A uva passa, o Natal e onde eu entro nisso tudo - NoSet
Autoral

A uva passa, o Natal e onde eu entro nisso tudo

Quando eu era criança, simplesmente não entendia a relação dos adultos com a uva passa. Que graça viam naquela coisinha gelatinosa, com um gosto esquisito, parecia algo estragado. E o pior de tudo: por que colocar uva passa em tudo? Minha avó, mãe e tias colocavam a bendita no arroz, na maionese, na farofa…e no bolo de Natal. Fora o panetone, que eu, sinceramente, preferia o chocotone a ele.

Essa mistura de sabor doce, com salgado, essa bagunça que paladar de criança simplesmente não entende. Porque paladar de criança é aquela coisa: açúcar demais, salgado demais, e um “eca” pro azedo, pro amargo, e pro “misturado”

Aprendi a gostar dela (e hoje como até pura) numas férias, na casa da minha avó. Minha mãe costumava fazer um trabalho extra no natal, numa loja de brinquedos da cidade, e eu passava esse mês de dezembro na minha avó. E, um dia, assistindo “ZYB Bom”, da Tv Bandeirantes, meu avô me trouxe o panetone para o café da tarde. E me disse: tem umas frutinhas muito gostosas, experimente.

A princípio fiz careta e fui tirando as frutinhas. Até que, observando vovô comer com tanto gosto, resolvi provar também. E casa de vó, não tinha aquele bando de porcarias que tinha em casa. Tudo caseiro, bolachinha de nata, mingau de aveia…o panetone de frutas me pareceu muito bom. E as uvas passas. Daí pra comer farofa com uva passa foi um pulinho. Logo estava no arroz, nos bolos de frutas, e até comendo pura, no lanchinho.

Lembrei de toda essa história depois de ver várias postagens nas redes sociais, onde as pessoas reclamam da uva passa em tudo no Natal. Uns são contra, outros a favor mas uma coisa é unânime: Natal e uva passa são parceiros inseparáveis. Quem nunca debateu  sobre isso? Nunca respondeu concordando ou discordando?

De onde surgiu essa mania de uva passa

Mas de onde surgiu o costume de colocar uva passa na comida da Ceia de Natal? Encontrei algumas explicações sobre a possível origem desse costume e me pareceram uma boa:

               “A história da uva passa vai muito além do que a culinária e nos faz voltar até os tempos da Roma Antiga. A fruta possui uma ligação muito forte com o solstício de inverno e era dada como presente nas celebrações dessa data. Além de tudo, nas classes mais altas da sociedade, essas especiarias vinham cobertas com ouro, servindo até mesmo de decoração.

               Para os romanos cada tipo de fruta seca tem um significado e fazem parte de um costume dessa antiga civilização que promete a ausência de fome, pobreza e ainda protege contra os excessos da bebida”.

Fonte: http://www.jornaljr.com.br/2016/12/23/uva-passa-na-comida/

Para quem precisava de um bom motivo para aderir à essa frutinha que desperta sentimentos de amor e ódio, aí está.

A uva passa na ceia é tão famosa quanto o especial de natal do Roberto Carlos (que também desperta sentimentos de amor e ódio, digamos assim). E claro, também a piada do “é pavê ou pá cumê”?

E por que não provar já que faz tanto bem à saúde? A fruta ajuda na dieta. Um punhadinho serve como lanchinho entre as refeições, sendo bem menos calórica que um pãozinho. Ela previne, por exemplo, doenças como câncer, Alzheimer, Parkinson e demência. Evita que as pessoas na menopausa tenham perda óssea. Tem fibras e diminui o colesterol. Uau!

Olha, neste Natal vou falar pra mamãe querida encher meu arroz, minha farofa e o que mais quiser com passas. Apenas deixo um recadinho a ela: por favor minha adorada mãe, não coloque maçã na maionese. Aí também não há cristão que aguente…

Nós do time Noset desejamos a todos um Feliz Natal e uma ceia cheinha de uva passa! Só pra quem gosta, claro…

 

 

 

 

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo