recebem por parte do governo. Acrescentemos outra qualidade muito importante que foi o uso de locações lindas.

Uma das características que mais chamou minha atenção foi o cuidado dos produtores em não mostrar o lado realmente ruim dos seres humanos (apesar da presença do dono da casa abandonada e do guarda que persegue Bella). Tal como em um fábula, o respeito pelas crianças (certamente o público-alvo desta obra) está presente e destaca o zelo em produzir algo na contramão da violência gráfica presente na maioria das produções cinematográficas de hoje. Nem mesmo em situações de conflito entre pessoas há o uso de um linguajar ofensivo… e isso é muito bom de ver.

Por fim, a interação entre o elenco ficou muito boa. Entre os astros, o destaque ficou por conta do ator que interpreta Lucas, Jonah Hauer-King, que deve realmente gostar muito de cães. O carisma e a simpatia dele são visíveis. Ele e Bella ganham ares de parceiros para uma vida inteira, fato reforçado pelos comentários da cachorrinha através da voz da atriz Bryce Dallas Howard.

A dublagem nacional não deixou nada a dever e, novamente, a Sony acertou na escolha dos dubladores. Por se tratar de um filme familiar e com foco nas crianças, claro que a versão dublada era obrigatória.

Assim, caso esteja procurando um filme com boa dose de emoção, fantasia e um conteúdo bom, A Caminho de Casa é a melhor pedida para essa semana de estreias.

Até breve e não deixem de opinar sobre essa análise. Sua opinião é muito importante!

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo